Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Raiva

por Manuel_AR, em 11.02.17

Raiva.png

Correndo o risco de me repetir sobre o que ultimamente tenho escrito sobre o lamentável comportamento da oposição de direita vou voltar ao assunto porque me recordei dum livro de 2004 do escritor argentino Sérgio Bizzio cujo título é “Rabia”, “Raiva” em português. Posteriormente o livro foi inspiração para um filme “Rabia” realizado por Sebastián Cordero, que ganhou o 13º Festival de Cine de Málaga em abril de 2010.

É um romance que relata uma história de amor que toma rumos inesperados expondo traços obscuros da personalidade humana e uma contundente crítica social. Atos de ira e intolerância e a paixão incontrolável são a base do enredo. Está implícita uma metáfora para o declínio social de um país e para o ressentimento fortemente presente no seu povo. É um romance que revela a decadência da sociedade argentina.

Mas, o que é o livro tem a ver com a oposição de direita, perguntará quem estiver a ler este texto? Nada. É apenas uma associação que faço com a estratégia da oposição de direita cujo objetivo está a reverter em desfavor do país.

A oposição de direita está em decadência, mantem-se em declínio e lança o seu forte ressentimento sobre o país. Está a fazer oposição com atos que acentuadamente revelam ao mesmo tempo ira, e sofrimento político-partidário intenso. Doutra forma não se compreende esta insistência em casos que já não interessam a ninguém a não para capas de jornais sensacionalistas, outros “jornal-ecos” online, e aberturas de telejornais à falta de coisas importantes para o país e para os portugueses.

Agora esta raiva, ao nível da baixeza, dirigem-na ao ministro das finanças Mário Centeno. Silenciosamente vão verificando os resultados conseguidos o que aumenta a sua ira e, apressadamente, há que pô-lo em causa por insignificância que em nada contribuem interna ou externamente para a imagem do país cujos interesses apregoam defender. Falam em mentira esquecendo-se de quem mais mentiu durante quatro anos e meio com a conivência do antigo Presidente da República.

Obviamente o papel da oposição não é apoiar o Governo, mas o de criticar a orientação política da sua atuação devidamente fundamentada nos seus aspetos essenciais. Até agora nada se viu. Nem sabemos o que fariam melhor nem como. Falam em acordos escondidos, em planos B, em faltas disto e daquilo. Procuram o acessório para ser publicitado na comunicação social. É como um frasco de perfume que apenas contem água colorida no seu conteúdo.

Esta oposição de direita não tem demonstrado seriedade, se é que em política ela pode ou deve existir. Esta atitude não é de agora, basta fazer algum esforço para nos recordarmos de algumas campanhas vindas se alguns órgãos do PSD que usam e abusam da utilização da ofensa pessoal, da desvirtuação de caráter dos seus adversários à falta de argumentos políticos válidos. Seria bom que olhassem para dentro e regressassem um pouco, apenas um pouco, ao seu passado governativo. Apenas se lhes pede, senhores deste PSD, que pratiquem, pelo menos ao nível da oposição política, um pouco de ética e de moral.

Já sabemos que na oposição de direita PSD há quem se esteja lixando para as sondagens, mas não será bem assim porque, caso contrário, não reagiriam apressadamente procurando pretextos de má qualidade para fazer de conta que estão a fazer oposição quando, na verdade, estão a fazer troça de todos nós. É apenas de lamentar tal triste figura. Não é assim que vão novamente obter a confiança dos portugueses. Aliás, apesar do embaraço com o episódio da TSU com o PSD  a reboque da extrema-esquerda que levou o Governo a ter de encontrar uma solução alternativa que simultaneamente agradasse a patrões e parceiros parlamentares, o Partido Socialista recuperou boa parte (0,5%) dos 0,7% perdidos há um mês. Contas feitas, a vantagem dos socialistas sobre os sociais-democratas alarga-se para uns confortabilíssimos 8,6 pontos percentuais. O mesmo se poderá vir a agravar o caso das cartas, cartinhas, SMS e outras coisas assim com justificações contrafeitas.

