Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


greve motoristas_3.png

Pardal Henriques, o advogado infiltrado no sindicalismo através de um sindicato estrategicamente escolhido tenta, com a sua voz calma frente às camaras da televisão, ser convincente nos seus argumentos falaciosos.

Diz apenas meias verdades empregando de modo proveitoso um cantarejar suave e melodioso para alguns ouvidos, qual sereia que, com o seu canto, leva os barcos e os marinheiros para o naufrágio. Pessoas que assim agem são perigosas porque arrastam muitos atrás de si ao engano.  

Quando Pardal Henriques diz frente aos ecrãs de televisão que os camionistas estão a cumprir o seu horário de trabalho de 8 horas diárias e não 12 e 14 horas que os obrigam a fazer, não refere, porque não convém, que essas horas são bem pagas aos trabalhadores de acordo com o número e o tipo de horas extraordinárias a cumprir a que ninguém os obriga. Faz parte do trabalho que escolheram e do contrato de trabalho que aceitaram com a entidade patronal.

À intervenção necessária da requisição civil pelo Governo o sindicato, manipulado por Pardal Henriques, responde com as oito horas de trabalho fazendo um boicote às horas extraordinárias que sempre fizeram. É uma forma de contornar os serviços mínimos e a requisição civil.  Se, em tempo normal, as entidades patronais acabassem com as horas extraordinárias e admitissem mais trabalhadores como reagiriam os camionistas aos cortes das horas extraordinárias. Teria mais custos para a entidade patronal é certo, mas não traria, a prazo, vantagens?

Enquanto a esquerda, e sobretudo a direita, se encontram em férias nos campos do silêncio, os que estão do seu lado, o da direita que escrevem artigos de opinião lá vão contribuindo com os seus escritos ambíguos sobre o tema, embora alguns, mais audaciosos, comecem a inventar algo que lhes seja favorável para desacreditar as iniciativas do Governo para minorar os efeitos desta greve que, no meu entender e por desconfiança minha baseado no que tenho lido, é de interesse político e está fora da onda partidária do vigente status quo do pardidarismo parlamentar.

No campo da desacreditação das iniciativas do Governo encontra-se o artigo de opinião que João Miguel Tavares escreve no jornal Público tendo em vista ajudar a oposição de direita já ele a acha inerte.  Pega então no termo hipocrisia para desmontar a atitude tomada pelo Governo face à greve dos motoristas, e não à crise energética como alguns órgãos de comunicação pretendem fazer passar.

Não tenho qualquer dúvida que João Miguel Tavares como escritor e jornalista não saiba qual o conceito de hipocrisia, só que, neste caso, deve ter-lhe dado mais jeito para o fim pretendido distorcê-lo. Pega JMT em três hipocrisias.

Assentemos em primeiro lugar que hipocrisia é a simulação de qualidades, pensamentos, convicções ou emoções que não são verdadeiras; dissimulação; fingimento.

Diz JMT que:

  1. “O Governo pôs-se ao lado da Antram, e ouvir o porta-voz do Conselho de Ministros ou o porta-voz da Antram vai dar ao mesmo: os argumentos são iguais.”

A isto coloco uma pergunta: Então, se havia duas partes de que lado se deveria colocar o Governo e a Antram? Do lado dos grevistas? E que outros argumentos para justificar as ações que minorassem os efeitos da greve? A tal equidistância a que JMT se refere seria não fazer nada? Ou, como sugeriu Rui Rio, deveria adiar a greve para depois das eleições.

  1. O facto de o advogado André Matias Almeida, porta-voz da Antram, ser muitíssimo próximo do PS não pode ser desvalorizado, porque ele está a actuar como ponta-de-lança oficioso do Governo nesta guerra.

Devo estar com um ataque de estupidez de opinião. Então, se André Martins não fosse próximo do PS, e fosse, por exemplo, próximo da direita, fosse qual fosse, CDS ou PSD, e tivesse as mesmas posições sobre o conflito já não seria um ponta-de-lança oficioso do Governo? Então, será que André Martins está a ser ponta-de-lança oficioso do Governo ou dos patrões? Ou o Governo está a ser ponta-de-lança oficioso da ANTRAM e dos patrões. Ou, ainda, os patrões, empresas da ANTRAM, são todos ponta-de-lança oficiosos do Governo!! Serão?

  1. A história de que a Antram impõe como única condição para voltar à mesa de negociações o levantamento do pré-aviso de greve “porque não negoceia com uma espada na cabeça” é treta. A Antram quer a espada e quer a cabeça – a cabeça de Pedro Pardal Henriques. O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, chegou a sugerir na segunda-feira que a requisição civil poderia vir a ser feita sindicato a sindicato, porque uns associados estariam a cumprir os serviços mínimos, outros não.

