Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Foi noticiado um acordo com a APIFARMA e o Infarmed para a distribuição pelos idosos (repito: pelos idosos) medicamentos que estejam a seis meses do fim da validade. A medida parece-me positiva, mas como já vamos estando habituados às mais diversas “manobras” destes senhores que nos governam ficamos logo em alerta.

Como se está a verificar uma quebra na procura dos medicamentos por falta de recursos financeiros de quem necessita de os comprar, normalmente os pensionistas e reformados idosos, aqui está mais uma medida, esta aparentemente positiva, daquele senhor que está no Ministério da Segurança Social que hoje propõe uma coisa e amanhã o seu contrário.

O objetivo suposto é que as empresas farmacêuticas distribuam medicamentos que estão no fim de prazo de validade por falta de venda. Dizem ser uma doação, mas, resta saber, quem vai assumir os custos a distribuição se são a APIFARMA e o Infarmed.

 Claro que, quem vai apanhar com os medicamentos em final de prazo são mais uma vez os idosos que são os mais  vulneráveis economicamente e menos informados, podem não perceber qual o verdadeiro alcance da medida, devido à falta de informação e de esclarecimento sobre a  “bondade da oferta”.

O pode acontecer se, por exemplo, um medicamento com uma embalagem de 20 comprimidos estiver a uma semana do final do prazo, continua a ser válido tomar esse medicamento sabendo que após alguns dias ficará fora de prazo? E se, em conformidade com a posologia indicada, esse medicamento não for consumido nessa semana? Haverá ou não, o risco de esse medicamento continuar a ser utilizado pelo doente após ter caducado a validade?

Há ainda outro problema que é o de saber se os medicamentos a distribuir são, de facto, aqueles que são os mais utilizados pelos idosos face à prescrição médica e também se serão os se encontram em armazém perto do final da validade. Combater o desperdício sim, mas não à custa das pessoas. É que, quem toma medidas, deve saber que está a lidar com pessoas e não com números.   

Poderemos sempre especular sobre uma possível teoria da conspiração contra os idosos. Se em condições normais aqueles medicamentos não estariam autorizados a ser comercializados e a entrarem no mercado farmacêutico, porquê agora a descoberta desta grande medida social?

Conforme o previso no Programa de Emergência Social, a distribuição dos medicamentos é feita em «locais próprios e credenciados nas instituições sociais, com salvaguarda das regras legais de segurança». Vão controlar isto? Então não vão…? E os custos do controle não contam? Poupam na farinha e gastam no farelo. Resta ainda saber se aquelas instituições farmacêuticas não receberão quaisquer compensações do Estado, por poucas que seja, com esta benesse aos idosos.

Após ano e meio qualquer cidadão como eu está no direito de desconfiar de quaisquer medidas que venham desta governação porque elas trouxeram sempre “água no bico”. Quer dizer com isto que dizem uma coisa e aplicam outra, prometem uma medidas e executam outra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Twitter