O PSD acrescenta desastre atrás de desastre para agradar a um pequeníssimo leque dos seus simpatizantes. O CDS, com Assunção Cristas e a sua “ascensão” ao topo do partido não tem conseguido essa a elevação milagrosa. O CDS não se tem assumindo como um verdadeiro partido conservador de direita defendendo os seus ideais. Ora cola-se ao PSD, ora tenta demarcar-se (afinal em que ficamos?).   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:50

É o desespero meus senhores

por Manuel_AR, em 09.02.17

Espelho meu.png

É o desespero senhores, é o desespero! É um desespero nunca visto em Portugal pelo qual a oposição está a passar. Há um alvo que querem atingir e que não lhes agrada se mantenha no Governo. É o ministro das finanças. Pode perguntar-se porquê e resposta é fácil. Não lhes interessa que esteja em funções um ministro que tem cumprido, a nível das finanças, os objetivos a que Portugal se tem proposto interna e externamente.

À oposição de direita não é Portugal nem os portugueses que lhe interessam é o seu umbigo e a sua autoestima partidária que estão em jogo. Fazer o que eles nunca conseguiram fazer é algo que lhes custa engolir. É a questão do estar a haver alternativa no lugar do bolorento não há alternativa dos neoliberais.

Há uma estratégia construída pela oposição de direita com o objetivo de descredibilizar os que querem compor o Portugal que os neoliberais do PSD destruíram coadjuvados pelos senhores do irrevogável CDS.

Mário Centeno e a sua equipa das finanças é a pedra no sapato desses sujeitinhos, entre os quais Paulo Rangel. Não gostam da equipa. Faz-lhe mal à sua credibilidade que pensavam ter quando estavam no governo do país e que desgovernaram durante mais de quatro anos. Desculpavam-se com a troika mesmo quando o seu líder Passos Coelho clamava para se ir ainda mais além. Com isto pretendem a destruição da CGD a todo o custo. Esqueceram-se rapidamente de todas as trapalhadas que arranjaram quando eram governo sem que ninguém se demitisse.

É a oposição da imundície politiqueira porque não têm nada para apresentar. Desviarem as atenções com grandes tiradas demagógicas que em nada ajuda a compor o país que tiveram a oportunidade de compor, mas que pouco ou nada conseguiram anão ser prejudicar certos setores da população. Até dão a entender que querem a todo o custo uma cabeça seja de quem for, como desforra da demissão de Miguel Relvas.

A fúria e o desespero dessa gente cuja perda do poder parlamentar ainda não conseguiram ultrapassar não tem limites. Tudo serve.

Ideias não as têm e, as que tiveram antes, negam-nas no presente.  Ainda hoje na Assembleia o PSD votou contra uma proposta do CDS que no passado já defendeu. É a desorientação estratégica de tudo.

Pegam agora na discussão da sobre a eutanásia, com a qual não concordo por estar a ser tratada de ânimo leve, e gritam aos quatro ventos vamos propor um referendo.  Apenas têm na manga mexeriquices? Nada mais.

É um falhanço duma oposição que apenas clama nos corredores por vingança e vê tudo apenas com objetivos partidários. Para eles os portugueses devem ser uma cambada de tontinhos que se enganam com frascos de perfumes que apenas contêm água, acolitados pelos seus comentadores de mão que por aí proliferam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57

Feira das medalhas

por Manuel_AR, em 11.06.15

Condecoração.png

 

As distribuições de condecorações dadas pelo Presidente Cavaco Silva no dia 10 de junho raramente são comentadas na comunicação social. Quando alguém recusa receber tal condecoração, o que raramente acontece, a notícia espalha-se como pólvora acesa. E há razões para isso. Criticar uma atribuição é por em causa o mérito de quem a recebe.

