Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uma leitura acerca de: A Cidade de Ulisses

por Manuel AR, em 02.01.14

 

 Se porventura tivesse dotes literários "A Cidade de Ulisses" seria o livro que eu gostaria de ter escrito tal e qual Teolinda Gersão tão excelentemente fez. O mito de Ulisses é o mote para falar de amores e desamores tendo como cenário Lisboa.

 

Teolinda oferece-nos uma histartesória de amor em que Lisboa também é protagonista. Não o li apenas como um romance mas também como uma digressão vivida através de múltiplos percursos que passam pela arte pictórica e pelas realidades urbana e histórica.

 

As metáforas e as transposições para o presente que o leitor pode, a bel-prazer, ver aplicadas ao nosso país e ao mundo são, na minha perspetiva, cinema em prosa tais as imagens nos passam na corrente de consciência. "A cidade de Ulisses" é um universo pleno de segredos, de destruições corruptas, de fachadas políticas onde o mais forte impera porque “a lei é do mais forte e de quem tem melhores armas, é, poder, dinheiro, bons conhecimentos e bons advogados disponíveis, cada um sua medida”.

 

A narrativa, traçada com uma clareza ímpar, flui como uma cascata em que o leitor, ao atravessá-la, retém o folego até descortinar do outro lado vivências que brotam e se entretecem com oportunas descrições de fragmentos históricos e geográficos de Lisboa, acompanhados por factos sociais e políticos de relevante importância que nos potenciam recuperações de memórias passadas e presentes.

 

Na literatura, como no cinema, os personagens são a vida da ação, por elas sentimos interesse, curiosidade, fascínio, carinho, desagrado, admiração, condenação, antipatia ou simpatia que, através de um processo psicológico de projeção-identificação, tornam-se parte da forma como nós nos percebemos e de como somos. É o mesmo que se sente ao ler "A cidade de Ulisses".

 

“Criar era, naturalmente, um exercício de poder. Sim, eu não abdicava desse ponto. Queria exercer poder sobre o espectador. Fasciná-lo, subjugá-lo, convencê-lo, assustá-lo, enervá-lo, provocá-lo, deleitá-lo – criar-lhe emoções e reações” expressão do pensamento do personagem, artista plástico. São também poderes os que a boa literatura exerce sobre os leitores como se comprova em "A Cidade de Ulisses" em que a autora exerce ainda um outro poder: o de nos cativar para a leitura.

 

A geografia social e urbana foi a minha primeira paixão que, apesar de a ter atraiçoado com as Ciências da Educação, nunca esqueci, mesmo durante o deleite com esta mais recente. Sendo ambas sedutoras não resisti ao encanto da primeira porque esteve presente na unidade curricular de práticas pedagógicas da história e da geografia de Portugal que, entre outras, fui chamado a lecionar em cursos superiores de educação.

 

Na cidade de Ulisses a geografia e a história recentes lá estão, basta descobri-las. Para além da ficção Teolinda dá-nos apontamentos reais de roteiros lisboetas que a vida agitada do dia-a-dia não nos deixa descortinar. É no entrosamento entre o romance, a geografia urbana e a história passada e recente que se move a ação deste seu livro. Numa aula de interdisciplinaridade entre literatura e geografia este romance é um dos poucos que poderia ser utilizado. Conceitos de geografia urbana descritiva como rua, vila, avenida, talvegue entre outros são utilizados com propriedade ao descrever percursos lisboetas. Arquiteturas, mobiliário urbano, descrição da paisagem urbana fizeram-me recordar a “Leitura da Cidade” de Kevin Lynch que nos fornece importantes elementos marcantes que possibilitam a leitura da paisagem urbana e a orientação de percursos. Diz Lynch logo no primeiro capítulo que "Todo o cidadão possui numerosas relações com algumas partes da sua cidade e a sua imagem está impregnada de memórias e significações.".

 

Paulo Vaz, protagonista do romance, descreve que em Lisboa “…era fácil embrulhar-se no traçado irregular das ruas, que se interrompiam, cruzavam, mudavam de direção inesperadamente, ou não iam ter a lugar nenhum, acabavam num impasse”. “A única certeza, na cidade velha, era que, descendo sempre, se acabaria por chegar à Baixa e ao rio, quaisquer que fossem os acidentes de percurso.”. Lisboa não é assim nada comparável com a estrutura urbana, quase toda ortogonal, de uma cidade como Nova Iorque onde tantas são as avenidas imensas que se entrecruzam perpendicularmente com monotonia e os edifícios nos esmagam, não fosse o pulsar das gentes e do trânsito insuportável num constante corrupio.

 

"Portugal – O Mediterrâneo e o Atlântico" de Orlando Ribeiro, livro de geografia descritivo da paisagem física e humana de Portugal, publicado pela primeira vez em 1945, desatualizado no que à geografia humana diz respeito, mas pleno de atualidade na descrição da paisagem física, surgiram imediatamente no meu pensamento quando, já nas últimas páginas de "A Cidade de Ulisses", li que “Lisboa é uma cidade atlântica, mas de configuração mediterrânica: numa enseada que lhe oferece um abrigo natural e junto a uma colina, como em Atenas a acrópole.”.

