Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As diatribes de um deputado hipócrita

por Manuel_AR, em 18.02.20

O que é preocupante não são as minorias barulhentas que se manifestam ruidosamente nas ruas, estádios e noutros locais. O que é preocupante são essas minorias e grupelhos que se encontram no silêncio, mas que têm pontas de lança na política que os representam.

Ventura e racismo.png

A TVI concedeu a André Ventura espaço para derramar o seu azedume acumulado contra todos os que se têm manifestado, incluindo a imprensa internacional, contra o que aconteceu com o jogador Marega no jogo entre o V. de Guimarães e F. C. do Porto. Ventura teve o seu momento ZEN de trafulhice intelectual emanada da sua mente vazia para poder fazer, como de costume, política populista e arruaceira.  

André Ventura do partido Chega vomitou ontem no Jornal das 8 da TVI um raciocínio espantosamente verborreico sobre o acontecimento Marega. Ficou claro para Ventura, e só para ele, que não há racismo no futebol. Miguel Sousa Tavares colocou-lhe questões pertinentes. Ventura mostrou ser uma espécie de besta ululante e negacionista remetendo o epíteto de hipócritas para todos os que condenaram publicamente o acontecimento. Da direita à esquerda, incluindo o Presidente da República e o Primeiro-ministro, foi ele o único que não condenou o caso. São hipócritas segundo as suas justificações.

Ventura, mostrando agitação e nervosismo, comportou-se como uma espécie de  comicieiro que pretende fazer passar os seus pontos de vista através de um discurso incoerente, disperso, apressado e repetitivo, afastando-se do tema central para fugir às perguntas e dúvidas, para ele incómodas, e para o qual terá sido convidado. Falou nos polícias e nas agressões, feitas durante o estabelecimento da ordem pública, falou num bombeiro, e noutros casos que em nada tinham a ver com o tema central, etc., etc...

A estratégia de Ventura era consumir o tempo de antena disponível tornando, na prática, a entrevista num monólogo em que debitava argumentos para escapar às respostas, se tal se pode chamar à chusma de dispartes enviesados, eivados de incoerência e fora do contexto do tema real do momento.

Hilariante e hipócrita foi também a declaração feita por Ventura logo no início, afirmando que não era racista nem xenófobo e que todos os outros são hipócritas dizendo: “condeno veementemente qualquer atitude racista, xenófoba e menorização por preconceito social” e mais, “é uma condenação sem hesitação” e, ainda “temos que acabar com isto, nós não temos um problema de racismo estrutural em Portugal”. Frases estas que mais parecem ser de lavagem e de negação do que tem dito e escrito em ocasiões anteriores. O descaramento intelectual deste sujeito é uma evidência incontornável para quem tem acompanhado as suas diatribes, quer na Assembleia da República, quer nas redes sociais quer em artigos de opinião.

Esta criatura, quando confrontada com pedidos de esclarecimento em público, nega “veementemente” atitudes e tudo o que disse anteriormente. Convém-lhe, nessas ocasiões, vestir a capa da moderação que tem reservada no armário bafiento das suas ideias para certas alturas mais complicadas em que possa estar envolvido.

Para além de nos chamar hipócritas a todos os que não estão em sintonia nem concordam com ele, pretende, ainda, fazer-nos passar por parvos, coisa que, nós portugueses, não gostamos nada que nos chamem. Parvos e hipócritas será ele e os do seu séquito de mentes vazias. Sobre os cânticos racistas no estádio fugiu à questão, dizendo que não viu e que aguarda pela investigação. Tretas!

Ventura diz que o acontecimento que se passou com Marega não é uma questão de racismo. Ah não? Então, e se o caso tivesse tido como protagonista um jogador branco teriam sido entoados esses mesmos ganidos sobre a forma de cantos racistas e impropérios contra ele? O que é que essa mente “politicamente esclarecida” teria a dizer?

É certo que, durante esses jogos, adeptos proferem as mais diversas ofensas a jogadores brancos, quando algo não acontece como eles desejariam. Outra coisa são as atitudes com cunho vincadamente relacionado com etnia ou com cor da pele.

O que é preocupante não são as minorias barulhentas que se manifestam ruidosamente nas ruas, estádios e noutros locais. O que é preocupante são essas minorias e grupelhos que se ocultam em silêncio, mas que têm pontas de lança não só na política como no futebol. Estes também ainda se fazem ouvir em alguns órgãos da comunicação social que, com o seu palavreado tentam lavar acontecimentos em consonância com os “venturas” que por aí andam nos cafés, nas churrasqueiras, bairros e outros locais onde o André angaria facilmente adeptos, talvez por ser do Benfica. São estes os mais perigosos.

São manifestas as orientações ideológicas de André Ventura já que conforme um artigo publicado no jornal Público “Ventura foi explicitamente racista e xenófobo contra uma colega deputada, ato reconhecido como discriminatório por todos os outros partidos, assim como o Presidente da Assembleia da República, nazis foram reconhecidos nos órgãos de direção do partido, uma saudação nazi foi feita num comício sem que André Ventura reagisse, neonazis já condenados como Mário Machado demonstraram o seu apoio ao partido. Os seus apoiantes atacam adversários nas redes sociais, insultam, fazem ameaças físicas e até de morte, concertam-se para deitar abaixo páginas e blogs, fazendo reinar um clima ditatorial, tentando impor o silêncio próprio dos regimes fascistas a quem ousa pôr em causa o líder” (in jornal Público).