Há também na distribuição das condecorações, não em todas convenhamos, algo de político e até perverso. Refiro-me ao caso do ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos. Não está minimamente em causa o mérito, o valor, as competências, o conhecimento, a capacidade de trabalho, a sua dedicação à causa pública e muitas outras virtudes do Prof. Teixeira dos Santos. O que, no meu ponto de vista, está em causa é a carga simbólica da oportunidade da condecoração.

Como todos sabemos o Prof. Teixeira dos Santos foi o último dos ministros das finanças dos governos de José Sócrates. Antes disso foi secretário de estado do Tesouro e Finanças no governo de António Guterres. Em 2005 foi chamado por José Sócrates para ministro da Finanças e de Estado do primeiro governo de José Sócrates função que desempenhou até 2009. No XVIII Governo Constitucional que tomou posse em julho de 2009 José Sócrates confiou-lhe a pasta ministro da Economia e da Inovação que desempenhou até outubro de 2009. Neste mesmo mês José Sócrates entregou-lhe a pasta de ministro de Estado e das Finanças onde se manteve até junho de 2011.

Foi Teixeira dos Santos que subiu o degrau que faltava para a queda do Governo de José Sócrates que foi precipitada pela crise política criada com a rejeição do PEC IV - Programa de Estabilidade e Crescimento IV, a 23 de Março de 2011.

Não sei se já estão ou não acessíveis os documentos confidenciais de tal facto porque será apenas por eles que se saberá com rigor por que razão o país foi forçado, a procurar ajuda externa. Na Assembleia da República os votos contra da direita PSD e CDS/PP, do PCP e do BE provocaram a queda do Governo do Eng, José Sócrates justificado pelas medidas de austeridade contidas no PEC IV que posteriormente acabaram por ser contempladas no memorando da troika que o Governo que Passos Coelho acabou por agravar.

No caso particular de Teixeira dos Santos a condecoração, do meu ponto de vista, contem um simbolismo que não podemos desligar do contributo indireto que ele teve para a queda do Governo, para a vinda da troika e para que a direita chegasse ao poder, facto que o senhor Presidente não podia deixar de louvar.

É bom recordar que Teixeira dos Santos foi quem em 2008 pediu a nacionalização do BPN, propriedade da Sociedade Lusa de Negócios, e que justificou na altura que está “numa situação muito perto da iminente rutura de pagamentos”, e sublinhou que a instituição “não tendo vindo a cumprir os rácios mínimos solvabilidade” impostos pelo Banco de Portugal e não existem perspetivas de que encontre, a curto prazo, "novas fontes de liquidez". E termina dizendo que “Face à inexistência de uma solução que permita defender o interesse dos depositantes, o Governo viu-se obrigado a propor à Assembleia da República a nacionalização do BPN”.

Todos sabemos quem eram as figuras públicas que estavam ligadas, tinham negócios ou utilizaram o BPN.  Mesmo que se queira não podemos deixar de fazer conotações com esta condecoração.

Esta condecoração foi um reforço para intensificar e maximizar um sintoma de recuperação de parte duma memória social e política que possa de algum modo, através da recordação, minimizar a situação evolutiva do prenúncio dum futuro que está mais ou menos determinado, que é a perda de eleições pela direita neoliberal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14

O Governo da Náusea II

por Manuel_AR, em 31.05.13

 

No “post” anterior efetuei uma analogia entre o romance “A Náusea” de Jean Paul Sartre e a náusea que o governo de Passos Coelho provoca na maioria dos portugueses. Hoje vou abordar, no contexto da mesma analogia, outros aspetos mas específicos que provocam mais náusea do que angústia.

