Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fascismo (1).png

Há indivíduos que se dizem apartidários mas que, na eventualidade de um partido fascista de extrema-direita tomar o poder, estariam nas suas fileiras pagos pelo regime para trucidar quem fosse pela democracia ou fizesse oposição à ditadura que se instalasse.

São sempre os mesmo do costume. Os mesmos não, são outros, mas a porcaria é a mesma que aproveita o descontentamento de alguns. As palavras de ordem destes megalomaníacos da politiquice apartidária que afirmam não ter partido e agem por conta própria, mas que militam em partidos cujo objetivos já se conhecessem…

Há ambições para tudo e há que começar por algum lado e este a que me refiro é ambicioso e, confessa que  acha mesmo um "ultraje" a forma como os portugueses estão a ser tratados por este Governo e não esconde estar "profundamente indignado" com o que tem assistido (tem a ver com as medidas de emergência tomadas pelo Governo). Este possesso não vê o que se está a passar por toda a Europa devido à covid-19 metendo a cabeça na areia para depois a levantar para tecer uma verborreia sobre o caso em Portugal.

Objetivos: nenhuns, apenas protestar. Protesta e diz que quer manter os protestos fora da esfera partidária é uma questão estratégica. Diz ser contra os políticos, mas afirma ser militante do Chega. Como muitos outros que por aí andam diz que agiu sozinho e que as “sociedades estão fartas dos partidos”. Atente-se bem nesta frase. Não são as pessoas que estão fartas de partidos, são as sociedades. Abrangeu as sociedades no seu todo e generalizou.  Todas estão fartas de partidos. O que podemos inferir daqui?

Os partidos são parte integrante das democracias, não há democracias sem partidos, logo, ele, o dito jovem, defende ditaduras para as sociedades, logo, para Portugal também. Mas se o inflamado jovem militante de um partido diz estar farto de partidos e de políticos então o que está a fazer no partido onde milita? Será que apenas o partido dele é que tem validade e do qual não nos devemos fartar? Estranho pensamento este que garante que agiu sozinho e que "despiu a camisola" para avançar com esta causa. Qual causa? A dele ou a do partido dele?

São meninos como este que, para justificarem o seu desinteresse seguem este que por acaso, (só por caso), é do Chega e está solidário com os empresários e trabalhadores da restauração porque tem um primo que tem um hotel, e que “sozinho” "despiu a camisola" e organizou uma manifestação “apartidária”. São indivíduos como este, os do costume, os necrófagos das democracias. São indivíduos e jovens como este que, na eventualidade de um partido fascista ou de extrema-direita tomasse o poder estariam de imediato nas suas fileiras, pagos pelo regime, para trucidar quem fosse pela democracia ou fizesse oposição à ditadura que se instalasse.

E cá estou eu a fazer futurologia. Caso se concretizasse, o que ele, o jovem, tanto anseia, será deixar de haver partidos, e dar lugar à política que ele diz não querer e vai fazendo críticas aos media: "abaixo os jornalistas" e de seguida surgem os primeiros pedidos de demissão, que arrancam pela ministra da Saúde, logo a seguir vem a diretora geral e, no final é a vez de "Governo para a rua" e de "António Costa, demissão, demissão". Se os seus pedidos fossem concretizados que é que ele proporia para um governo, visto que as pessoas estão fartas de políticos e de partidos?

Segundo o Expresso “Há ainda uma confusão no ar sobre o objetivo do protesto e os jornalistas perguntam qual a relação desta manifestação com a que, mais abaixo no Rossio, reúne responsáveis da restauração, hotelaria, turismo e cultura. José Maria chega e vai direto ao assunto. "Não tenho nada a ver com a “restauração”. Tenho um primo que tem um hotel, mais nada", diz ao Expresso. "Estou aqui porque estou chocado com o que se está a passar".”

Ver mais

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37

Enfermeiros-greve.png

Durante esta crise pandémica a nível global, que é grave, à qual não escapámos para reduzir os seus efeitos acompanhámos dentro do possível as medidas de saúde pública que outros países iam tomando, no meio da desorientação que tinham e tínhamos face ao desconhecido, aguardando dias após dia o que a ciência ia divulgado sobre as evoluções e reações dos agente patogénico que a todos nos afetava.

Os médicos, enfermeiros e auxiliares de saúde estiveram na primeira fase na frente da batalha contra o inimigo invisível que nos irá contaminando a todos por contágio de proximidade caso não tenhamos o discernimento necessário cauteloso que é devido, estão agora também na frente daquela que parece vir a ser a crise mais grave do que a primeira.

Os profissionais de saúde e especialmente os enfermeiros são os participantes ativos que estão na linha da frente em todos os serviços periféricos de apoio. Não lhes faltou vontade nem entraram em desespero apesar das contaminações que lhes couberam e dos riscos que correriam. Todos lhes louvámos e agradecemos o zelo e a dedicação pelo cumprimento do seu dever, um dever profissional que e chega à raia do sacrifício.

Pelo seu trabalho exaustivo, quer físico quer psicológico, a que são expostos diariamente médicos e enfermeiros teriam direito a mais, a muito mais, a que uma mera justiça obrigaria, para além do mero agradecimento.

Mas há o SINDEPOR - Sindicado Democrático dos Enfermeiros de Portugal, jovem sindicato formado em setembro de 2017, que, nesta fase crítica, lança uma greve de cinco dias, claramente oportunista, cujo objetivo é provocar o caos nos hospitais, como forma de pressão para as suas reivindicações, agravando as dificuldades que muitos deles já vão sentindo, colocando em risco os doentes que lá se encontram internados.

Já é por demais conhecido que um qualquer sindicato que tem na sua denominação a palavra “democrático” ou “independente” é um sindicato que sai fora do baralho e é controlado sabe-se lá por que ordem ideológica. Veja-se o caso da greve dos camionistas no verão de 2019 feita pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias, sindicato que surgiu naquela altura como que de geração espontânea e com uma direção constituída à pressa.

Na greve dos enfermeiros convocada pelo SINDEPOR até poderá estar na retaguarda a bastonário da ordem dos enfermeiros o que seria um déjà vu.  Isto não é mais do que uma especulação da minha parte porque não há, até ao momento, provas disso, mas é derivada por antecedentes que já se verificaram como as posições favoráveis da bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, para com uma anterior greve nos blocos operatórios.

Haveria que aguardar pela oportunidade e não fazer da crise sanitária um oportunismo que não é mais do que uma atitude para procurar aproveitar as circunstâncias pandémicas de manifesta gravidade para atingir objetivos mesmo que, para tal, tenha de sacrificar princípios éticos ou violar normas de conduta.

Ao contrário de milhares de outros trabalhadores, pequenos empresários e empresários em nome individual que ficaram sem trabalho, sujeitos a despedimento forçado devido ao encerramento, falta de recursos e falência das empresas onde trabalhavam que, para se manterem devido ao confinamento, estão agora sujeitos, para sobreviverem, ao regime do lay off. Os enfermeiros do Estado têm o seu ordenado e o posto de trabalho garantidos. O que mais pretende neste momento o dito sindicato?     

Não me venham dizer que no momento tão grave que estamos a atravessar, quando está em debate a aprovação do Orçamento de Estado para 2021, não há da parte daquele sindicato oportunismo para aproveitar algum descontentamento devido ao stress, cansaço por excesso de trabalho a que estão sujeitos os enfermeiros para os utilizar politicamente.

Senão vejamos: segundo o jornal Público o sindicato exige o descongelamento das progressões da carreira, a atribuição do subsídio de risco para todos os enfermeiros e, sendo “uma profissão de desgaste rápido”, a aposentação aos 57 anos.

O dirigente deste sindicato notou que os enfermeiros tinham grandes ambições em relação à nova carreira, a qual, defendeu, “acabou por ser uma falácia, porque foi uma imposição do Governo e não trouxe nada de novo”.

Carlos Ramalho o líder sindical realçou ainda que “a grande generalidade” dos enfermeiros que estão a ser contratados para o SNS ficam com “contratos de quatro meses”, considerando que “os contratos com termo não dão garantias nenhumas” aos profissionais. “A capacidade de resposta é muito limitada e os enfermeiros estão extremamente exaustos. Na primeira fase da pandemia, já foi complicado para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e para os enfermeiros e agora ainda está a ser mais complicado”, referiu o líder sindical.