E nos entretantos da intervenção de Ventura na TVI no topo do bolo cai a cereja. Para cúmulo da bazófia, lá foi afirmando com convicção que virá ser primeiro-ministro de Portugal. Onde é que já ouvimos isto? Ah!, já sei, foi Assunção Cristas quando era líder do CDS. Mas, apesar de tudo, com essa e com o seu partido sabemos com que contamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48

Racismo primário – pertencemos todos!

por Manuel_AR, em 11.02.20

Hoje resolvi recuperar um artigo do blogue Estátua de Sal e que foi publicado no Expresso sobre o tema que já não está na ordem do dia, mas está sempre presente e que, por mais que não se queira, é sempre, e infelizmente, atualidade. Situações destas vêm-se agravando com o populismo de indivíduos pertencentes a uma espécie de casta, títere de quem os financia, a quem tudo serve para conseguir protagonismo e obter dividendo políticos.

Devo antes esclarecer que não tenho quaisquer simpatias políticas nem pela personalidade de Joacine, nem pela sua personalidade demonstrada pelo discurso que, visto de outro ângulo, demonstra ser o é o mau resultado no debate político.

Assim, aqui vai o texto:

Racismo primário – pertencemos todos!

(Isabel Moreira, in Expresso Diário, 30/01/2020)

Ventura e Joacine.png

Este podia ser um texto jurídico. Um texto a explicar que a Constituição rejeita o racismo, que a República quer dizer alguma coisa, que somos mesmo todos e todas iguais perante a lei.

Esqueçam o Direito. Por um instante.

O que temos visto por estes dias por parte de André Ventura é o regresso à essência mais radical do racismo.

André Ventura usa das palavras – e as palavras têm muita força – para nos devolver ao horror da separação de identidades entre brancos e não brancos. Quem diz identidades diz pertenças. O não branco não pertence, o branco pertence. Daí que lhe saia sem pudor a proposta de deportar a Deputada portuguesa Joacine Katar Moreira, uma não branca que ele faz por identificar como estrangeira, ela que vá para a “terra dela”, eis o apelo aos instintos primários do racismo.

Não consegue o racista André Ventura dizer de mim o mesmo, não consegue sugerir que eu vá para o Brasil, onde nasci, porque não surte efeito. No lodo racista ninguém ousa não identificar-me como portuguesa de origem, natural de gema da terra lusa, enquanto que a pele negra tresanda a estrangeiro.

O regresso de André Ventura à essência do racismo faz dos corpos fronteiras, lugares, este e aquele corpo são ou não daqui consoante a pigmentação, não há cá cidadania no seu discurso fora da lei.

Evidentemente esta jogada monstruosa conta com o racismo presente na sociedade, racismo tão evidente que quando se fala nele salta a indignação em vez de saltar a reflexão.

Portugal é dos poucos países que conheço onde o racismo não é unanimemente reconhecido como um problema sério, estrutural, sendo antes visto como uma “causa” de alguns ativistas que vieram atrapalhar a calma lusa.

Assim sendo, neste caldo, André Ventura avança e adianta que se Joacine Katar Moreira pensa o que pensa é caso para perguntar porque não se vai embora.

La está. Mais uma vez faz de uma deputada portuguesa uma visitante. E faz do racismo um problema das pessoas racializadas. Como se não devesse ser um desconforto ético e moral para qualquer pessoa a existência de racismo, de sexismo, de homofobia ou de qualquer tipo de fenómeno discriminatório, independentemente de se pertencer a uma categoria discriminada. Seria caso para eu fugir do mundo, sendo mulher, por causa do sexismo? Não, mas a resposta é a mesma em relação ao racismo não sendo eu uma pessoa racializada.

A pergunta de Ventura é estúpida mas carregada de intenção. A intenção é a de sempre: gerar divisão, ódio, para crescer nessa onda.

Não é preciso explicar que não se concorda com a proposta x ou y de Joacine Katar Moreira para depois se dizer que estes dias foram alucinantes. As propostas devem ser debatidas com argumentos racionais, em sede própria.

O que não podemos admitir, o que deve merecer a nossa luta feroz, a luta de todas e de todos os democratas, é o racismo primário de Ventura, um cobarde cheio de vergonhas.

Pertencemos todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:52

Sou sexy e no CDS seremos todos sexy

por Manuel_AR, em 29.01.20

CDS_partido sexy.png

O CDS deve estar a sofrer da síndrome de charme e não é de agora. Já em 2018 Assunção Cristas, ainda sem sonhar o que lhe iria acontecer, disse numa entrevista alto e bom som que “estava preparada para ser primeira-ministra”.

Ela procurava atrair a atenção dos eleitores mesmo quando sabia que o poder não estaria ao seu alcance, mas poderia tirar alguma vantagem. Uma espécie de prazer como é o ritual da conquista e por pensar ser desejada pelos portugueses para líder do governo do país.

Aliás, a líder centrista elogiou os atributos do candidato centrista durante as eleições para o Parlamento Europeu quando por entre sorrisos da assistência afirmou que o CDS “tem uma cara engraçada”, referindo-se a Nuno Melo, tentando contrapor a diferença com o candidato socialista. O termo sexy, enquanto sinónimo de encanto sedutor e pessoa sexualmente atraente e possuir também um caráter erótico que estimula o desejo sexual e excitante, parece que vai  passar a fazer parte do ideário e do programa do CDS.

O novo líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, disse na sua intervenção no 28º congresso que “Seremos um partido que se tornará sexy” e que promete devolver a “identidade” ao partido. Será de presumir a identidade sexy?

Ter a arte da sedução e do encanto parece passar a fazer parte do envolvimento político do partido. Temos de ter cuidado senão arriscamo-nos a ser seduzido pelo sexy do CDS.

Voltar a “andar no terreno com uma identidade clara e um rosto visível” são os desejos do “Chicão”, como se o partido, nos últimos tempos, não tivesse um rosto visível quando esses rosto até afirmava que estava preparada para ser primeira-ministra.