De acordo com o Jornal Público o primeiro-ministro afirmou no dia 13 de maio em Paris que o novo pacote de austeridade não se aplica e passo a citar “à generalidade das pessoas” e que “não têm consequências diretas para os cidadãos”. Não ficando por aqui continua e insiste, ao anunciar a dispensa de funcionários públicos e a contribuição especial sobre as pensões, que “não têm consequências diretas para os cidadãos”.

Qual é o objetivo daquelas afirmações a não ser o de dividir os portugueses para melhor conseguir os seus intentos que são o de destruir a economia, ao mesmo tempo que tem uma mão cheia de nada para a dinamizar. Talvez seja inspiração do ministro das finanças alemão que, como ele, desconhece por completo a cultura e a organização social de Portugal mas que elogia, sem hesitação, medidas que vão contribuindo cada vez mais para a nossa dependência e o descalabro económico e social.


Isto não provoca angústia, provoca náusea.


Analisando as afirmações de Passos Coelho não é difícil concluir que, para ele, os tais setores da sociedade que refere não fazer parte da generalidade das pessoas, passam de imediato a meros elementos de uma minoria, estigmatizando-os. É a evidência da verbalização de uma forma de pensar acamada numa ideologia simplista para quem o social é desprezável.

Isto não provoca angústia, provoca náusea.

Não nos digam que foi um lapso e que é um problema de comunicação, como alguns comentadores da propaganda do Governo pretendem fazer crer. O objetivo, por detrás daquelas afirmações, evidencia a miniaturização do Estado Social, fazer descer os salários, enclausurar o consumo das famílias, cortar na despesa pública sem critério, como se um país fosse governado por uma doméstica (com todo o respeito pelas domésticas) onde o corte na despesa não tem consequências sociais nem para terceiros.

Mas se as medidas se destinam, por agora, apenas aos tais cidadãos que “não fazem parte da generalidade das pessoas”, por experiência e pela história da evolução económica em Portugal nos últimos anos, a tendência será para que os que fazem parte da generalidade das pessoas sejam forçados a alinhar por contágio com a redução salarial e de direitos que, há muito, é ambicionada pelos proprietários e gestores de empresas dos vários setores de atividade.


Isto provocará angústia e náusea.


Passos Coelho ao compartimentar a sociedade não terá que combater tudo e todos ao mesmo tempo. Assim, a estratégia maquiavélica é a de dividir a população em minorias setoriais, culpabilizando-as sucessivamente e desconsiderando o facto de que, enquanto minorias, têm os mesmo direitos das maiorias porque são Homens e Mulheres, independentemente do seu enquadramento social e profissional. Para o primeiro-ministro o facto de um conjunto de sujeitos serem minorias por si só dispensa a necessidade de qualquer justificação. Formas de pensamento idênticas, na Europa do passado, deram lugar a várias perseguições.  

Isto não provoca angústia, provoca náusea.

Em vez de se limitar a explicar as medidas de austeridade e a dizer, eventualmente, que não serão demasiado violentas ou contrárias à equidade, limitou-se a dizer que não se aplicam à generalidade das pessoas.


 Isto não provoca angústia, provoca náusea.


Aponta minorias mencionando supostas benesses para provocar o ressentimento e inveja contra essas minorias. Recordo-me da estratégia contra os judeus no contexto político nazi.


Isto não provoca angústia, provoca náusea.


Arranja sucessivamente bodes expiatórios desde a Constituição da República até ao Tribunal Constitucional passando pela oposição e até parceiros sociais.

Passos, o seu Governo e alguns dos deputados que o apoiam selecionam um “target” (grupo-alvo) e apontam para ele privilégios. Com este propósito induzem outros grupos a olhar para o teto numa atitude de... Isto não é nada comigo! Mas não diz… preparem-se porque a vossa vez também chegará.


Isto não provoca angústia, provoca náusea.


Criando bodes expiatórios e dividindo os portugueses em grupos sociais e profissionais rivais tais como novos contra velhos, trabalhadores do privado contra os do público, pensionistas pobres contra pensionistas supostamente ricos, pobres e remediados contra ricos, torna-se muito mais fácil silenciar consciências, calcar valores para, consequentemente, poder  dominar.