Ninguém nega este facto que já referi anteriormente e não haverá quem não o reconheça a pressão a que os enfermeiros estão atualmente sujeitos devido às condições excecionais derivadas da covid-19, mas não são apenas eles.

Coloca-se a então questão: ENTÃO, É AGORA, NUM MOMENTO EM QUE MILHARES DE PORTUGUESES ESTÃO A SOFRER NOS HOSPITAIS, ALGUNS EM RISCO DE VIDA, O MOMENTO PARA FAZER REIVINDICAÇÕES? QUE ÉTICA É ESTA?

NÃO BRINQUEM CONNOSCO!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:18

covid19-estatisticas.png

Andamos todos às escuras em relação aos dados que nos são fornecidos sobre a evolução da covid-19. Com isso o Governo talvez pretenda ocultar o que se passa na realidade. Se no início da pandemia acreditávamos na informação nos eram diariamente comunicados através do boletim diário da DGS e transmitido na hora nobre dos jornais televisivos hoje nem por isso, apresentam-nos dados gerais em valores absolutos e ficando sem se saber a informação ao nível desagregado.

As conferências de imprensa diárias da DGS parcialmente divulgadas pelos canais televisivos passaram a ser uma seringação sem qualquer interesse diariamente repetitivos até à exaustão e pouco esclarecedoras. Para “encher pneus” gasta-se tempo a informar sobre os lares como se fosse ali que o problema da covid-19 se concentrasse e lá fossem originados os surtos. Mais parecem manobras de diversão para distrair do que se passa na realidade do país sobre o surto pandémico.

Não pretendo com isto dizer que não se dê importância aos lares de idosos, é de facto importante e os problemas que varrem essas instituições devem ser resolvidos. Mas não é de lá que saem os problemas, o vírus não se gera nos lares, é transportado de fora para dentro provocando surtos epidémicos nos que não têm nem tiveram qualquer intervenção no caso. Após a entrada nesses locais por transmissores é evidente que também saem posteriormente para o exterior.

A população anda mal informada faltam dados importantes que não são divulgados por interesses de pura política. A não divulgação de dados desagregados ao nível da freguesia é justificada porque leva a estigmas entre as populações. Há neste argumento algo de hipocrisia. Parece que é preferível deixar a população circular em roda livre por locais com um grau elevado de potencial contaminação do que fazer alertas nessas freguesias e nas que se encontram à sua periferia. A informação não seria isso uma forma, também ela pedagógica, de levar as pessoas dessas freguesias incluindo nas periféricas a adotarem comportamentos que não sejam de risco e a protegerem-se quando para ali se deslocavam ou, inversamente, as que delas saiam. A demarcação era feita pela precaução dos  próprios cidadãos ao circularem nesses locais e não por confinamento parcial imposto.

Vejamos então alguns dos dados que a DGS não divulga. Não estão disponíveis o número diário de surtos ativos e a sua localização, assim como os dados sobre os principais locais onde o contágio está a ocorrer, dados que serviriam para alertar e tranquilizar a população. A identificação de setores profissionais onde a transmissão ocorra com mais frequência. O número de óbitos por concelho não é conhecido sabendo.se apenas por grandes regiões ao nível da ARS. Por exemplo a Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLVT) é composta por cinco NUTS III (Sub-Regiões: Grande Lisboa, Península de Setúbal, Médio Tejo, Oeste e Lezíria do Tejo), 51 concelhos e 526 freguesias, ficando sem se saber o que se passa em cada uma das sub-regiões.

Será que é suficiente a justificação já anteriormente referida de evitar a estigmatização de locais para não haver um confinamento parcial? Há que ponderar se o que é mais importante conter a pandemia e evitar infeções sucessivas por desconhecimento de localizações de contactos ou o perigo de uma hipotética marginalização devido ao conhecimento de locais centros de surto pandémico. Se a questão do confinamento de freguesias ou bairros é, ou não, constitucional é uma coisa, outra é o que se para evitar a difusão por contágio de uma epidemia como a covid-19.

A difusão por contágio apenas será controlada se cada um de nós estiver com menos pessoas por dia e socializar mais à distância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Antonio Costa_modelo sueco.png

Após a “bronca” do convite de Luís Filipe Vieira  para que o senhor primeiro-ministro António Costa integrasse a Comissão de Honra de candidatura à presidência do Benfica, após a retirada da dita comissão e após as vozes contrárias ao convite se terem aparentemente calado o senhor primeiro-ministro António Costa parece estar possuído de uma qualquer síndrome de incertezas quando comunica ao país medidas tomadas, a tomar, ou a não tomar, para debelar ou mitigar a crise que ataca a saúde pública no que se refere à covid-19.

Contrariamente à primeira fase da pandemia onde as medidas foram enérgicas e atempadas nas suas últimas intervenções, talvez devido ao cansaço, parece apresentar uma falta segurança quanto ao que diz no que à covid-19 se refere. Esta insegurança poderá ter como causa os contactos com entidades e especialistas que lançam para o ar pontos de vista contraditórios que me parecem ser mais opiniões do que dados científicos.

Na semana passada na conferência de imprensa, após a reunião do gabinete de emergência para a vovid-19, António Costa lança para o ar nada de novo, colocando-se numa atitude de vocês aí amanhem-se e protejam-se uns aos outros porque se a coisa agravar a responsabilidade é vossa.

"A manter-se esta tendência, chegaremos aos mil novos casos por dia. Temos de travar esta tendência. Não podemos parar o país", declarou o primeiro-ministro na conferência de imprensa. E acrescentou ainda: "Agora, não vamos poder voltar a parar o país, como aconteceu em março. Agora, o controlo da pandemia depende da responsabilidade pessoal de cada um de nós. Não podemos voltar a privar as crianças do acesso à escola, não podemos voltar a proibir as famílias de visitarem os seus entes queridos nos lares, não podemos separar as famílias no Natal como fizemos na Páscoa. Temos mesmo de travar a pandemia por nós próprios através da nossa responsabilidade pessoal".

São verdades que aparentemente parecem ser incontornáveis. A escolha é uma das três: economia, infeção covid ou morte. Claro que a economia prevalece porque sem economia a infeção covid continua e a morte surge lenta, mas inexoravelmente. A morte social pela morte da economia conduz à morte física no seu todo quando não pelo menos ao nível psicológico.

O que o primeiro-ministro disse na conferência, contrariamente ao que disse na primeira fase da pandemia, demonstrou falta de sensibilidade social para com setores mais frágeis e desresponsabilização pelo que venha a acontecer no futuro próximo, mesmo que ao Estado caiba a responsabilidade pela saúde pública.

Se no início de setembro António Costa se indignava porque o governo britânico condicionava os seus cidadãos que regressassem de Portugal a uma quarentena obrigatória agora deixou de fazer parte das suas preocupações.

Quando o resto da Europa reage a escalada de novos casos com restrições parciais devido à aceleração no ritmo de contágio está a ser evidente que na maior parte dos países europeus os Governos evitam confinamento total, mas adotam medidas focadas em regiões e sectores específicos para tentar travar número de novos casos, em Portugal parece vir a seguir-se o modelo da Suécia pela estratégia do chefe de governo António Costa. Modelo mais desumano e de despreocupação pela saúde publica e de desinteresse pelos mais idosos do país.

Se há poucas semanas os noticiários das televisões nos atulhavam e atulham nas horas de ponta com o que se passa nos lares de todo o país António Costa agora até já nem se importa com isso quando afirma que “não podemos voltar a proibir as famílias de visitarem os seus entes queridos nos lares.”. Estranha-se esta afirmação quando é sabido que o vírus é transportado para o interior dos lares por pessoas do exterior. Ou será que são produzidos pelos velhinhos que lá se encontram acamados ou não? Podemos colocar ironicamente a seguinte questão: será que transportar o coronavírus para o interior lares de idosos poderá ser bom para segurança social que, com um maior número de mortes, acaba por pagar menos reformas.