A explicação para ser um partido sexy está ali, como nunca. Ele, o novo rosto do partido, diz assim ser por passar a utilizar estratégias de comunicação acutilantes, disruptivas e atuais. Este foi o momento mais sexy do partido. Será sexy também, mas não por defender os valores que não são nossos, disse. Esperem lá, se eu não defender, ao nível partidário, os valores dos outros serei sexy? Humm!

Estamos entendidos, quem quiser apanhar uma dose de erotismo partidário corra ao CDS.

O CDS precisa de construir pontes e não erguer muros, disse, Rodrigues dos Santos, pelo menos ficamos a saber que é suposto estar contra os muros de Trump. Mas é estranho, porque o novo líder do CDS, quando André Ventura sugeriu no Facebook que a deputada Joacine do Livre devia ser "devolvida" ao país de origem, Francisco Rodrigues dos Santos, recém-eleito líder do CDS, depois de uma audiência com Marcelo Rebelo de Sousa, também comentou a relação entre a deputada do Livre e o partido com a frase: “no CDS não existem Joacines". O Livre, partido de esquerda, vê nestas afirmações da direita “contínuos ataques de caráter e referências de índole racista".

Será isto também o sexy a que Rodrigues dos Santos se refere?

As reações sucedem-se e, desta feita, também Adolfo Mesquita Nunes do CDS deixou o seguinte comentário nas redes sociais:

André Ventura sugere deportar uma deputada à conta de uma proposta discutível e há quem, nos comentários ao meu post anterior, veja na sugestão dessa deportação a verdadeira direita e, o que é pior, nela veja a direita dos valores do CDS. Acham-se muito corajosos e chamam-me de cobarde, como agora é moda. Pois a esses, os da coragem na ponta da língua, só tenho a dizer o seguinte: não quero saber se acham que são de direita ou se acham que são cristãos ou se acham que tudo vale desde que seja para malhar na esquerda, porque cada um acha-se o que quiser, mas há uma coisa de que eu jamais prescindirei, que é do princípio da dignidade da pessoa, princípio estruturante da matriz judaico-cristã e a raiz da igualdade entre os Homens. Cobardes são os que prescindem de princípios estruturantes sempre que a esquerda os enerva, e só porque a esquerda os enerva".

Será que o novo líder centrista vai seguir de perto o Chega deixando a matriz de partido de direita e passar a adotar a da extrema-direita racista e xenófoba? A ver vamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Racismo.png

Imagem do jornal Público

A ser confirmado tudo quanto foi descrito e tornado público sobre o caso de ofensas e violência desnecessária sobre a cidadã de origem africana Cláudia Ramos, feitas em primeiro lugar pelo motorista da Vimeca depois pelo agente da PSP, acho que devem ser considerados casos de polícia por extravasarem o mero conflito ocasional. O que tem sido divulgado são um relato impressionante da brutalidade psicológica e física feitas por quem deveria ser garante da nossa segurança e que em vez do merecido respeito, alguns passam a desprezar.

Quando um funcionário de uma empresa seja de transportes ou outra qualquer que preste um serviço público e tenta evitar trapaceiros quando exige documentação a quem a deve apresentar, no caso a prova de ingresso no transporte, ou não permite a entrada em alguns locais que exigem determinada autorização podem acontecer situações de conflito.

O funcionário, também ele trabalhador e com responsabilidades de controle e vigilância, deve cumprir a função de que está incumbido. Se fecha os olhos a uns teria de os fechar a outros que eventualmente se aproveitariam da situação.

Há, todavia, limites no cumprimento da função atribuída que, ultrapassados, passam a ter de facto motivações racistas tais como as que têm vindo a público no caso da Cláudia Ramos e que foram descritas e referidas pelo jornal Público: “‘isso é na tua terra, vocês estão aqui a dar cabo do nosso país’. E começou a gritar nomes: ‘seus pretos, andam a estragar o nosso país, pensam que isso é só chegar e andar sem passe’.”

A pergunta que podemos fazer é onde está o ministro da Administração Interna que parece fazer orelhas moucas ao facto. Agir em circunstâncias como estas não é desautorizar as polícias é disciplinar e moderar comportamentos em que a reação é desajustada à causa. Recorde-se que Mário Cabrita disse, em junho de 2019, que “não há espaço para o racismo” e para a xenofobia na polícia, destacando que Portugal “defende uma Europa sem muros”. E acrescentava então que é “Uma polícia das liberdades, onde não há espaço para o racismo, não há espaço para quem tolera violência doméstica, não há espaço para xenofobia num país que se orgulha de ter meio milhão de cidadãos estrangeiros…”.

Face às mesmas causas, quando se trata de africanos os mirones que se encontram no local colocam-se do lado da atuação violenta da polícia, mas, quando são brancos, reclamam contra a violência da “bófia” termo não raras vezes utilizado.

Quando esteja envolvido um africano ou um afrodescendente e este não acata as regras que são para todos e o profissional tenta exercer a sua autoridade com insistência não há quem não o apelide logo de ter uma atitude racista, o que neste caso é evidente. Quando a polícia responde com à violência e agressividade causadas por africanos não é racismo é defender a ordem pública que muitos pretendem desestabilizar. Quando o mesmo comportamento vem de alguém que é branco, quer seja ofensa ou provocação de desacatos, já não há racismo e esse comportamento passa de imediato a ser apenas uma exigência para cumprimento das regras.

Defendo incondicionalmente as polícias, mas apenas e só quando no limite das suas funções e atuações para proteção dos cidadãos e não em comportamentos como os verificados como do caso em questão ou semelhantes a este que estejam em causa. Chamam-lhe “bófia” em tom depreciativo. Muitos gostariam que não existisse para que pudessem, assim, fazer tudo que lhes aprouvesse sem serem importunados.