Sem querer estabelecer quaisquer comparações com outro contexto e noutras circunstâncias nos primórdios do terceiro Reich também começaram as perseguições a minorias e se viravam grupos da sociedade contra outros, acusando-os de serem privilegiados ou qualquer outra coisa que se inventasse para conseguirem os desígnios pretendidos.


Isto não provoca angústia. Provoca náusea, provoca desespero, provoca indignação, provoca revolta…


De acordo com um poema de Soares dos Passos, poeta ultrarromântico do séc. XIX da corrente pessimista,

Vai alta a lua! na mansão da morte…”, deste nosso Portugal.


 

“Um gesto, um acontecimento no pequeno mundo colorido dos homens sempre é apenas relativamente absurdo: em relação às circunstâncias que o acompanham. Os discursos de um louco, por exemplo, são absurdos em relação à situação em que este se encontra, mas não em relação ao seu delírio. Mas eu, ainda agora, tive a experiência do absoluto: o absoluto ou o absurdo."

in A Náusea de Jean Paul Sartre

Imagem: Nausea de silent-arsonist

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:07

 

 

 

http://joaotilly.weblog.com.pt/arquivo/280824.html

 

As crises, a austeridade desenfreada, os sucessivos golpes na coesão social dependentes de injustiças sociais aplicadas consciente e ideologicamente pelos governos geram, numa primeira fase, descontentamento e numa segunda fase manifestações mais ou menos pacíficas, podendo, em situações mais extremas, provocar convulsões sociais por vezes incontroláveis.

Uma das formas, politicamente aproveitada pelos governos, para manter uma paz social aparente através do medo. Para se compreender melhor a relação entre medo e a política vale a pena ler a primeira parte deste texto onde se aborda  o conceito enquanto fenómeno psicológico, para depois na segunda parte, se perceber como ele pode estar na base do que se tem vindo a passar em Portugal.

 

Parte I

O medo é considerado, por vários investigadores, como sendo um tipo de emoção primária. Há estados emocionais que parecem inatos como aflição e o sorriso, a frustração e o medo. Tendo em conta as diversas correntes psicológicas, uma emoção pode ter uma maior ou menor componente fisiológica ou cognitiva. A emoção é um comportamento observável através do rosto, voz, gestos posição corporal, sendo o rosto tema vantagem de expressar uma variedade de emoções. Também é uma experiência cognitiva conjunta do estado fisiológico e da situação que desencadeou a reação. Pode ser ainda uma experiência subjetiva sob a forma de alegria, tristeza ou pesar, que podem ser ao mesmo tempo agradáveis ou desagradáveis.

As emoções têm, entre outras, uma função adaptativa que ajudam um organismo a enfrentar questões de sobrevivência postas pelo ambiente, uma função perturbadora na tomada de decisões e uma ação desmobilizadora. Certos estados psicológicos e sociais podem perturbar a ação alterando e enviesando a maneira de pensar face a determinados contextos que podem ser recordações do passado, ou situações presentes relativas a insucessos, fracassos e receios de acontecimentos que transtornem a vida pessoal, familiar e social dos sujeitos. Assim, o medo é considerado um comportamento de proteção ao combinar-se com a antecipação dá origem à ansiedade e, combinado com a aceitação, dá origem à submissão.

Para os investigadores da teoria da avaliação cognitiva defendem que as emoções são o resultado direto de uma avaliação da situação e não apenas de elementos culturais e fisiológicos associados à emoção que, apesar de tudo, são indispensáveis na forma como a emoção é expressa. Como por exemplo o luto em diversas culturas.