O primeiro-ministro António Costa pretende agora adotar o modelo sueco esquecendo-se de que na Suécia o comportamento social dos suecos nada tem a ver com o dos latinos a que, nós portugueses, feliz, ou infelizmente, pertencemos. Os suecos são um povo dado a poucos contactos considerados socialmente físicos de abraços e beijinhos. Dão muita importância e gostam de manter a distância do seu espaço pessoal e, como tal, gostam que não o invadam, evitam toques e contactos físicos desnecessários. Assim, para eles o combate à covid-19, é visto hoje como uma visão totalmente normal. Nós os latinos somos especialistas nos contactos físicos os suecos encantam mais pelo uso da palavra e pela maneira como expressam exteriormente emoções

O Governo sueco deixou a cargo dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde. Não impôs um confinamento à população, antes apelou às pessoas para que aplicassem o distanciamento social físico, comportamento que não é muito difícil de adotar num país com baixa densidade populacional e cuja cultura valoriza o individualismo e a autodisciplina e onde restaurantes, bares, ginásios, lojas e cabeleireiros mantiveram-se em atividade. Desligando-se dos problemas dos locais descurou também a situação dos locais onde se encontram os seus idosos.

A população da Suécia é de 10 milhões e 278 mil habitantes aproximadamente o mesmo número de população de Portugal 10 milhões e 286 mil habitantes, (fonte PORDATA estimativas em 2019). A Suécia apresenta hoje, 20 de setembro, um total de 88237 casos e 5865 óbitos por covid-19 contra os 68025 casos e 1899 óbitos de Portugal, números muito menores do que os da Suécia.

No início de agosto de acordo com a Bloomberg o Produto Interno Bruto (PIB) sueco foi de -8,2% no segundo trimestre numa primeira estimativa do Instituto Nacional de Estatística da Suécia. As previsões dos economistas apontavam para uma queda homóloga de 7,4%. Os dados provisórios representam o pior desempenho económico trimestral desde que há registos.

Ao contrário dos outros países nórdicos, a Suécia não impôs um bloqueio total na economia e na vida dos cidadãos, tendo apenas dado indicações gerais sobre o confinamento parcial da sociedade. Esta estratégia resultou numa das taxas de mortalidade mais elevadas de toda a Escandinávia. No entanto, a Bloomberg aponta que as novas informações indicam que, apesar da estratégia suave, o país poderá não ter conseguido manter o nível de consumo por parte dos cidadãos.

Na passada quarta-feira, o banco central sueco manteve as previsões realizadas em abril. No primeiro cenário, o produto interno bruto (PIB) poderá contrair 6,9% em 2020, antes de voltar a crescer 4,6% em 2021 e numa previsão mais negativa, prevê que o PIB poderá contrair 9,7% e a recuperação mais lenta, crescendo apenas 1,7% em 2021.

Se comparamos com as previsões em Portugal as diferenças são relativamente poucas, mesmo tendo em conta as diferenças das economias até 17 de setembro e de acordo com o Conselho de Finanças Públicas Portugal terá em 2020 uma queda no PIB de -9,3% prevendo-se que irá crescer em 2021 4,8%.

António Costa parece assim querer aguentar a economia mesmo que tenha de recorrer às ideias da espécie de cientista louco, Anders Tegnell, epidemiologista chefe da Agência de Saúde Pública da Suécia que tem aconselhado o governo sueco. Aliás o primeiro-ministro da Suécia foi criticado e admitiu ter havido erros. Mas disse também querer manter a sua estratégia. O epidemiologista Anders Tegnell, que desenhou a resposta da Suécia à pandemia também admitiu que morreram demasiadas pessoas e que podiam ter sido impostas mais restrições.

Por aqui também alguns jornalistas traçam opiniões favoráveis à estratégia sueca e não me parece que “a pulsão de vida, de vida em sociedade, é aquilo que, em última análise, vai conseguir a cura.”. O medo e o controle pela segurança de cada um individual e coletivamente quebram a produtividade e a insegurança por desconhecimento do que o futuro lhes reserva não faz gastar dinheiro aos cidadãos para que ajudem a funcionar a economia. Um dos maiores problemas não é a perda de consumo interno é o recuo das exportações devido ao recuo de encomendas do estrangeiro que está também a braços com um perigoso aumento de casos covid.

O que é grave é que António Costa agora pareça agora querer seguir o modelo que se reconhece estar errado por muitos elogios lhe façam em vez de adotar modelos mais originais é para isso que servem os gabinetes de crise de saúde pública em situação pandémica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

covid19-janela.png

Após uma primeira fase bem-sucedida, na fase atual parece-me que António Costa e o seu Governo adotaram o modelo sueco para contenção da epidemia, isto é, nada fazer, fazer pouco ou fazer de conta. Como se sabe primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, defendeu que o seu país escolheu a estratégia “correta” contra a pandemia, apesar de o número de mortes na Suécia ter sido muito superior ao resto dos países escandinavos.

O jornal Público de 27/08 anunciou que “A ministra do Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, confirmou nesta quinta-feira que o Governo irá prolongar a actual situação de alerta que está no continente, com excepção da Área Metropolitana de Lisboa, que continuará em situação de contingência.” Alegou a ministra que “as novidades” surgirão a 15 de setembro, com a elevação das restrições em todo o território. A ministra justifica que viveremos por essa data “um contexto mais difícil dado o contexto internacional, mudança de rotinas e a chegada do outono”, uma vez que um pouco por toda a Europa registam-se aumentos de novos casos de infeção “e o Governo não pode ficar indiferente a esse aumento” pelo que atuará "preventivamente relativamente à mudança de contexto”.

No mesmo dia 27/08 foram também conhecidos os novos casos detetadas: 399 infeções em Portugal nas últimas 24 horas, o maior número de 402 novos casos desde 10 de julho. Dos novos casos, 186, 47% foram identificados na região de Lisboa e Vale do Tejo, No Norte há 161 novos casos, o que corresponde a 40% do total e é o valor mais elevado desde 8 de maio.

Portugal registou hoje sexta-feira 28/08 mais seis mortes e 401 casos de infeção pelo novo coronavírus, o que corresponde a um aumento de 0,7%. Este é novamente o maior número de casos diários desde 10 de julho sendo o RT de 1,00 o que significa que cada pessoa infetada infeta outra.

Contudo as notícias insistem apenas nos lares de idosos como se esses fossem os grandes transmissores da doença esquecendo que a doença vem do exterior para dentro dos lares provavelmente levada pelos assintomáticos mais jovens que, em cadeia transmitem aos seus familiares.

O Governo tem a perceção de que tudo vai piorar não apenas pelas razões que a ministra apontou e que atrás foi referido. O Governo durante o período de férias abriu quase todas as janelas para a covid-19 entrar. A partir de outubro é que vamos sentir as consequências da abertura. Emigrantes portugueses que resolveram vir a Portugal, desconhecendo se poderiam ser potenciais portadores, assim como estrangeiros, sobretudo ingleses, que têm vindo a entrar ultimamente sem qualquer controle sanitário, apesar de tudo com contentamento da indústria turística algarvia que, de facto, se encontrava e encontra numa crise sem precedentes.

Há também grupos de procedência fora da europa, países de elevado risco que para Lisboa se têm dirigido com o intuito da obtenção de nacionalidade portuguesa para posteriormente darem o salto para outros países. São grupos, normalmente mais jovens, que se juntam e convivem em ambientes pouco salubres e que se espalham por vários locais das grandes cidades, sobretudo em Lisboa, e dos quais não se tem qualquer informação.

Para muitos de nós, portugueses, o contributo será o aumento do número de infeções consequência imediata das decisões de abertura quase sem limites, sendo Lisboa o concelho com maior crescimento de casos na última semana diferença entre o n.º de casos registados até dia 17 e até dia 24 de Agosto.

O Governo em vez de ter em conta a perigosidade de férias resolve contentar a população e contribuir para o descuido. Vendo a coisa a agravar decidiu agora pelo recuo, adotando uma estratégia preventiva em relação ao combate à propagação da pandemia da covid-19 em Portugal e abandonar a estratégia de aprovar medidas reativas em função da evolução dos dados epidemiológicos. O que deveria ter sido feito prevendo e por isso antecipando o que agora faz ao arrepio do controle da situação. A mudança de tática foi previamente comunicada ao Presidente da República.

Sempre fomos um povo de acolhimento sem restrições, mas neste momento gravoso para a nossa saúde pública, um pouco de contenção talvez fosse mais inteligente.