Os polícias são gente como nós que reagem a provocações por vezes a quente, em circunstâncias que não deveriam, extravasando o seu poder em situações desnecessárias. Os agentes policiais são treinados para manterem contenção nas suas atuações e comportamentos tendo em conta as atividades policiais que lhes são legalmente atribuídas para um serviço prestado à comunidade, devem por isso, ter elevados níveis de consciência cívica tendo em conta os limites da eficácia da atuação policial no estrito cumprimento dos Direitos Humanos não vendo o cidadão apenas como objeto de atuação policial, mas sim, sujeito de Direitos, sejam eles negros ou de qualquer outra etnia ou cultura.

Os agentes policiais deverão estar aptos a tomar decisões de Autoridade, tendo por base critérios de legalidade dentro das regras e apelar ao cumprimento das regras de Deontologia Policial. Tudo isto são fundamentos, princípios e finalidades da PSP que nem sempre, são cumpridos na íntegra e, segundo o que frequentemente vem a público.

Ódios infundados e recalcados por diversos motivos são desferidos irracionalmente sobre cidadão indefesos por motivos fúteis quando a atitude deveria ser a de persuasão e a utilização meios não violentos.

Quando vêm a público notícias sobre violência praticada pela polícia os media não são parcos em divulgar a notícia e a publicar comentários e opiniões sobre o acontecimento em que a polícia interveio, e, quando estão africanos envolvidos tanto mais. Surge indignação apenas e porque são negros e, daí, a palavra racismo vem ao de cima. Mais raras são as notícias em que cidadãos brancos estão envolvidos.

Não será critério de equidade ter aberto apenas um dos olhos tendo o outro tapado com uma pala. Sem querer entrar em considerações de causas sociológicas sabemos que africanos ou afrodescendentes, sobretudo os mais jovens, quando em grupo são provocadores e agressivos. Há negros irritantes, assim como há brancos irritantes, há negros arruaceiros, assim como há brancos arruaceiros, há negros maus, assim como há brancos maus, há negros educados, assim como há brancos mal-educados. Isto não são clichés, são factos.

Quando, por exemplo, um agente da PSP tenta impedir ilegalidades e desacatos ou alertar para incumprimentos, caso seja um cidadão branco e a autoridade é exerce de violência para evitar o incumprimento da lei não há problema, mas se a pessoa em questão for negra lá vem o racismo á tona. É um facto que a violência policial é abusiva e por vezes até desnecessária como já tem sido várias vezes comprovado. Quando assim é, são casos pontuais causados por elementos da polícia. Não podemos tomar a parte pelo todo.

Não estivemos lá, não vimos, não fomos testemunha, lemos ou ouvimos o que nos dizem os media e permitimo-nos fazer comentários a favor ou contra a situação e adjetivar a intervenção policial com os adjetivos mais convenientes para acicatar emoções nos leitores, ouvintes ou telespetadores. E, então, aparecem comentários e opiniões uns em defesa da vítima de racismo, outros a favor da polícia, outros ainda contra a vítima de eventual ato racista. Encontram-se as mais amplas justificações para reprovar o comportamento de quem tenta evitar as ilegalidades sem querer saber das razões que o justificaram.

Quando acontecem ilegalidades, atos de violência, em que brancos estejam envolvidos ouvem-se os impropérios contra eles e contra as autoridades que não interveio atempadamente e surgem, então, as sentenças populares na opinião pública, as mais radicais que devem ser aplicadas contra o presumível infrator. Se na mesma circunstância está um negro envolvido o resultado é o mesmo, mas aos impropérios acrescentam-se outros de índole racista e as autoridades que intervêm para manter a ordem são apontados por outros como exercendo violência racista.

Se não vemos polícias nas ruas clamamos, se olhamos para ilegalidades e a polícia não atua clamamos. Clamamos também quando agem com dureza ao protegerem-nos de brigões e energúmenos que nos assaltam, nos atropelam, quando necessitamos de auxílio e não se vê um polícia na rua como dizem. Estas são as mesmas pessoas que se insurgem quando observam as técnicas de imobilização utilizadas para segurar um qualquer cidadão que provocou desacatos e desafia a autoridade.   

Fora daqui do nosso Portugal a coisa muda pelo menos quando se trata de futebol: A polícia de Manchester anunciou em dezembro de 2019 a detenção de um adepto do Manchester City que terá feito um gesto racista dirigido a Fred, jogador do Manchester City, no dérbi desse sábado. A polícia anunciou então a «detenção do homem de 41 anos por suspeita de «alteração da ordem pública agressão racial agravada», que fica à guarda das autoridades para interrogatório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22

Mário Machado2.png

Imagens TVI24 e jornal i

A frase do título deste post que penso ter sido atribuída a Óscar Wilde fez-me recordar Donald Trump que, para uns, sofre de autoritarismo, é fascizante e tem falta de senso político, e, para outros, é o melhor político como, por exemplo, para Bolsonaro no Brasil que gosta de o imitar o que me levou a refletir sobre os avanços na U.E. da extrema-direita e dos seus tentáculos. O crescimento destas ideologias é um dos assuntos mais sérios que tem vindo a público e não pode ser desvalorizado pela U.E. apesar de que alguns em Portugal digam estarmos livres. Não, não estamos livres. Não há dúvidas do começo do seu despontar embora que, ainda, timidamente.

São as tendências autoritárias e extremistas que vivem sob a capa de democratas no seio da própria democracia que a estão a minar. São os nacionalismos exacerbados, as xenofobias, os racismos, o ódio, o apelo à segurança por causa da insegurança, o ser contra tudo quanto é diferente que se vai amplificando no seio das democracias.