A teoria da avaliação cognitiva assenta em pontos básicos dos quais se apresentam apenas dois:

a)    Para que uma emoção de verifique é necessário ter-se o conhecimento prévio do estímulo ou da situação que será avaliada em termos normais ou em termos de ameaça direta ou potencial.

b)    Quando uma resposta direta não pode ser dada, a pessoa desenvolve estratégias de adaptação à nova situação, tentando ajustar-se a melhor maneira possível.

Parte II

Voltando agora à exposição sobre o controle social através do medo, pode afirmar-se que algumas situações podem ser propícias a criar níveis elevados de stress e de ansiedade conduzindo a situações de incapacidade de resposta devids a um potencial medo. O medo é um fenómeno psicológico criado na nossa mente a partir de uma combinação de traumas, expectativas e receios. Podemos tentar afastarmo-nos dele mas, se crença que o alimenta não for alterada ele continuará ao nível do subconsciente.

Atualmente há sistemas de manipulação através do medo cada vez mais elaborados. Tudo o que tememos prende a nossa atenção e procura-se mais informações, que nesse sentido nos intencionalmente fornecidas, de modo a agirmos quando uma determinada situação ocorrer.

A manipulação e a exploração do medo e do terror são utilizados pelo mercado de trabalho. O medo de ficar desempregado é motivo para que as pessoas sacrifiquem a sua vida privada em função de algo que pode vir a acontecer. As empresas sabem disso e com o apoio dos governos manipulam as pessoas. Os trabalhadores acabam trabalhando mais e com menos salário mas, por outro lado, cria-se uma sociedade repleta de pessoas tristes e insatisfeitas que produzem apenas com receio de represálias. Na outra extremidade, mas muito raramente, temos aquelas que passaram pelo trauma de uma demissão, montaram seu próprio negócio e tornaram-se felizes e realizadas. Mesmo dentre estes, passado pouco tempo tiveram que abandonar o seu negócio.

Neste contexto, não terá sido por acaso que o primeiro-ministro Passos Coelho viesse dizer publicamente aos portugueses no 1º de Maio que espera nos próximos anos desemprego a que não “estávamos habituados”. Que leitura se poderá fazer desta mensagem lançada precisamente no dia em que largos milhares de pessoas se manifestavam e festejavam o dia do trabalhador? A resposta poderá ser incutir no seio dos cada vez menos trabalhadores que ainda mantêm um posto de trabalho o “medo” do despedimento.

Para isso serviu também a alteração aos contratos de trabalho, praticamente sem contra partidas. São atitudes que nos envergonham, face aos trabalhadores doutros países, e que esmagam a nossa identidade, a capacidade reivindicativa, de oposição e até de cidadania, o que, tendo em conta a teoria da avaliação cognitiva, se enquadra no princípio da ameaça direta ou potencial (por exemplo o desemprego), pelo que os sujeitos evitam todas as formas de participação anteriormente referidas tendo em conta o princípio das estratégias de adaptação à nova situação isto é, não participar e evitar qualquer confronto que os possa prejudicar.

Institucionalizaram-se as políticas do medo que se podem definir como a forma de os políticos e candidatos a lideranças utilizarem o medo como fator determinante ou como motivação para levar as pessoas a votar num determinado sentido ou para aceitarem políticas com as quais não concordam.

A política do medo é então aplicada para que um governo possa agir como muito bem entender face a uma população assustada sem muitos questionamentos. Quer isto dizer que, apresentando às pessoas uma suposta ameaça ao seu bem-estar, (ou à sua zona de conforto como agora alguns comentadores e políticos passaram a dizer, mas cujo conceito é muito relativo), para provocar uma forte resposta emocional que, substituindo-se à razão, vai evitar uma avaliação crítica dessas políticas. Exemplos de situações deste tipo têm-se verificado nos últimos anos desde a governação Sócrates até à governação Coelho, para já não falarmos de Durão Barroso com a sua célebre frase “estamos de tanga!”.