Não venham depois argumentar que foi o começo das aulas, o regresso ao trabalho, a falta de cuidado das pessoas, etc. sim, será isto tudo agravado por todo o resto causado pela obsessão do Governo pela abertura das portas e janelas. Somos os maiores, esperemos que não venhamos a ser os piores por ultrapassarmos a gravidade do que se passa em Espanha, França, Itália. Pretendem fazer-nos acreditar que é uma segunda vaga. Não há segundas vagas, o que há é o descuidado comportamento de todos e de quem nos governa.

Para Ventura do Chega num documento que entregou hoje, sexta-feira, um projeto de resolução no parlamento para revogar a decisão do Conselho de Ministros de declarar a situação de contingência. Ventura está naquela em que MORRA QUEM MORRER, FIQUE INFETADO QUEM FICAR, QUE MORRA, PIM! QUE VIVA A ECONOMIA, PUM! Parodio claro com "O Manifesto Anti Dantas" de José de Almada Negreiros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04

Catarina do BE_3.png

O Bloco de Esquerda não tem uma festa como a do Avante! mas, mesmo assim, faz a sua festa virtual tendo na mira o próximo Orçamento de Estado cuja aprovação faz depender da sua aprovação, ou não, o seu programa de festa. Pode ser que até lá alterem a sua atitude, mas, até lá, críticas vão surgindo às posições da Catarina e do Bloco.

O Bloco de Esquerda parece viver fora da realidade apesar de quando em vez ateste a sua presença quanto à epidemia que nos assolou, e ainda assola, sem sabermos o que virá a seguir. O que sabemos ao certo é que a crise nos bateu às portas desta vez a reboque da covid-19 que rebentou com a economia como há muito não se verificava. Contudo, para o BE parece que nada se passou e ameaça o Governo com turbulência política, não apenas este, mas o país, isto é, todos nós, mesmo os adeptos do BE porque a crise vai atingir-nos a todos apesar das canções de embalar da sua coordenadora.

Catarina Martins apesar da crise parece apostada na tentação de querer mostrar que tudo está bem e que é possível anunciar boas notícias para o orçamento do próximo ano 2021 ainda que o primeiro-ministro diga que será muito difícil cumprir todas as promessas feitas antes da pandemia.

Catarina engana-se e engana-nos porque a análise que faz da presente realidade é, para além de irrealista, perigosa.

Catarina engana-se e engana-nos porque deixa subentendido que cumprir o que foi acordado em 2019 depende apenas de um ato de vontade.

Catarina engana-se e engana-nos porque a economia registou a pior quebra desde há décadas e por isso há que haver cautelas com opções a tomar.

Catarina engana-se e engana-nos porque as receitas e despesas do Estado previstas tornaram-se uma ilusão devido à covid-19.

Catarina engana-se e engana-nos porque Portugal está a braços com uma crise que faz dos tempos da troika uma coisa de amadores.

Catarina engana-se e mente ao querer fazer-nos acreditar que presente quadro é possível anunciar boas notícias e porque no próximo ano, até que as recuperações se façam sentir, as escolhas serão difíceis e péssimas. Há que proteger os desempregados, os mais pobres, a educação ou a saúde pública e proteger empregos e rendimentos e que não pode haver grandes melhorias.

Catarina engana-se e engana-nos quando acha que a economia e as finanças públicas estão saudáveis quando estão à beira do abismo e que não podemos viver como no ano passado devido a de incertezas e aflição. O que Catarina nos faz crer é uma falácia.

Catarina engana-se e engana-nos porque nós, cidadãos, sentimos que estão em causa escolhas que exigem muita prudência e resistência necessárias para dias melhores e não estamos em tempo dos amanhãs que cantam e em que sol brilhará já no próximo orçamento.

Catarina desconhece que não queremos voltar a ouvir discursos e atos de fé como o de 2012 quando o ex-primeiro-ministro Passos Coelho escreveu no Facebook:

“A eles, e a todos vós, no fim deste ano tão difícil em que tanto já nos foi pedido, peço apenas que procurem a força para, quando olharem os vossos filhos e netos, o façam não com pesar mas com orgulho de quem sabe que os sacrifícios que fazemos hoje, as difíceis decisões que estamos a tomar, fazemo-lo para que os nossos filhos tenham no futuro um Natal melhor.”

Os sacrifícios de hoje, as decisões irrealistas do presente poderão ser o preço a pagar por um futuro próximo melhor que Catarina e o BE prometem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:20

Juventude-gerações.png

A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente.

Albert Einstein

Vivemos dependentes da inexorabilidade do tempo. Ao longo de décadas impõem-nos o ritmo alucinante do quotidiano. No exato momento em que escrevo estas linhas, o tempo deixou de ser presente, pertence já ao passado. O que escrevo projetam-se para um futuro mais ou menos próximo até que eu, ou algo, as destrua, sem o que será mais uma pegada digital.

Toda a interação humana ocorre num determinado espaço e tem uma duração específica de tempo. O conceito de tempo faz parte do homem, mas para Kant, filósofo do século XVIII, o tempo não é um conceito é uma intuição, é uma forma a priori da sensibilidade, juntamente com o espaço. O tempo é uma intuição pura a priori no plano da sensibilidade, é uma noção objetiva de observação e não é extraído da experiência e é prévio a qualquer experiência.

Esse conhecimento denomina-se a priori e distingue-se do empírico, cuja origem é a posteriori, ou seja, baseado na experiência. Todavia, alguns conhecimentos vindos da experiência já são conhecidos a priori, porque não são extraídos desta, mas sim de uma regra geral, que foi de início buscado na experiência, assim Kant nomeia os juízos a priori puros, aqueles que são independentes de qualquer experiência, como o de tempo.

Filósofos de várias correntes do pensamento refletiram sobre a questão do tempo mostrando que ele indica o caminho do homem, e das sociedades como entidades coletivas do passado que foi presente, do presente que deixa de o ser quando passa a futuro que é uma continuação do presente.

Cada um de nós desde criança teve e tem o seu espaço vivido que se prolonga, alarga, estabiliza e adensa de experiências múltiplas que se quebram por descontinuidades. A primeira descontinuidade, a mais relevante, marca a passagem da adolescência ao universo dos adultos que por norma acontece através da dupla experiência do casamento e do primeiro trabalho. Esta sequência que no passado parecia imutável foi quebrada no presente pelo ritmo frenético das sociedades com a permanência na casa dos seus progenitores prolongada no tempo pela difícil procura de trabalho que abre novas relações sociais e cria rigorosas obrigações, mas que escasseia e sem remunerações que permitam uma independência para constituição de família.

O espaço vivido da idade adulta tem de se integrar num espaço ordenado que por ser cada vez mais social deixa de ser apenas pessoal e passa a alinhar com obrigações de outras pessoas e dos próximos é um problema da liberdade individual que se coloca em termos de espaço físico. Pessoas e coisas movem-se através do espaço num determinado tempo. O espaço virtual da World Wide Web com as redes sociais quebraram as barreiras do espaço físico vivido nas sociedades muito urbanizadas alcançando contactos com pessoas distantes de outros espaços e sociedades. 

A Internet veio encurtar o tempo de interações com outras pessoas independentemente do espaço e da distância em que se encontram e também alterar a perceção do tempo pela comunicação é imediata.

Ao longo da sua vida o homem alcança espaços diferentes ao ritmo do tempo e da escala das distâncias. A não ser o espaço da divisão do apartamento onde vive, cujas paredes pode alcançar apenas com o estender dos braços, o resto da casa, o bairro, o centro da cidade, a região, o resto do mundo são articulados com o quotidiano, o semanal, o mensal, o excecional, respetivamente.  

O registo da passagem do tempo é feito pela escrita através dos livros e também pelos arquivos virtuais da tecnologia digital que oferece a possibilidade de conhecer o que se passa e se passou com as pessoas, a natureza e a sociedade que servem para compreendermos a sequência dos acontecimentos. São registos de escrita sequencial, ou fragmentada pela hipertexto quando em ambiente digital, da sucessão dos acontecimentos. Todavia há uma diferença entre o que se lê e que foi registado e o que é percebido por quem lê o registo escrito; a visão do quadro descrito muda de pessoas para pessoa.  A escrita aprisionou o tempo para, ao saber o que aconteceu no passado e com os olhos no presente, tentar hipoteticamente prever “o depois”, o futuro.