Por cá, invocam-se recordações saudosistas dos tempos de Salazar que alguns, os mais velhos, na sua instabilidade e insegurança que a idade avançada lhes vai trazendo, recordam e acham que um regresso a esse espírito lhes faz falta. Outros, os mais novos, eventualmente angariados por estes extremismos, os que não viveram aqueles tempos e que dizem não haver agora liberdade de expressão por não poderem clamar hinos rácicos e xenófobos, reclamam por novos tempos que acabam por trazer, novamente, a falta dela como se pode confirmar por afirmações de André Ventura (ainda no PSD?) ao semanário Sol.

É muito fácil fugir a perguntas, ao diálogo e à controvérsia com mensagens curtas e inteligíveis, com frases e discursos redondos e bacocos, feitos à medida, sem coerência argumentativa, convencer um povo e desencadear as suas emoções mais primárias. Um povo menos culto, com algum défice de literacia política, impreparado e desavisado, recebe e assimila rápida e facilmente essas mensagens e dá-lhes crédito. É o endeusamento dos que falam direto e fácil, por serem compreendidos com um mínimo esforço.

Aqueles que anseiam por um novo homem ele aí esteve, na televisão, identificando-se como sendo uma nova pessoa, um novo homem após libertação, terminada a prisão por violência racista. Se a prisão recupera aí está a prova manifestada pelo arrependido. O passado de violência e assassinatos por motivos raciais, as cruzes gamadas tatuadas nos braços, as saudações nazis, nada disso interessa, foram coisas do passado, coisas de juventude. Mas esse novo homem diz precisarmos de um Salazar que nada teve a ver com fascismo e que no seu tempo havia liberdade de expressão coisa que atualmente não existe. Salazar salvou Portugal da guerra e recebeu judeus fugidos dos nazis, não era fascista e nessa altura havia segurança.

Hoje, que já não há um Salazar precisarmos de um, ou mais do que um. Quem o diz é o novo homem que saiu da prisão e é contra a imigração e os negros porque a violência vem dos africanos, provado que está nas prisões, onde se encontram em maioria, devido a crimes violentos. Compreende-se, é uma nova pessoa, um novo homem como afirma categoricamente, talvez escondendo tatuagens reveladoras dessa nova pessoa debaixo da manga comprida do casaco que traz vestido.

Claro que já adivinharam de quem estou a falar. É desse novo homem, Mário Machado, líder do movimento Nova Ordem Social, várias vezes condenado por crimes de ódio racial, mas que não tem nada contra os homossexuais. Quando no programa "Você na TV", Manuel Luís Goucha lhe perguntou no final da entrevista:

- Vivo há vinte anos com um homem, tem alguma coisa contra mim?  - perguntou Luís Goucha a Mário Machado.

A resposta veio de imediato:

- Claro que não, senão não estaria aqui - responde o entrevistado.

Esta foi mais uma novidade que nos trouxe este novo homem!! 

Goucha levanta-se muito rápido e, com uma expressão de regozijo por esta afirmação, sentindo-se talvez “aliviado” dos ataques que lhe terão feito nas redes sociais pelo convite dirigido àquele novo homem, encaminha-se, porventura envaidecido, para o ecrã gigante onde passa uma mini reportagem, espécie de vox populi. Foi, porventura, a sua forma de vingança.

Gostava que me explicassem por desenhos este fenómeno de recuperação que levou Mário Machado a transformar-se num novo homem uma vez que, em 2016, apenas há dois anos, foi noticiado que “Comunistas, negros, muçulmanos e homossexuais foram violentamente espancados por skinheads entre 2013 e 2015, no centro de Lisboa. A motivação político-ideológica das cabeças rapadas, que pertencem à fação mais perigosa do movimento internacional de extrema-direita Hammer Skin Nation, levou à intervenção da Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ, que deteve ontem 20 suspeitos.”. “Os cabecilhas do grupo agora detido fizeram parte do núcleo duro do ex-líder dos Portuguese Hammer Skins (PHS), Mário Machado, detido desde 2007, data da última megaoperação da UNCT contra os crimes deste movimento neonazi.”, que pode ler aqui.

Esses, como Mário Machado, que falam em censura e em falta liberdade de expressão que dizem atualmente não existir, cortariam, sem hesitação, este texto se fosse escrito, sob um regime como o que ele defende.

A polémica e os protestos instalados sobre o dito programa da TVI, na rubrica "Diga de Sua (In)Justiça" da autoria de Bruno Caetano, deu lugar a uma quantidade de artigos de opinião que talvez tenham sido exagerados, porque "a única coisa pior do que ser falado é não ser falado". E Mário Machado foi falado, e até de mais! Neste preciso momento ele está a ser falado e você está a ler. Terá sido esse o objetivo que a TVI teve em mente?!. . . 

Para além da tentativa de branqueamento do seu passado, a TVI ofereceu ao nazi que agora diz ser nacionalista e um outro homem, a publicidade gratuita que intentou elevar os telespectadores ao nível de consumidores do produto enganoso que é Mário Machado.

E termino com uma citação de Vasco M. Barreto no jornal Público:

“Independentemente do que possamos pensar sobre a liberdade de expressão, qualquer texto que mencione o mais famoso neonazi da pátria deve incluir uma referência a Alcindo Monteiro, Manuel Domingos Silva, Contreiras Ferreira, Alberto Adriano, Fausto Soares, João Soares e Matias de Almeida, entre outros, que a 10 de Junho de 1995 foram agredidos à paulada e aos pontapés no corpo e na cabeça por skinheads.”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:53

O estrebuchar

por Manuel_AR, em 27.09.17

Estrebuchar.png

1 - Hoje foi notícia um comunicado pelo Ministério da Defesa a propósito do relatório que semanário Expresso divulgou no sábado onde se atribuiu aos serviços de informações militares, com cenários "muito prováveis" de roubo de armamento em Tancos e com duras críticas à atuação do ministro da Defesa, Azeredo Lopes. Nesta sequência o Ministério da Defesa hoje defende a divulgação "na íntegra" do alegado relatório de um serviço de informações militares sobre o furto de armas nos paióis de Tancos, para que se possa verificar a sua existência e o seu valor e do qual transcrevo uma passagem que foi noticiado pela TVI no Jornal da 8

Todos os serviços de informações civis e militares negam a existência de tal relatório. Contudo, se existe algum documento nos moldes em que o Expresso noticiou, atendendo à relevância pública que a notícia ganhou, a bem do rigor e da transparência do debate público, é absolutamente fundamental que quem divulgou e credibilizou tal relatório o dê agora a conhecer na íntegra, de modo a todos os interessados atestarem de facto da sua existência e poderem aferir livremente do seu valor", disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério da Defesa.”