Veja-se, por exemplo, as afirmações do ex-primeiro ministro José Sócrates que, no seu discurso do estado da nação em julho de 2010, afirmou o seguinte:

“Ou escolhemos a atitude daqueles que querem somar às dificuldades económicas uma crise política artificial; ou escolhemos a atitude dos que sabem que só a estabilidade contribui para incutir confiança nos portugueses e para reforçar a credibilidade do país. Ou escolhemos a atitude daqueles que não resistem à tentação do aproveitamento oportunista das dificuldades conjunturais; ou escolhemos a defesa do interesse público. O tempo não é das pequenas vantagens políticas, o tempo é de responsabilidade nacional” .   

 

Poderíamos traduzir estas afirmações como: ou nós ou o caos. Nesta comunicação está implícita uma indução emocional através do medo a fim de evitar uma mudança política naquele período. Como sabemos, uma mudança política aconteceu não tendo funcionado a motivação pelo medo. O certo é que, neste caso, a prática nos tem vindo a mostrar aquelas afirmações efetuadas pelo enunciador eram justificadas.

Há vários exemplos para o caso do atual primeiro-ministro não sendo difícil encontrá-los. O mais recente foi aquele que já referimos anteriormente, sobre o aumento do desemprego e do qual se poderiam tirar várias conotações uma das quais poderia ser um aviso aos trabalhadores para não levantarem problemas, para se acomodarem, não se manifestarem ou então o que os espera é o desemprego que vai continuar em alta.

Outra manifestação de inspiração do medo às populações foram também as afirmações da ministra da justiça Paula Teixeira da Cruz em 20 de abril, frente às câmaras da TVI, ao revelar que “o país chegou, de facto, à bancarrota” e “que não há outra solução”. Face a esta última enunciação seria legítimo pensarmos que, se para este governo não há outra solução, então, qualquer outro governo poderia desempenhar o mesmo papel que este. Por outro lado, revela de facto a sua incompetência para a descoberta de outras soluções, endossando, através da mesma afirmação, a qualquer outro governo a mesma incompetência.

A política do medo pode ser da responsabilidade de governantes e comentadores políticos que se refugiam em frases como “uma crise política pode colocar-nos como a Grécia”, “não há volta a dar”, “este é o único caminho”, “isto foi o que a troika nos impôs”, “não podemos assustar os mercados”, etc.., geram na população e na opinião pública proposições como “não há alternativa”, “os outros farão a mesma coisa”, “são todos o mesmo”, “para ficarmos pior mais vale ficarmos como estamos”, entre outros chavões de desânimo que frequentemente são ouvidas nos mais diversos locais.

Para minimizar o impacto do medo incutido aos portugueses o governo também os ilude criando falsas expetativas. Dá-se como exemplo a divulgação pública da “possibilidade” do estado, a partir de 2015, começar a pagar os subsídios de férias e de natal, data mais do que uma vez alterada, agora colocando essa possibilidade como uma hipótese técnica, segundo as palavras do ministro das finanças. Porém, uma hipótese é sempre passível de se poder ou não verificar de acordo com os pressupostos de partida pelo que, aquela afirmação, colocada daquela forma salvaguarda qualquer outra solução, mesmo aquela de nunca mais serem pagos!

Veja-se recentemente a exploração do medo no caso da Grécia hoje noticiado. Como se sabe na Grécia a esquerda aumentou a sua votação e, segundo as sondagens, se houver novas eleições em Junho, caso não consigam formar governo até lá, a dita a esquerda irá ganhar as eleições. Neste mesmo dia 11-05-2012 foi noticiada uma declaração da Alemanha a dizer que, se tal acontecer, não poderá haver mais ajuda financeira. Que será isto se não um condicionamento do resultado das eleições através do medo!

Para finalizar e não como conclusão, o medo, utilizado por regimes fascistas e totalitários, é agora aproveitado de forma mais subtil por algumas ideologias político-partidárias possibilitado pelo regime democrático.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados




Twitter