O que hoje se ensina no mundo com os esquemas curriculares, obrigatoriamente lecionados nas escolas, já não será o que no futuro aqueles que se formaram irão encontrar e em que terão de atuar e intervir. Isto é tão evidente que a evolução se faz em tempo cada vez mais acelerado, exatamente o contrário do tempo demorado em que necessariamente se traduz a tentativa de integração social pela longa disciplina escolar.

O tempo condiciona em cada momento a informação que nos chega pelos meios de comunicação social. O que é verdade hoje pode não sê-lo amanhã e que deixa de ser presente passando a pertencer ao passado pelo que, no presente, podemos desmentir verdades que já o foram no passado.

 O jornalista, o cronista, o analista, o ensaísta e o cientista vivem o presente e servem-se do passado para explicar o presente, fazem prognósticos sobre o futuro, mas, quando leio o que escreveram ou disseram já é do passado.

O processo de registar o que se passa no tempo envolvendo simultaneamente os sentidos da audição e da visão, o audiovisual (os outros sentidos são acionados pela imaginação), é a televisão e o seu registo em videotape. Através deste meio o fator tempo entre um facto e o conhecimento público foi eliminado pelas reportagens em direto, gerando reações imediatas, muitas vezes emocionais. Muito tempo depois do facto acontecido, e conhecido pelo público, o registo em filmes ou videotapes possibilita reviver o acontecimento registado no passado. É o tempo aprisionado. Pela leitura temos de fazer um esforço para criar um quadro mental para reconstituição do facto, com o audiovisual temos o registo total. Revemos os acontecimentos e tomamos consciência como se estivéssemos presentes e dá-nos a sensação de sermos participantes do acontecimento. A televisão introduziu um elemento na noção de tempo. O tempo não pode ser parado daí o haver um histórico do passado o que a televisão possibilitou é registar o que acontece de maneira a poder repetidos como se fosse o original.

A televisão vista de forma global levanta-nos outro problema: a identidade nacional dos países. Os canais emissores estrangeiros transmitidos e controlados pelos grandes centros podem atingir os menos influentes e poderosos que começam a moldar a reação pública de acordo com os interesses de quem transmite, o que facilita que um grupo humano, em contacto contínuo com outro grupo humano de cultura diferente, adote os valores e práticas culturais desse outro grupo. O peso do que é enviado pelos canais transmissores à escala planetária atinge todos os países e Portugal não escapa a essa espécie de aculturação a distância.

Entre as várias questões que se levantam colocam-se duas que me parecem importantes e para as quais se procuram respostas: qual impacto da invasão pelos meios de comunicação televisivos e internet? O que acontecerá ou (o que está a acontecer) à identidade nacional face à massiva divulgação de hábitos, crenças, conhecimentos e orientação política vinda do exterior num contexto do interesse nacional dos produtores e emissores de conteúdos?

A assimilação pelas novas gerações de novos hábitos, modas e inovações que se desvia das culturas autóctones é facilitada por via da televisão e da internet e ainda pela facilidade de deslocação a outros países devida aos baixos custos de viagens aéreas low cost e a programas do tipo Erasmus.

O conceito de geração é mais amplo do que o conceito de idade e está estritamente associado

a influências de normas, fruto dos diversos papéis sociais exercidos ao longo da história. A noção clássica de geração fazia referência ao conjunto de pessoas que, por terem nascido no mesmo período histórico, receberam ensinamentos e estímulos culturais e sociais similares e, por conseguinte, têm gostos, comportamentos e interesses em comum. Isto é, definia-se geração como sendo o grupo de indivíduos que sucederam aos seus pais.

Nos últimos 50 anos assistimos a uma aceleração temporal quanto ao modo de fazer as coisas e aos modos de produção com o desenvolvimento das tecnologias que se marcaram sucessivamente no tempo. O intervalo entre uma geração e outra ficou mais curto. Hoje, já se pode falar em uma nova geração a cada dez anos. Os jovens que nasceram cercados pela internet e ligados o tempo inteiro cresceram. Eles têm entre 18 e 34 anos e são o futuro. Isso significa que mais pessoas com visões “diferentes” estão a conviver na escola e no mercado de trabalho.

As gerações não se avaliam apenas por cortes demográficos num determinado tempo. Envolvem segmentos sociais em que estão envolvidas relações familiares, relações entre amigos e colegas de trabalho, entre vizinhos, entre grupos de desporto, artes, cultura etc. Implicam estilos de vida, modos de ser, saber e fazer, valores, ideias, padrões de comportamento, graus de absorção científica e tecnológica.

As duas gerações anteriores cresceram num tempo histórico em que foram agentes ativos e conscientes da construção e consolidação da liberdade e da democracia. As gerações atuais são preponderantemente passivas e pouco ou nada contribuem para a identidade nacional que deve ser uma obrigação moral de todas as gerações e não estão a ser preparadas para serem a solução para os problemas que terão de resolver num futuro que está colado ao presente. Manifestam-se e reivindicam sem apresentarem soluções concretas, pedem às gerações anteriores que os geraram e que hoje os governam e nos governam que resolvam os problemas, mas não se envolvem, preferem que outros o façam. Pretendem liberdade plena sem responsabilidade.

Ocorrem-lhes momentaneamente ímpetos súbitos de indignação sobre algo traduzidos em movimentos de massas que esmorecem ao fim de algum tempo. Manifestações que servem para desencadear movimentos de rua temporários e curtos onde se extravasam emoções. Quando não são construídos movimentos com base sólida e ações concretas e objetivas resultam numa mão cheia de nada. As forças políticas e os seus aliados que reagem às reivindicações têm uma capacidade imediata de reação com mais poder de dissuasão, quando não abafar e levar ao esquecimento, mesmo que temporário, e à exaustão qualquer ação reivindicativa.  

Apresento um exemplo sobre as questões ambientais que foi o caso de Greta Thunberg cujo movimento parece ter adormecido limitando-se de momento a dar pequenos apontamentos de entrevistas como a que em junho de 2020 a deu à BBC sobre o movimento "Black Lives Matter aquando da manifestação anti racista devido à morte de George Floyd. Greta disse nessa entrevista que “não será um plano de recuperação ambiental que resolverá, por si só, todos os problemas, sendo necessário os decisores dedicarem à pandemia e aos problemas sociais a mesma atenção que vêm dando às alterações climáticas.”

Mais uma vez entra em jogo a questão do tempo presente e futuro traduzidos em espera para tomadas de decisão. Uma espécie de paragem do tempo, como se isso fosse possível! Para mim é uma questão de crença que, com a quebra drástica da economia e do crescimento provocados pela covid-19, mais uma vez os problemas ambientais e sociais vão ser enviados num saco para a arrecadação das prioridades.

Há problemas no nosso país para os quais que nos governa fecha os olhos esperando que o tempo passe mantendo-se sem que qualquer intervenção. No dia 13/07/2020 o Jornal das 8 da TVI passou uma pequena peça que deixou no ar algo que parece ser muito grave que as autoridades admitem e até apoiam, ao qual ainda não foi objeto de investigação.

A peça com o título “Estufas esgotam recursos hídricos da Costa Vicentinatrata do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina que está a comemorar 32 anos e onde, longe vão os tempos, as paisagens eram naturais e hectares de plástico não manchavam toda a zona que se quer natural.

Os jovens vivem num presente constante, ininterrupto, sem futuro, pensando que vivem um presente que se traduz numa espécie de eterna juventude. Desdenham o passado, não se dando conta da velocidade a que a sociedade, movida apenas pelo lucro e pela imagem virtual dada pelas redes sociais, acentuando individualismos. Submetem-se às importações que lhes impõem todos os meios de comunicação social induzindo-lhes, valores, atitudes e modos de viver. É a utilização do veículo juventude como meio de aculturação.

Os conflitos de gerações dão-se entre os seus progenitores, o passado, e eles, o presente que eles vivem e que outros lhes “vendem”. A complementaridade de gerações quando de dá é apenas para a necessária sobrevivência do jovem. Atualmente à medida que o tempo avança regista-se uma clara e acentuada antecipação do choque geracional que sempre existiu embora a ritmo mais lento, mas agora em idades cada vez mais jovens.