2 - Se dúvidas tivesse elas dissiparam-se. O PSD, como já várias vezes afirmei, deixou de ser um partido da social democracia e transformou-se, pela evasão que sofreu de forças internas cuja ideologia se aproxima a uma fação de partido da extrema direita populista.

O que afirmo é evidenciado pela postura do candidato à câmara de Loures, André Ventura, que pertencerá àquela fação do PSD com a anuência do seu líder Passos Coelho. Esta anuência, do meu ponto de vista, é apenas estratégia política, por falta de candidato, mas que é prejudicial ao partido, já que não considero Passos nem racista nem xenófobo.

O PSD com a cumplicidade do seu líder lançou-se para a frente num perigoso balão de ensaio de populismo à portuguesa imitando o que se tem verificado em França com a Frente Nacional de Marine Le Pen, a Afd - Alternativa para a Alemanha, partido da extrema direita e o racismo e xenofobia de Trump nos EUA.

São vários os disparates nesta campanha assim como o é o caso de Loures com declarações infelizes. Sobre o caso de Tancos e sobre os incêndios o PSD não hesitou em explorar a tragédia deste verão fazendo de correio de boatos e insinuando sobre o destino do dinheiro solidário dado pelos portugueses fazendo crer que o Estado se tivesse apropriado do dinheiro, e, com a sua provável conivência, uma irresponsável tendo acesso a um canal de televisão fez acusações torpes através da manipulação duma lista de vítimas insinuando que o Governo teria omitido várias delas como se isto fosse admissível e até possível.  

Os social-democratas lançaram-se num caminho perigoso ao apoiar um candidato que defende a prisão perpétua, a pena de morte e que explora os preconceitos raciais e xenófobos numa tentativa de ganhar votos estimulando e interpretando o sentir do que se passa na cabeça de mentes obscuras que andam por aí. O que é lamentável é que o líder do PSD não veja o percurso etnofobico do partido ao entrar no jogo de aproximação a André Ventura e ao acenar com o fantasma da insegurança causada, segundo ele, pela imigração. Utiliza a mesma estratégia e linguagem que os partidos e candidatos da extrema-direita têm seguido noutros países.

O PSD agita-se convulsiva e desesperadamente para o exterior e vamos ver o que vai acontecer no interior. No meu entender o PSD só voltará a erguer-se e a ser social-democrata quando se vir livre dos extremismos de direita que o enfermaram e corroem por dentro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:12

Direitalhos

por Manuel_AR, em 14.09.17

Direitalho.png

A direita normalmente não tem senso de autocrítica, e seguramente não se questiona sobre seus próprios equívocos. A direita perde a confiança do eleitorado, apesar de ter toda a máquina mediática nas suas mãos e começa a sentir que não têm líderes com credibilidade suficiente.

Não apresenta políticas inovadoras, mantem-se no neoliberalismo anti estado social que se provou fazer duvidosas privatizações. O conservadorismo religioso católico está colado à direita que pretende esta tome conta do país. A direita utiliza falsos discursos sociais democratas, mas que, prontamente, descarta uma vez chegada ao poder. Limita-se a reproduzir mantras repercutidos à exaustão como o de a esquerda é incompetente.

Com a economia em ciclo de crise tenta descobrir corrupção na esquerda para fazer esquecer a sua própria, que é mais eficaz, oculta e guardada por arames farpados e cães de guarda que a protegem para tachar a esquerda de economicamente incompetente e irresponsável.   

Poderiam, quando no poder, pensar num verdadeiro do sistema judiciário para lidar com a corrupção de maneira estrutural e institucional (porque corrupção não tem lado e não é apenas um problema pessoal) e acabar com a morosidade dos tribunais que impossibilitam o equilíbrio entre a presunção da inocência e a condenação necessários para a construção de um executivo ético. Mas não, limitaram-se a mudar o visível, o físico e o superficial, mantendo o que necessitava ser mudado.

Para esta situação contribuem os do clube dos direitalhos formado a partir de adeptos direitistas que são todos os que são da verdadeira direita democrática. Direitalho é uma palavra que não faz parte do vocabulário português e o seu antónimo é a palavra esquerdalho, mencionada com sentido pejorativo por alguns que se dizem contra a esquerda, seja qual for o motivo. A palavra esquerdalho faz parte do léxico dos direitalhos frequentadores das redes socias e dos comentários dos jornais online e nos blogs. Deixaremos para outra ocasião os esquerdalhos que, apesar de se encontrarem do lado oposto, abraçam a mesma linguagem, mas de sinal contrário.

Para os direitalhos, esquerdalhos são todos os que não são de direita, os que não são neoliberais, os que não são radicais de direita, os que não perfilham ideias e princípios fascizantes, os que são pela manutenção do status quo que abandona uns setores da sociedade em favorecimento de outros. Os direitalhos não sabem porque o são, nem lhes interessa saber. São direitalhos e chega.