 

Outra passagem recordou-me as férias passadas na Rinchoa com os seus pinhais, hoje destruídos e ocupados por blocos de cimento de habitações dormitório, quando nos finais dos anos quarenta princípios de cinquenta do século passado se gozavam nos arredores de Lisboa. Sempre que por ali passo recordo-me dos pastéis de massa tenra que a minha tia fazia e que eu devorava uns após outros seguindo de corrida para um baloiço improvisado no pinhal das traseiras da casa alugada à época.

 

O caminho traçado pela prosa de Teolinda em "A Cidade de Ulisses" contemplou-me com uma digressão rica em recordações, vivências e reflexões políticas e sociais que virão sempre à memória.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:05

Escapadela à Arrábida

por Manuel AR, em 15.07.13

  

Tentei centrar-me novamente na paisagem e na sua geografia.

Já não consegui.

Regressei a Lisboa pensado que Portugal e nós, portugueses, merecemos mais do que esta cambada que, neste dois últimos anos, tem desacreditado a política e a economia.

  

Neste sábado 13 de julho, após a caloraça dos dias anteriores que se abateu sobre lisboa e por todo o país, resolvi procurar um lugar mais fresco para respirar da tempestade política que irresponsavelmente fizeram cair sobre o país e também procurar ares mais frescos e menos irrespiráveis.

Estava um dia nublado e fresco e dirigi-me para um lugar que, por enquanto, ainda deixam que seja paradisíaco, pelo menos no que respeita à paisagem, liberta da pressão da construção de mansões para alguns dos senhores que se julgam donos deste país e da venda a preço de saldo a estrangeiros que, graças à isenção de impostos, vêm comprando o território aos poucos.

Subi a Serra da Arrábida quase até ao cume. Detive-me num ponto onde, em dias de sol, se contempla o mar, a cidade de Setúbal e os arranha-céus dos hotéis que se destacam como monstros na Península e Troia onde pretenso desenvolvimento turístico, destinado apenas aos de muitas posses, afastou daquelas paragens a “ralé” que vive naquela capital de distrito.

Local aproximado onde me detive

 

Ver mapa maior

 

 

 

Imagem parcial da Serra da Arrábida

Em cima: Fotografia tirada em 1938 por Orlando Ribeiro

Em baixo: Fotografia do mesmo local, tirada por Duarte Belo em 2004


Belo, Duarte. 2012. Portugal Luz e Sombra. O País depois de Orlando Ribeiro, Lisboa, Círculo Leitores, Temas e Debates

 

Uma brisa marinha envolta em nevoeiro subia a encosta oeste da serra refrescando-me o corpo e o espírito, esquentado pelos acontecimentos políticos da semana, mas que não deixava descortinar o mínimo que fosse do azul-marinho daquelas águas aparentemente calmas mas de correntes fortes.

Recordei-me das várias incursões que fiz por esta serra nos meus tempos de estudante de geografia que me obrigara a estudar e a investigar no domínio da geografia física, da geologia, da geomorfologia e da biogeografia, sem esquecer o contributo da climatologia no estudo da influência microclimática na biodiversidade daquela região geograficamente original.

Apesar de a minha preferência ir mais para a área da geografia social e de planeamento regional, lá ia cumprindo a minha obrigação no estudo daquelas disciplinas dos primeiros anos da licenciatura que aqui me fizeram relembrar e requisitar ao meu imaginário geográfico tudo quanto aprendi e acumulei das observações e interpretações derivadas dos trabalhos de campo.

A Serra da Arrábida é uma cadeia montanhosa em cujo topo do anticlinal do Formosinho, dobra derivada da elevação das camadas dos estratos geológicos, nos podemos deslumbrar com a paisagem circundante cuja vista se espraia pelos horizontes de Lisboa, morro de Palmela e planalto do cabo Espichel.

Do local onde me situava, a neblina, consequência do contacto por convecção do ar marítimo morno e húmido com o ar mais frio do topo, apenas conseguia observar a vegetação naturalmente mediterrânica da proximidade que grassa por todo aquele espaço. É uma espécie de mata de arbustos com alguns de grande porte em locais mais afastados das arribas. Mais próximo do mar nada mais do que espécies arbustivas como o maquis, arbustos verdes densos e fechados de folha pequena e larga, e o garrigue, formação vegetal de pequenos arbustos dispersos que ocupam solos rochosos calcários.

 

 

 

 

 

 

 

Maquis

Garrigue

 

Ali permaneci mais do que uma hora observando as folhas daquela vegetação e as pequenas gotículas de água que a humidade do ar ali condensara junto à superfície fria. A neblina refrescante que, apressada, caminhava do mar para a serra, nada tinha a ver com o “fumo” nevoeirento, este, nada refrescante e com uma opacidade perturbadora e perigosa que o Presidente da República tinha lançado nessa semana sobre a política portuguesa em defesa da sua pessoa.

Tentei centrar-me novamente na paisagem e na sua geografia. Já não consegui. Regressei a Lisboa pensado que Portugal e nós, portugueses, merecemos mais do que esta cambada que, neste dois últimos anos, tem desacreditado a política e a economia.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Twitter