Este é o tempo da pandemia da Covid-19. O presente cria-nos uma permanente ansiedade, mas também uma mera sensação de esperança no futuro quando conhecemos a informação do passado quanto ao número de infetados se juntam ao número dos anteriores infetados e óbitos. Haver recuperados é bom, mas o seu número não nos protege. Os recuperados que foram infetados com Covid-19 no passado continuam a pensar no futuro segundo, minuto, hora, dia, em que poderão voltar a ficar infetados porque não há evidência científica disponível à data, para confirmar se as pessoas infetadas com o SARS-CoV-2 desenvolvem imunidade protetora.

As investigações do presente são contraditórias e desatualizam-se no tempo em menos de vinte e quatro horas em alguns casos. Fazem-se outras que ficarão de imediato também desatualizadas.

O espaço pessoal é o espaço físico que os indivíduos mantêm entre si e os outros e varia entre a distância íntima para relações estreitas, a distância para encontros formais e a distância pública quando se enfrenta uma audiência. O tempo da Covid-19 é o tempo do espaço social restringido a que chamam distância social. Quando se sai à rua ou nos deslocamos a qualquer lugar o que importa é acautelar o futuro, o futuro imediato, não o presente, o nosso e de outros familiares ou não.

Os jovens são desafiantes do perigo e juntam-se em perigosos delírios gregários violando as regras de distanciamento social verificado pelos jovens mais velhos que parecem apresentar uma maior tendência a correr riscos e sentem que não vale a pena seguir as diretrizes.

É impressionante o quanto os(as) adolescentes mais velhos(as) se destacam em termos de violação das regras de distanciamento social com atitude extremamente negativas para, numa atitude distópica extremamente negativas criticarem a ordem social e/ou a política existente.

A necessidade de gregarismo dos jovens levanta dúvidas se expressa uma tendência natural, que os leva a desafiar as imposições necessárias para contenção da pandemia ou se será função de contingências adaptativas em face de situações de insegurança e decorrentes de ansiedades,  de motivações pessoais, egoísticas ou ainda e motivações sociais e altruísticas?

A mentalização dos jovens para os problemas da vida adulta começa mais cedo, e cada vez mais cedo. Pretendem que as suas reivindicações de emancipação sejam agora e já, no presente e para o futuro, sem regresso. O tempo leva-nos também à questão de qual o tempo da maturidade necessária para a emancipação. O presente dos jovens é o imediatismo.

Recordo-me de, quando ainda na universidade, e muitos também ainda se lembram do tempo em que os professores assistentes eram considerados jovens quando a maior parte deles ainda não tinham chegado aos 30 anos de idade; hoje os estudantes já não os consideram jovens e tendem a incluí-los no outro grupo, o dos não jovens.

Há políticos que quando no poder por questões de angariação de apoios tendem a virar as gerações umas contra as outras com ideias simplistas incutindo a ideia de que uma geração beneficia de um bem-estar económico à custa das outras. São os que acicatam os do presente e os do futuro contra os do passado. Afinal os do presente que conseguiram os privilégios que os do passado conquistaram para eles e que no presente pertencem ao grupo de privilegiados falhados que nasceram na abundância, que sempre viveram em liberdade e que dizem nada terem a ver com as gerações anteriores, os do passado. Há uma espécie de consciência de grupo nos jovens das sucessivas gerações que sugerem a ideia de um corte com o passado, mas que continuam a viver no seio desse passado do qual se querem afastar. Ouçam este podcast da Antena 3 “Pão para Malucos”.  

A invenção de léxicos ressonantes com que alguns pretendem representar a evocação de uma geração que terá na mão o futuro do mundo são verdadeiros truísmos. É o caso do neologismo millenials com que pretendem designar a geração que terá na mão a gestão e a governação do mundo. É óbvio que na linha do tempo e devido à finitude do ser humano todas as gerações terão, algum dia, o futuro do mundo nas mãos, seja a geração do milénio ou qualquer outra que se lhe siga.

Para os da nova geração de 2001 a 2020 a geração dos anos 1981 a 2000, os tais, millenials já são velhos, pertencem ao passado. Os millenials começam já a ficar ‘velhos’ e a ser suplantados por uma nova geração nascida após 1996 que é problemática pelas suas conceções de vida que lhes foram induzidas e pelas distorções de perceção que geram.

Bourdieu, sociólogo francês, disse em 1983 que é uma manipulação utilizar o termo juventude para falar de jovens como se fossem uma unidade social, um grupo constituído, dotado de interesses comuns e relacionar esses interesses a uma idade biologicamente defina. No entanto, a questão central é a de explorar não apenas as possíveis ou relativas similaridades entre jovens ou grupos sociais de jovens em termos de situações, expectativas, aspirações, consumos culturais, mas também as diferenças sociais que entre eles existem decorrentes ou não das classe sociais das famílias a que pertencem. Os jovens não se englobam e agrupam numa mesma geração ou grupo não podem englobar-se numa mesma geração (num mesmo grupo) e que apesar de contemporâneos e terem a mesma idade e de serem portadores do sentimento comum de se encontrarem em presença de outras gerações na sociedade identificam-se a si mesmos como pertencendo, por exemplo, a classes sociais, grupos ideológicos ou grupos profissionais diferentes.

Juventude-trabalho.png

Fonte: Purdue University Global

Especialistas das áreas de antropologia e sociologia tentam identificar seis gerações apesar de alguns perigos e equívocos devido a generalizações devido a diferenças que pendentem do universo de estudo: a Maior Geração, Geração Silenciosa, Baby Boomers, Geração X, Geração Y e Geração Z. Cada geração possui seu próprio conjunto exclusivo de características e normas. Por exemplo, a Maior Geração (nascida em 1901-1924) é conhecida por seu patriotismo, trabalhadores esforçados e lealdade às instituições. Os millenials (nascidos em 1980-2000) são caracterizados por sua dependência de tecnologia, distanciamento das instituições tradicionais, otimismo e mente aberta. Não é de admirar que muitas pessoas de diferentes gerações tenham dificuldade em se entender.

Começa a manifestar-se agora uma outra geração progressista destinada a salvar o planeta do apocalipse ecológico e da ganância capitalista, algo que as velhas gerações anteriores não quiseram fazer, ou então não souberam fazer. Mas não se muda o mundo à espera de que surjam ideias novas que o venham a transformar, venham elas de que geração vierem. Ou elas surgem com as gerações que temos no presente para preparar o futuro ou, então, quando a tal geração millenials e seus descendentes nos governarem deixar-se-ão minar como os seus antecessores ou então já estaremos todos mortos se a mudança verificar.

Se olharmos para o passado vemos que a anterior geração possibilitou a democracia terminou com totalitarismos em muitos países. Mas, se olharmos para as últimas 3 décadas (com um decréscimo apenas em 2009 devido à crise financeira) essa mesma geração que governou o Mundo contribuiu para a pobreza generalizada, para o enriquecimento de uns poucos que possuem a maior parte da riqueza global e para o neoliberalismo desregrado como modelo económico que causou a maior crise financeira e económica do século XXI.

As gerações que serão responsáveis por decisões no futuro estão a ser educadas para desdenhar o coletivo e a centrarem-se no interesse particular e individual para uma competição sem limite.

É intuitivo que o passado influencia o futuro e marca as diferenças entre gerações por taxas de mudança acelerada na sociedade, contrariamente aos desenvolvimentos lentos na sociedade do passado em que diferenças entre gerações não eram exacerbadamente relevantes.

Os avanços tecnológicos e sociais que ocorreram a partir de meados do século XX e durante o século XXI o estilo de vida de indivíduos com uma geração de diferença é drasticamente diferente um do outro e a taxa de mudança acelerou a limites tais que conduziram também a elevadas taxas de stress e de burnout.

Não se pretende uma guerra entre gerações, pretende-se complementaridade, mas para isso há que a juventude, adolescentes incluídos, percebam os momentos em que deve haver limites nas atitudes que os amarrarão e marcarão durante toda a sua vida. O hiato de geração refere-se a diferenças de ações, crenças, interesses, experiências de vida, visões do mundo e opiniões que marcam cada uma das diferentes gerações. Então, o que causa essas diferenças?  Há eventos históricos significativos que moldaram e moldarão no tempo cada geração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59

O campeonato do empurra

por Manuel_AR, em 05.07.20

Coronavirus-desconfinamento2.png

O desconfinamento apressado na Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLVT) e sem qualquer estratégia passou a ter, para além de responsabilidades sanitárias, responsabilidades políticas. O problema provavelmente não ficará por aqui; deixemos vir a “Champions League” e veremos.