Acham que lhes dá um certo estatuto e aceitação na ordem social. Muitos vivendo apenas do seu salário alinham com os que defendem baixar impostos para uns, os mais favorecidos, e aumentá-los para os outros, privatizar tudo porque acham que poderão vir a obter vantagens, gostam que outros pensem que o seu estatuto social é superior, apenas, e só, porque são direitalhos. Outros têm potencial financeiro, mas cultura, valores e ética são baixos, mas, por outro lado mostram o seu fervor religioso católico através de todos as organizações onde se infiltram e mostram a sua grande religiosodade. Não fazemos discriminação de género, as direitalhas também são deste grupo. Muitas conseguiram, por vários fatores, trepar a um patamar onde se julgam pertencer à “high society” e pretendem distinguir-se pelo tratamento dos filhos ou netos por você, evocando quando acompanhados nomes sonates da sociedade, dando-se ares perante vizinhos e amigos.     

Os direitalhos apenas falam na necessidade de reformas, papagueando o que outros dizem, mas não identificam quais. São pelo imobilismo e não mostram interesse em acompanhar a europa. São contra o investimento público e alguns pertencem ao grupo daqueles que esperam que caia do céu o investimento privado e anseiam para que haja uma mão de obra dócil e barata, e quanto mais barata melhor. Os investidores defendidos pelos direitalhos são os que pretendem que o investimento efetuado hoje, ao fim de alguns meses, tenha retorno do capital mais o lucro.

Os direitalhos são contra tudo o que seja social, mas são a favor de tudo o que lhes possibilite a livre especulação, de preferência sem legislação laboral. Neles incluem-se os revanchistas, os invejosos, os xenófobos, os racistas, os que acham que a direita, a deles, resolve os problemas que enfrentam e que ainda ninguém resolveu, os que vivem na espectativa duma viragem direitalha para os resolver.

Direitalhos são também os que enxovalham os outros, os que difamam, os que caluniam sem prova, os que, escondidos pela capa do anonimato lançam denúncias, (que mais fazem lembrar elementos pidescos infiltrados), guardam na gaveta do lixo os mexericos e as falsas suspeições para oportunisticamente os lançar para a opinião pública através dos media que lhes dão cobertura. Utilizam o lema do vale tudo desde que seja contra os outros, e nada contra eles.

Há antigos líderes que, à falta de melhor, transformaram-se em formadores de putativos direitalhos da JSD, como o fez Cavaco Silva no Pontal. Desdenhou a ideologia, como se ele próprio não tivesse uma, e lançou disparates como duma possível realização duma revolução socialistas através do Governo. Identificou-se assim ele próprio como possível direitalho.

É importante esclarecer que no grupelho dos direitalhos não incluo os da verdadeira direita democrática, os que valorizam os valores democráticos, os que têm uma visão socialmente diferente para as soluções e problemas do país e das pessoas, e que, através duma oposição construtiva e de verdade, consigam ganhar o poder através dos mecanismos que a democracia proporciona.

Os direitalhos não são de direita, são contra a esquerda porque consegue baralhar os seus pobres espíritos politiqueiros. Não sabem o que é ser de direita, nem sabem o que é ser de esquerda. Porque não sabem o que é, nem uma, nem outra. Todos os que não sejam direitalhos são “comunas” e perigosos revolucionários. Imitam alguns esquerdalhos que dizem que os de direita são todos fascistas.  

Recorrendo a uma metáfora e como mero exercício intelectual podemos imaginar uma entrevista a um adepto dum clube de futebol e estabelecer uma analogia com o pensamento político do direitalho. Porque não se trata de qualquer crítica ao espírito desportivo dos que gostam de futebol o leitor deve ter em mente que esta analogia trata duma transposição a partir do espírito clubista.  A ideia é que leitor substitua a palavra clube pela palavra partido, a que um direitalho pertença, e imagine uma entrevista nesse sentido.

-Porque é do clube A?

-Porque os meus pais sempre foram desse clube e os meus vizinhos também são.

Pergunta-se a outro:

-Porque é do clube B?

-Porque me inscreveram no clube desde muito pequenino e dei por mim sendo sempre desse clube.

-Alguma vez criticou o seu clube?

-Só nas alturas em que perde. Mas luto sempre por ele.

-Acha que o seu clube lhe traz algumas vantagens pessoais e familiares?

-Sim porque me dá alegrias quando vence.

-Como considera os outros clubes?

-São do pior que há. São todos uns…E porque, “ó meu”, fico lixado por terem ganho. São todos trapaceiros.

 -E quando o seu clube ganha?

-Ah! Isso é diferente. Isso é devido à sua própria capacidade e competência.

-Pensou alguma vez mudar de clube?

-Nem pensar, serei deste clube até ao fim dos meus dias.

 

Os direitalhos que colocam posts aqui e ali são assim, de pensamento oco, e de menoridade mental e não entendem que a democracia possui um vasto espectro de opções e um enorme potencial para a resolução de problemas sem a necessidade de golpes baixos e  assim haja vontade participativa de todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08

Porque não se calam

por Manuel_AR, em 11.09.17

Ciganos.png

O jornal i, primo pobre do semanário Sol, ambos propriedade da Newplex, SA e ambos com orientação de direita embora com algumas, poucas, opiniões de esquerda, traz hoje na primeira página a notícia da abertura de inquérito pelo Ministério Público a André Ventura, candidato pela direita, (agora apenas do PSD porque o CDS retirou-lhe o apoio), à presidência da Câmara de Loures, na sequência das afirmações feita sobre a etnia cigana.  

Recordando, André Ventura   critica a “impunidade” da comunidade cigana e que se julgam acima do Estado de direito, entre outras afirmações polémicas que pode consultar em jornal i de 17 de julho próximo passado, o que levou o CDS a retirar-lhe o apoio.

Por tais afirmações explicitas aos ciganos foi apelidado de racista e xenófobo, o que levou o Bloco de Esquerda a considerar que essa entrevista “não só difama as pessoas de etnia cigana, dizendo que estas são beneficiadas, como incita explicitamente à discriminação destas pessoas”.

