Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Campanha eleitoral e Debates. COMENTÁRIO e OPINIÃO - Sociedade, Comunicação e Política

O que outros pensam e comentam sobre a sociedade, política, economia, educação. Comunicações e opiniões pessoais sobre o dia a dia da política e da sociedade.

Movimento grevista e rampa de lançamento

greve motoristas.png

Para Pardal Henriques este movimento grevista pode servir de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.

Em Londres no bulício estonteante da Oxford Street, avenida das marcas mais conhecidas, o movimento era tal que entupia os largos espaços dos passeios assim como na  Euston Road que nos conduz até ao Regent´s Park. Depois da Regente Street Picaddilly e Leicester Square abafadas por gentes de todas as nações, regressei a Lisboa no avião da TAP que chegou com uma hora de atraso logo à partida.

Os nossos canais de televisão nas horas noticiosas informavam ou desinformavam do mesmo de quando parti, numa espécie de frenesi sem fim sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas dando visibilidade ao "senhor da greve" com o seu ar sombrio que, não sei porquê, associo aos homens que trabalhavam para a polícia política do passado.

O CDS, pela voz de Pedro Mota Soares, manifestava o seu apoio aos serviços mínimos mesmo que devem se mesmo para cumprir, e mostrava-se disponível para "propor uma alteração à lei dos serviços mínimos". Mota Soares falou aos jornalistas e defendeu a necessidade de fazer cumprir os serviços mínimos em prol da "normalidade" do país. Acrescentou ainda que não é possível vermos um sindicato de 600 ou 700 pessoas a bloquearem o país.

Finalmente o CDS começa a colocar o interesse do país acima dos interesses partidários e eleitoralistas. O PSD fez um comunicado com alguma ambiguidade, no qual, se coloca, por algumas palavras quase ao lado do líder grevista. Vejam-se as ambiguidades:

Se por um lado para o PSD se mostra contra “a perspetiva de uma greve por tempo indeterminado, que afetará a vida dos Portugueses e o funcionamento da economia com consequências graves para todos, merece da nossa parte as maiores reservas…”  e que “Já não são só os interesses das partes envolvidas que poderão ser afetados. São os interesses do País e dos Portugueses que estão seriamente ameaçados.” Secundando “a iniciativa do Governo em mediar o conflito e em garantir o funcionamento dos serviços indispensáveis” por lado “estranha a forma excessiva como se tem exposto perante a opinião pública no anúncio de medidas coercivas e de salvaguarda do funcionamento daqueles serviços.”

O PSD diz que está contra “exercícios desproporcionados de autoridade” na greve dos motoristas antes das eleições. O que faria o PSD se estivesse no Governo? Que medidas tomaria? Cederia a pressões manifestamente de cariz político e talvez até partidário? Deixaria o país entrar no caos para apoiar as chantagens de Pardal Henriques? Daqui surgem as minhas dúvidas.

Quanto a esta greve, radicais de esquerda e radicais do oportunismo populista sem ideologia estão de acordo. Uns como Marinho e Pinto dizem que «Esta greve é de saudar porque é uma greve genuína» outros como Joana Amaral Dias dizem: «Greve que não incomoda, não é greve!» É certo, mas não se trata de incomodar, trata-se de paralisar todo um país a todo o nível!

Está na cara que, como tem sido divulgado por alguns órgãos de comunicação, nomeadamente o Diário de Notícias, “o Partido Democrático Republicano, fundado (em 2014), liderado pelo advogado Marinho e Pinto, conquistou uma estrela mediática para cabeça-de-lista do partido às eleições legislativas pelo círculo de Lisboa: Pedro Pardal Henriques, o (também) advogado vice-presidente e porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). Segundo o DN soube, Marinho e Pinto deverá também ser cabeça-de-lista - mas pelo círculo do Porto, mas confrontado pelo DN, Marinho e Pinto recusou desmentir ou confirmar a notícia: "Não lhe posso dizer quem será ou não candidato. As listas ainda não estão definidas".

Estamos a ver que Pardal Henriques estará a preparar-se para obter vantagens pessoais preparando-se para a intervenção na política nacional utilizando o sindicato e os trabalhadores como forma propagandística de modo a obter visibilidade para futuros projetos e voos pessoais.

Para Marinho Pinto, se vier a concretizar-se a participação de Pardal Henriques nas listas do PDR, parece ser uma boa estratégia de marketing para o seu partido à custa da manipulação de trabalhadores dum setor essencial que merecem uma remuneração adequada à função que desempenham que é de louvar e apreciar e não merecem o que lhes estão a fazer iludindo-os com o acesso ao sol e à lua.

Para Pardal Henriques este movimento grevista serve de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.