O sentimento de fascínio de Fernando Medina e de António Costa pelo acolhimento daquele acontecimento desportivo que outros países provavelmente rejeitaram poderá vir a acentuar a propagação da epidemia covid-19. A ver vamos se não se agravará ainda mais em função da decisão de haver, ou não, espetadores mesmo com medidas de segurança.

Deslumbrados pelo dito sucesso inicial com que Portugal conseguiu de certo modo conter epidemia abriram portas ao desleixo pós confinamento na região de Lisboa criando uma espécie de corredor livre para o agravamento em Lisboa do covid-19.  Tudo entra em Lisboa minha gente, venha dondo vier, com ou sem controle que, quando existe, é apenas de fachada.

Costa deu o mote ao criticar a ministra da saúde e Medina agarrou a deixa e passou a acusar de incompetência os responsáveis pela saúde, seguem a regra da criação de bodes expiatórios. Face ao que está a acontecer na região de Lisboa desligam-se das responsabilidades que tiveram e apontam agora o dedo a outros. Ou não tenha de começar a preparar o terreno para as autárquicas.

Aliás tem sido notório os disparates e as contradições nas mensagens por parte do Governo e da autarquia de Lisboa através de Costa, Medina, ministra da saúde e ministro das infra estruturas Pedro Nunes Santos. O presidente da Câmara de Lisboa disse que "Não há nenhuma demonstração de que os casos se devam ao desconfinamento". Então se os casos aumentaram após os desconfinamento na RLVT como se explicam os números da região anteriores com o aumento de casos que foram divulgados após essa decisão.

António Costa lança o maior disparate, quiçá seguindo Trump, ao diz que o aumento de número de casos de covid-19 se deve ao aumento do número de testes. Vamos lá ver: então será que para diminuirmos o número de infetados o melhor é não fazer testes? Ou será que não há infetados e os testes é que os criam? Ou será que número de infetados depende do número de testes efetuados? Os infetados existem, mas se não se fizerem testes deixam de existir!

A ministra da saúde Marta Temido que no início era tão certinha também começou a meter os pés pelas mãos talvez por ordem Costa. Que pretende tapar o sol com uma peneira. Quanto à possibilidade de os transportes público na RLVT poderem ser causadores de propagação do vírus a ministra refere num dia o que no dia seguinte altera por força da linguagem. Vejam-se estas declarações mencionadas no jornal Público:

“Questionada sobre a situação de Lisboa e Vale do Tejo e a questão dos transportes públicos, Marta Temido explicou que o que disse foi que “não são conhecidos casos de contágio que tenham tido origem em transportes e não que os transportes não sejam pela sua sobrelotação, pelas suas condições, espaços a merecerem uma especial cautela”. “Se não fosse assim, não tinha o Governo decidido desde o primeiro momento que haveria uma coima pelas viagens em transportes públicos sem máscaras ou viseira”, salientou.”

O que se pode questionar é se utilização de máscaras pela maioria dos utentes é suficiente em situações de autêntico aperto nas carruagens ou autocarros para afastar quaisquer riscos de infeção.

E mais à frente relata o mesmo jornal:

“Penso que estes dois aspectos sublinham intensamente o ponto para o qual estava a chamar atenção e para aquilo que era sobretudo a substância da minha chamada de atenção. Estamos a enfrentar um fenómeno novo relativamente ao qual temos muitas incertezas e, em muitas circunstâncias, lapsos de conhecimento. Esta questão dos contágios em transportes é uma delas. Embora da nossa vida empírica percebamos que há um conjunto de circunstâncias para que sejam locais particularmente expostos. Mas se não tivermos estes dois argumentos em paralelo, penso que não estamos a prestar bom serviço ao conhecimento e à objectividade”, reforçou Marta Temido.”

A minha opinião é que estará a ser pressionada no Governo para fazer passar para a opinião pública uma falsa realidade. Aliás, o que também se tem verificado é que os números de infetados que são divulgados faltam num dia e no dia seguinte estão a mais e também a culpa deste caos é a de terceiros que informam mal as entidades de saúde que nos divulgam, a DGS.

Por outro lado, a mensagem que por vezes passam é a de que a medida da gravidade da situação está em saber apenas se há ou não número de camas suficientes no SNS para que este não fique superlotado e sem resposta, quanto ao resto deixa andar.

O caso do Reino Unido que nos coloca numa lista negra de países não seguros para os ingleses viajarem sem que no regresso não tenham de ficar de quarentena deve servir como sinal para enfrentar e superar o problema que o governo concorreu para o originar e para pedagogicamente reforçar a nossa determinação no combate. Os critérios para qualquer avaliação de avaliação devem ser iguais quando se comparam várias entidades e os números de novos casos de infeção pelo novo coronavírus por cada 100 mil habitantes tem sido o critério. Pode-se discutir se esse deveria ser o único ou o melhor critério. Mas, seja qual for a resposta, é o que está a servir de base às análises de todos os países que discutem a reabertura das suas fronteiras.

Com base neste critério Portugal é o segundo pior registo da Europa, com quase o dobro de novos casos em 14 dias contados até esta sexta-feira face aos registados no Reino Unido e para os quais a RLVT tem vindo a contribuir.

Gestos e palavras como as que se têm ouvido não vão nesse sentido. A perceção que os portugueses têm é que tudo quanto agora possam dizer sobre o covid-19 com todos os dias nos afrontam é que cabe na categoria das manobras de diversão.

Só esperamos é que as estratégias de Bolsonaro não sejam inspiradoras para o Governo de Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:50

Coronavirus_jovens.png

Depois do choque inicial causado pelo coronavírus e vendo o que se estaria a passar noutros países fecharam-se em casa, isto é, confinaram não fosse o diabo tecê-las e de seguida “fecharam-se em copas” sobre a escrita que eventualmente fosse contra as decisões e precauções vindas da DGS e do Governo. Centraram-se a perorar sobre o coronavírus para aqui, coronavírus para ali e mais o que se deveria e não deveria fazer-se, tudo no bom recato da segurança caseira, um sem fim…

Terminado e aliviado o confinamento, pé ante pé, lá fomos todos abrindo mão das necessárias cautelas. A maior parte dos que tinham ido trabalhar por necessidade ou imperativo, assim continuaram após o confinamento e no estado de calamidade deslocando-se como de costume apesar dos perigos que sabiam existir. De regresso a casa talvez se juntassem aqui e ali para beber um copo. Há quem assim não fizesse nomeadamente os jovens, e não apenas eles, que organizaram festas e encontros como os de Lagos e Carcavelos. São os irresponsáveis que potencialmente alimentam o vírus predador que os devorará a eles e a outros e que pensam que só pode acontecer aos outros.

Depois da abertura parcial das portas e já refeitos, em parte, do susto que apanharam dedicam-se agora a elaborar pensamentos altamente que façam soar as campainhas do afinal estava tudo mal o que se fez. Tudo deveria continuar como dantes e apontam exemplos como o da Suécia. E tudo deveria ter continuado sem paragens em nome de “um bem maior”, dizem. Ora penso que o bem maior do que a vida e a saúde da população e de quem trabalha não é o bem maior a que esses se referem mas sim às grandes empresas e ao capital que se reclama defensor da economia, mas que se algum trabalhador adoecer, seja pela Covid-19 é logo dispensado ou melhor, despedido. Assim aconteceu com o caso de um jovem gestor de marketing que foi um dos primeiros infetados do país que foi demitido, relatado no Expresso do último sábado.

Mas voltemos aos jovens que pensam que nada lhes acontece. Pois claro! Para eles já tudo passou já se pode andar à molhada no meio da rua e promover encontros de dezenas ou centenas. Dizem: não se vê ninguém doente, nem na praia, nem no bairro e os amigos não estão infetados, como eles tivessem visão de raios X quais super-homens E vai daí, há um telemóvel que passa de mão em mão, há um copo que se passa a outro para dar um golinho de cerveja porque a dele já acabou, passa aí um cigarro que eu já não tenho tabaco, e todos petiscam metendo a mão no pacote de batatas fritas que está na mão do outro. Não há risco, pois não, são todos saudáveis. E, senão quando, passado algum tempo, lá vão uns tantos ao hospital à rasquinha, sabem lá eles com o quê!