À semelhança de muitos racistas e xenófobos que, com algum efémero e ilusório atravessaram a história, André Ventura, para captar votos, tornou-se o intérprete do sentir de setores da população, e não são poucos, que não têm coragem para se revelarem.

Diz Ventura que não retira uma vírgula ao que disse relativamente à comunidade cigana e que ficou “surpreendido com a decisão de instaurar um inquérito sobre algo que é evidente estar no domínio da liberdade de expressão e opinião, fundamentais à nossa democracia”.

Tem todo o direito de fazer críticas sobre políticas aplicadas a grupos sociais e apresentar soluções para tal sem referir casos específicos. O que ele devia denunciar não é oportunismo como se fosse exclusivo de um grupo étnico, neste caso os ciganos. A denúncia deveria ser da política errada aplicada na generalidade, quer fosse uma etnia, agremiação religiosa, raça ou a qualquer outros grupo social.   

Como não podia deixar de ser, como sempre faz a direita, André Ventura clama pela liberdade de expressão e de opinião querendo fazer crer que é direito exprimir publicamente, enquanto responsável político, ou não, quaisquer opiniões sejam elas de que natureza forem. Veio-me agora à memória o caso de Miguem Sousa Tavares chamar palhaço a Cavaco Silva e este lhe levantar um processo, posteriormente arquivado. Isto é, para Ventura vale tudo quando é dito pela direita. O que diria se fosse qualquer afirmação polémica contra a direita ou a qualquer grupo da sua pertença ideológica vinda da esquerda? A direita quando lhe convém refugia-se na liberdade de expressão.

Já agora, o caso de Passos Coelho ter mantido o apoio a Ventura levou a que alguns entusiastas dos clubes do disparate e dos que julgam dever ser o bom tom do debate político de esquerda, viessem chamar ao líder do PSD racista e xenófobo. De certo esta gente não sabe o que diz.

Quem tem lido os meus postes neste blogue conhece bem qual tem sido, ao longo dos últimos anos, a minha posição crítica sobre as políticas de Passos, por isso estou à vontade para poder dizer claramente: porque não se calam!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52

Ter os olhos bem abertos

por Manuel_AR, em 15.11.16

Trump_Presidente2.png

 

Há cerca de dois anos passei duas semanas no EUA, concretamente em Nova York, em casa de família que, na altura, lá estava como Embaixador. Apesar do controle exigido desde os atentados do onze de setembro respirava-se liberdade. Frequentar aquelas extensas avenidas era um prazer. Respirava-se paz, movimento, agitação, trabalho, comércio, passeio, cultura, cruzamento de etnias. Receio que tudo isso se vá perder regressando ao passado da desconfiança, do racismo, da perseguição, da insegurança justificada pela necessidade de mais segurança. Talvez por tudo isso, no estado de Nova York a democracia venceu.

Chamemos o que quisermos a Donald Trump, e critiquemos o seu projeto político, mas ele apenas foi o intérprete do sentir duma parte do povo da América. Foi assim que o III Reich (Alemanha nazista) conquistou o poder após as eleições de 1932. Como no governo do III Reich, Trump também glorifica o passado ao pretender “fazer a América grande de novo” e considera inimigos os que lá trabalham em serviços que os americanos já não querem fazer. Dizer que os imigrantes estão a retirar empregos é uma falácia. Nos Estados Unidos o desemprego é baixíssimo cerca de 4,2%. Criar postos de trabalho? Quais e para quem? Foi um ardil para iludir o eleitorado.

Se não era o manifesto sentir do povo Trump fez com que o fosse sem que houvesse um desmontar do seu populismo por parte os media que, aqui e ali, foram desdramatizando, como se Trump fosse aquele que, apesar das sondagens se aproximarem dos democratas não ganharia as eleições.

Comentadores há que, sapientemente, falam de esquerda e direita no EUA. Não há esses epítetos nos Estados Unidos onde há um sistema bipartidário, Republicanos e Democratas. O que há, de facto, são várias tendências que se congregam em cada um dos partidos.

Racismo, segregacionismo, xenofobia, islamofobia e misoginia estão a tornar-se as palavras chave nos Estados Unidos. As tenebrosas organizações racistas surgem sem vergonha à luz do sol e na sombra da noite, Trump e os que nomeará para o seu Governo serão o escudo.

Em Portugal e na Europa aliados à extrema-direita já estão a vir sem medos para fora das tocas.

Na política externa Trump quer fechar-se, está contra todos, contra a Europa e com as suas relações comerciais, contra os muçulmanos, todos terroristas, contra os países da América do Sul, nomeadamente o México, donde provém os imigrantes que se acomodaram no seu país, cerca de três milhões de marginais e assassinos que pretende expulsar ou encarcerar das prisões. Não se sabe é como. Deverá ser à custa de muita construção civil que levará Trump, através das suas empresas, a retirar vantagens. É contra a China, é contra a NATO, é contra a comprovação científica do aquecimento global e das alterações climáticas que são uma invenção dos chineses, enfim está contra tudo e todos que não sejam da américa fechada e refém de si própria.

É a favor das negociações a leste, com Putin. Resta saber se quebrará as relações com a Coreia do Sul e restabelecerá alianças com a Coreia do Norte de Kim Jong-un.

Na pior das hipóteses irá promover o regresso ao passado das perseguições Mccartistas com acusações de subversão ou de traição através de alegações injustas por denúncias de outros cidadão para restringir a divergência e a crítica política.  Na política externa poderá verificar-se uma espécie de Guerra Fria de sentido contrário, não com a Rússia, mas com o ocidente.

Não concretizar as promessas que fez será o que menos ele deseja.

Esperemos para ver, mas com olhos bem abertos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados




Twitter