Esta é de tal maneira rebuscada que não merece perder muito tempo. Esperem lá, onde está a hipocrisia. Todos ouviram ao presidente da ANTRAM dizer que volta à negociações, mas sem a presença de Pardal Henriques. E então? Podemos, ou não, concordar, mas isso é a posição de André Martins enquanto representante dos patrões.

Se há vários sindicatos com diferentes representantes que estão em negociações por razões idênticas ou não, e com procedimentos negociais diferentes, onde está o problema da hipocrisia de o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros sugerir na segunda-feira que a requisição civil poderia vir a ser feita sindicato a sindicato, porque uns associados estariam a cumprir os serviços mínimos, outros não.

  1. A cabeça de Pardal Henriques interessa a todos, incluindo ao Partido Comunista, que quer os sindicatos debaixo do chapéu da CGTP e não nas mãos de cavaleiros solitários que o partido não controla.

Esta é tão óbvia que nem chega a ser hipocrisia pode até ser ser evidência, como tal não merece comentário.

Eu, cá por mim, que não sou sindicalista nem pertenço à ANTRAM se houvesse um referendo para pedir ou não a cabeça de Pardal Henriques, em sentido figurado claro, diria que SIM.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:43

greve motoristas_2.png

Por vezes fico na dúvida se o que escrevem os profissionais dos artigos de opinião e de editoriais de jornais é sobre um mundo por eles criado ou se nos pretendem enganar e baralhar.

Os que estão a favor desta greve que é política e utiliza os trabalhadores do setor como frente de batalha mas fazem de conta que estão contra, estão também contra as medidas tomadas pelo Governo. É óbvio. Veja-se o caso por exemplo do PSD e os comentários de Rui Rio que quase responsabiliza o governo pela greve e porque está a tomar medidas exageradas de prevenção comparando-a com uma espécie de golpe de teatro como diz tger sido a greve dos professores.

Rui Rio esquece-se de algo importante, é que na greve dos professores era o Estado a entidade patronal e as negociações eram com o governo, no caso desta greve dos motoristas é com entidades patronais do privado e até os sindicatos rejeitaram qualquer mediação por parte do Governo. Assim a direita PSD e Rui Rio, desesperados, jogam com a campanha eleitoral a seu favor em detrimento e prejuízo de todos os portugueses. Será que se fosse o PSD no Governo estaríamos entregues ao nosso destino?     

Hoje no jornal Público Ana Sá Lopes no editorial do jornal e João Miguel Tavares num artigo de opinião, cada um defendendo sobre o mesmo tema argumentos cujos vetores convergem para o tempo passado, mas que me parecem estar a querer justificar através de comparações ficcionais entre uma greve no transato tempo com uma greve no presente. Isto é, e se, (condicional) o que se passa agora fosse no tempo do governo Passos Coelho? E respondem que tal não faltaria. Um, recua até ao PREC e imagina o secretario geral da CGTP a vociferar contra os que queriam limitar o direito à greve. A outra, coloca-se numa retrospetiva imaginativa e ficcional sobre o que faria o PS na mesma altura caso se limitasse no tempo de Passos Coelho e Cavaco Silva como se está agora a fazer ao limitar o direito à greve.

Alguns até recordam a greve dos trabalhadores das empresas do grupo TAP quando Passos Coelho fez a requisição civil apenas uma vez, em 2014 e partidos como o BE, o PCP e também o PS reagiram contra a decisão.

Esses senhores omitem o facto de que a situação atual da greve dos camionistas de matérias perigosos não é comparável com a da TAP pois atinge e prejudica apenas um setor que, apesar de importante na economia como esta que paralisa o país e atinge todos os setores e a população em geral. Por outro lado, tanto quanto me lembro, não de verificaram greves como as que, oportunisticamente, alguns desencadearam com objetivos politicamente encobertos por questões laborais e remuneratórias. Gostaria de saber como reagiriam as opiniões e os senhores comentadores se nada fosse feito para manter o normal funcionamento da economia do país num litígio entre empregadores e trabalhadores em que estes se colocam numa posição amplamente destrutiva.

A jornalista Ana Sá Lopes que sempre estimei desde o tempo em que trabalhou no Jornal i, agora a trabalhar no jornal Público do qual assinante, escreve um artigo dando aos leitores, aos mais desatentos, a ideia de que, para o caso da greve dos motoristas de matérias perigosas nada deveria ser feito tal como a decisão musculada do Governo no que se refere aos serviços mínimos que limitam o direito à greve, assim o interpretei. Permito-me colocar em dúvida a justeza da dita greve.