Dos que chegam ao hospital alguns não foram contaminados em grandes festas e julgam que a doença só é transmitida por quem tem sintomas. Erradíssimo! Essas informações beberam-nas eles nos “bafons” e nas traseiras das redes sociais.

Hoje no jornal Público saiu um artigo com o “Os jovens não se estão nas tintas para os outros, mas apenas fartos” e que começa assim:

“Os jovens que estão a fazer aumentar os casos de contágio porque se reúnem em festas ilegais e aos magotes nas praias e espaços públicos são os mesmos que, em Março e Abril, cumpriram zelosamente o confinamento, completaram a escolaridade à distância e até se prontificaram a ajudar os mais velhos nas compras. “Não são pessoas que se estejam nas tintas para os outros e para o país”, lembra a psicóloga Margarida Gaspar de Matos. Mas, agora que o desgaste lhes pesa, as aulas acabaram e vêem as praias e os festivais de verão escapar-se-lhes entre os dedos, mantê-los distantes socialmente, exige uma campanha feita à medida.

Não senhor, não são os mesmos jovens a que a psicóloga se refere ao fazer suposições sem dados empíricos sustentáveis para o comprovar está a cair em perigosas generalizações e, como sempre, as generalizações confundem as pessoas. Esses a que a senhora psicóloga se refere pertencem a uma outra classe, a dos responsáveis. Os outros os que estão fartos e só pensam em concertos são os provocadores, os da irresponsabilidade. Estarem fartos, é sinónimo de pôr em risco a saúde pública por negligência o que pode ser considerado crime.

Ignoram que até sábado segundo a DGS mais de 5500 infetados tinham até 30 anos, quase 2000 a mais do que no mês passado. Estes são os jovens que organizam jantares em casa e que acham que por ser em casa não há perigo, são os que no trabalho usam máscara e desinfetam as mãos, mas à noite reúnem-se em grupo sem proteção, são os que foram visitar amigos que estavam infetados e não se protegeram. Parecem que não lhes cabe responsabilidade. Ostentam a irresponsabilidade na prática diária desconhecendo que, segundo profissionais de saúde, muitos dos doentes mais velhos que passam pelos cuidados intensivos saem de lá mais rapidamente do que os mais jovens.

Para finalizar transcrevo parte de um caso relatado no jornal Expresso do dia 20 de junho que pode ser elucidativo para perigos que qualquer um pode correr.

“A recuperar em casa, onde vive com os pais, conta pelo telefone que enfrentar a doença não foi fácil, mesmo para quem praticava regularmente kickboxing e muaythai. “Sempre fui saudável e só quem passa por isto sabe o quanto é mau.” Luís nega qualquer comportamento de risco. Diz que ficava em casa e “só saía à noite para correr e fazer exercício, sempre sozinho”. Mas, então, como se terá infetado? “Talvez porque ao correr e exercitar-me, suava muito e punha a mão na cara, mesmo que antes tivesse colocado as mãos no chão para fazer flexões.” Pois, talvez. Mas não saía mesmo nunca? “Às vezes, à noite, ia às bombas de gasolina tomar café, mas ficava pouco tempo.” Pois, talvez.

Que fique o alerta os jovens, mas também os dos  grupos dos 30 aos 59 anos sem preocupação poderão ser os grandes causadores do agravamento da epidemia pondo em risco a sua vida e a de muitos outros para os quais foram cadeias de transmissão.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Despreocupação, desvairo ou deslumbre?

por Manuel_AR, em 23.06.20

Coronavirus_Lisboa.png

À custa disso estamos a abrir demasiado as “portas” e o perigo é estarmos a traçar o caminho para que Portugal venha a ser considerado um Corredor do Covid-19.

Portugal pode ser excluído da lista de países considerados seguros pelo Reino Unido. Segundo o The Times, a lista inclui países como França, Espanha, Grécia, Itália e Turquia, mas Portugal é objeto de um “debate intenso” devido ao recente surto no Algarve.

O que se tem vindo a passar na RLVT - Região de Lisboa e Vale do Tejo após o alívio do confinamento especialmente no concelho de Lisboa tem colocado em causa as medidas que foram tomadas inicialmente no ataque à Covid-19 e cujo poder, através do primeiro-ministro António Costa, tanto elogiou o povo português pelo seu comportamento durante o confinamento.

Como a economia não pode parar durante tanto tempo, e bem, após ter terminado o confinamento parece ter-se entrado numa desbunda a que chamam as medidas para entrada numa nova realidade em que as medidas tomadas são plenas de contradições.

Ontem no Jornal da Oito da TVI foi entrevistado o presidente da Câmara de Lisboa Fernando Medina sobre as diversas questões relacionadas com o aumento de infetados pelo Covid-19 na Região de Lisboa e Vale do Tejo e no concelho de Lisboa. Medina teve um desempenho inseguro e pouco convincente nos seus argumentos sobre o controle da epidemia e sobre a vinda da “Champions League”. Sobre este último o argumento de Medina foi o de Portugal e Lisboa passarem a ser conhecidos no estrangeiro. Resta-lhe perguntar à custa de quê?

Foi ainda infeliz ao comentar o pedido de cerca para Lisboa dizendo que “Salvador Malheiro estava com saudades de ir à televisão”. Salvador Malheiro até pode ter exagerado, mas o argumento de Medina foi fraco. O líder do PSD, Rui Rio, veio criticar as palavras do presidente da Câmara de Lisboa. Em causa está o desafio lançado pelo autarca de Ovar, que defendeu a criação de uma cerca sanitária na Área Metropolitana de Lisboa para conter a propagação do vírus.

A realização da final da Champions League em Lisboa, onde nos últimos tempos surgiram vários surtos de  Covid-19, está a causar polémica. No entender do primeiro-ministro, Portugal foi o escolhido entre outros para a realização do evento por ser seguro. Eu tenho outra leitura, Portugal foi escolhido porque outros países o terão rejeitado e porque Portugal abrindo as portas sem controlo e a quem quiser entrar e sem quaisquer medidas de segurança à entrada seria fácil calcular que Portugal iria receber o evento de braços abertos.

António Costa acrescentou que o evento "é também um prémio merecido aos profissionais de saúde", que demonstraram que Portugal tem um Serviço Nacional de Saúde (SNS) "robusto para responder a qualquer eventualidade". Esta frase caiu como uma afronta em alguns profissionais de saúde.

Todos sabemos, pelo menos os mais conscientes do problema que não estão em causa liberdades democráticas como muitos e muitas comentadoras a que se associam comentadores de traseira nas redes sociais nos querem fazer acreditar. O problema real está na economia e concretamente no turismo que se esvaiu. À custa disso estamos a abrir demasiado as “portas” e o perigo é estarmos a traçar o caminho para que Portugal venha a ser considerado um Corredor do Covid-19. Será possível que apenas a freguesia de Santa Clara seja a única que fica em situação de calamidade por ser limítrofe de outras fora do concelho de Lisboa? Será garantido que não haja freguesia no centro de Lisboa que não representem situações de risco até devido a agrupamentos de imigrantes ou refugiados que habitam em grupos que estão sem controle sanitário?

A quantidade de novos casos na região de Lisboa e Vale do Tejo, que há várias semanas é o "motor" da pandemia no país, preocupa as autoridades. A anunciada reunião de ontem da ministra da Saúde, Marta Temido, com António Costa, autarcas e com o presidente da Área Metropolitana de Lisboa foi mais um paliativo para mitigar a crise do aumento dos contágios nos concelhos da Região de Lisboa e Vale do Tejo.

Para ajudarem a desdramatizar e a tornear a questão os noticiários televisivos centram-se, mais uma vez, nos lares de idosos como se o real problema da expansão da pandemia estivesse aí. A pedagogia deve ser dirigida aos potenciais transmissores que são os dos grupos etários mais jovens como se mostra no gráfico seguinte.

Coronavirus_Gráfico grupo etário.png

O que se verifica é que a taxa de 4% de letalidade global por Covid-19 e de 17% acima dos 70 anos como afirmou a ministra da Saúde em conferência de imprensa. Está bem e então!? O que acontece é que são eles, os mais jovens, quem contagia os mais velhos e de outras idades mais novas com quem contactam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Twitter