Escreve Ana Sá Lopes:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59

Movimento grevista e rampa de lançamento

por Manuel_AR, em 09.08.19

greve motoristas.png

Para Pardal Henriques este movimento grevista pode servir de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.

Em Londres no bulício estonteante da Oxford Street, avenida das marcas mais conhecidas, o movimento era tal que entupia os largos espaços dos passeios assim como na  Euston Road que nos conduz até ao Regent´s Park. Depois da Regente Street Picaddilly e Leicester Square abafadas por gentes de todas as nações, regressei a Lisboa no avião da TAP que chegou com uma hora de atraso logo à partida.

Os nossos canais de televisão nas horas noticiosas informavam ou desinformavam do mesmo de quando parti, numa espécie de frenesi sem fim sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas dando visibilidade ao "senhor da greve" com o seu ar sombrio que, não sei porquê, associo aos homens que trabalhavam para a polícia política do passado.

O CDS, pela voz de Pedro Mota Soares, manifestava o seu apoio aos serviços mínimos mesmo que devem se mesmo para cumprir, e mostrava-se disponível para "propor uma alteração à lei dos serviços mínimos". Mota Soares falou aos jornalistas e defendeu a necessidade de fazer cumprir os serviços mínimos em prol da "normalidade" do país. Acrescentou ainda que não é possível vermos um sindicato de 600 ou 700 pessoas a bloquearem o país.

Finalmente o CDS começa a colocar o interesse do país acima dos interesses partidários e eleitoralistas. O PSD fez um comunicado com alguma ambiguidade, no qual, se coloca, por algumas palavras quase ao lado do líder grevista. Vejam-se as ambiguidades:

Se por um lado para o PSD se mostra contra “a perspetiva de uma greve por tempo indeterminado, que afetará a vida dos Portugueses e o funcionamento da economia com consequências graves para todos, merece da nossa parte as maiores reservas…”  e que “Já não são só os interesses das partes envolvidas que poderão ser afetados. São os interesses do País e dos Portugueses que estão seriamente ameaçados.” Secundando “a iniciativa do Governo em mediar o conflito e em garantir o funcionamento dos serviços indispensáveis” por lado “estranha a forma excessiva como se tem exposto perante a opinião pública no anúncio de medidas coercivas e de salvaguarda do funcionamento daqueles serviços.”

O PSD diz que está contra “exercícios desproporcionados de autoridade” na greve dos motoristas antes das eleições. O que faria o PSD se estivesse no Governo? Que medidas tomaria? Cederia a pressões manifestamente de cariz político e talvez até partidário? Deixaria o país entrar no caos para apoiar as chantagens de Pardal Henriques? Daqui surgem as minhas dúvidas.

Quanto a esta greve, radicais de esquerda e radicais do oportunismo populista sem ideologia estão de acordo. Uns como Marinho e Pinto dizem que «Esta greve é de saudar porque é uma greve genuína» outros como Joana Amaral Dias dizem: «Greve que não incomoda, não é greve!» É certo, mas não se trata de incomodar, trata-se de paralisar todo um país a todo o nível!

Está na cara que, como tem sido divulgado por alguns órgãos de comunicação, nomeadamente o Diário de Notícias, “o Partido Democrático Republicano, fundado (em 2014), liderado pelo advogado Marinho e Pinto, conquistou uma estrela mediática para cabeça-de-lista do partido às eleições legislativas pelo círculo de Lisboa: Pedro Pardal Henriques, o (também) advogado vice-presidente e porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). Segundo o DN soube, Marinho e Pinto deverá também ser cabeça-de-lista - mas pelo círculo do Porto, mas confrontado pelo DN, Marinho e Pinto recusou desmentir ou confirmar a notícia: "Não lhe posso dizer quem será ou não candidato. As listas ainda não estão definidas".

Estamos a ver que Pardal Henriques estará a preparar-se para obter vantagens pessoais preparando-se para a intervenção na política nacional utilizando o sindicato e os trabalhadores como forma propagandística de modo a obter visibilidade para futuros projetos e voos pessoais.

Para Marinho Pinto, se vier a concretizar-se a participação de Pardal Henriques nas listas do PDR, parece ser uma boa estratégia de marketing para o seu partido à custa da manipulação de trabalhadores dum setor essencial que merecem uma remuneração adequada à função que desempenham que é de louvar e apreciar e não merecem o que lhes estão a fazer iludindo-os com o acesso ao sol e à lua.

Para Pardal Henriques este movimento grevista serve de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Twitter