Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Capítulo I - Sem título

por Manuel AR, em 31.12.19

Conto de ano novo_1.png

Para o fim do ano abrandemos com a política com um conto de uma autora brasileira, Renata Shermann, que tomei a liberdade de transcrever para o português de Portugal. Descontraiam e divirtam-se com o conto se for caso disso, e tenham uma boa passagem para 2020 e que seja um ANO NOVO MUITO FELIZ e PRÓSPERO.

Conto de ano novo_2.png

Lara apagou do seu email o convite para a festa de sexta. Sentiu um frio na barriga, como se estivesse fazendo algo errado, mas não estava. Sabia que não estava. Tirou o pedaço de papel do bolso como se fosse um amuleto e o analisou como se nunca o tivesse visto antes:

No ano seguinte tudo iria mudar. Ela precisava que mudasse. Ela iria assegurar que mudasse. Afinal, ela tinha um plano! Retirou outra lista do bolso: o plano. Faltava muito para preparar, mas ela ia conseguir. Ela estava certa de não ir à festa.

O primeiro item da lista: Passar o réveillon num lugar mágico.

Tinha que ser numa praia, vários items da sua lista exigiam a presença do mar. Pegou no telefone para fazer um reserva e viu que tinha novas  mensagens no Whatsapp.

Fechada casa na serra!

Já comprei cerveja

Lara, não acredito que tu não vais!

Não respondeu. Precisava de achar um lugar mágico na praia. Ligou para alguns hotéis e descobriu o pacote de fim de ano, estava bem mais caro  do que tinha planeado. Ah, que se lixe! É por uma boa causa! Tirou algum dinheiro da sua singela poupança e fez a reserva.

Primeiro item? Check!

15 dias antes do 31 de dezembro 10 dias antes de viajar, passou a hora do almoço atrás de uma cuequinha multicolorida: vermelho para paixão, rosa para amor, amarelo para dinheiro, azul para saúde, verde para alegria e branco para paz. Ela queria tudo. Procurou por várias lojas, não encontrou, chegou atrasada ao trabalho. Durante a tarde pesquisou na net a tal cuequinha revolucionária mas acabou por imprimir um molde de corte e costura de lingerie. Saiu mais cedo para comprar tecido.

Segundo item? Quase check.

No dia D-14, foi atrás de uma roupa branca. Queria uma que emagrecesse, fosse sexy, não aparentasse que ela se tinha esforçado muito, fosse chique, mas com ar de praia. A hora do almoço não foi suficiente, ligou para o escritório dizendo que não estava a sentir-se bem. Faltavam 13 dias. Foi a uma costureira amiga da sua mãe e implorou que ela copiasse um vestido que ela tinha comprado em azul - não tinha branco, mas era lindo!!! - em branco. Não dava. Muito em cima da hora.

As suas costureiras assistentes iam ter de fazer horas extras. Sem problemas, ela pagava. Vestido azul + tecido + costureira tinham saído o triplo do que esperava gastar. Mas, era importante....

No dia seguinte, comprou um livro online sobre mitos e lendas do candomblé. Se ela ia dar um presente para Iemanjá, teria de ser “O presente”. Passou o dia fingindo-se compenetrada enquanto lia sobre a rainha do mar. Comprou todos os presentes que ela gostava: colares imita -o de pérolas, brincos prateados, pulseiras em forma de argola prateadas, pentes, escovas para cabelo, perfumes feminino e talco. As [ores compraria lá. Mais um item da lista concluído...

- Lara? Você fez o relatório que eu lhe pedi?

Não tinha feito. Prometeu entregá-lo no dia seguinte.

Agora só faltavam onze dias... Fez o relatório distraída com a receita de um pão de ano novo que se come na Grécia. Dá sorte. E deve ficar ótimo com lentilhas... Não era difícil encontrar os ingredientes! Enviou o relatório a seguir ao almoço e foi atrás da farinha, fermento e sementes.

D-10 era um sábado. Passou o dia a tentar costurar a cuequinha esotérica, perdeu todo o tecido, foi comprar mais, a conta estava negativa, tirou mais dinheiro da poupança, aproveitou e comprou brincos novos para a passagem de ano, fez a prova do vestido - em azul era mais bonito - e depois de mais 4 tentativas a cuequinha ficou pronta. Parou para descansar, olhou para o relógio, 1 da manhã! Tinha perdido a festa da empresa...

O dia seguinte foi dia de cozinhar o pão, comprar champagne - não queria espumante - e de fazer a faxina de fim de ano para receber as boas energias de ano novo.

Faltavam 4 dias para viajar. Nove para o final do ano. Com os preparativos Lara mal tinha dormido no fim de semana. Chegou ao trabalho cansada, ligou o computador, começou a procurar receitas de lentilha e lojas de fogos de artifício quando seu chefe a chamou ao seu gabinete: o relatório estava todo errado. Ouviu uma hora de repreensão sobre responsabilidade, sobre perda de confiança, sobre já não ter a certeza de ser ela era a pessoa certa para o cargo. O seu chefe sairia de férias naquele dia mas ficaria à espera do novo relatório no seu computador.

Lara voltou arrasada para a mesa, ligou o Facebook e viu uma fotografia de Marcos com as malas no carro partindo para a viagem de fim de ano na montanha onde ela não iria. Pensou em como sempre quis passar o fim de ano com Marcos. E isso deu-lhe mais ânimo para seguir o seu plano.

Lentilhas! Escolheu a receita. Fogos de artifício: já sabia onde e qual comprar.

D-7. Como o chefe não estava, Lara não foi trabalhar de manhã para preparar as lentilhas que levaria num tupperware para a praia. À tarde, ligou o computador, abriu o relatório, mas antes deu uma olhadela pelo Instagram: uma fotografia de Marcos, Sónia e Lia a tirar as compras na casa da montanha. Na foto tinha um saco de romãs. Como ela se tinha esquecido das romãs? Olhou para o computador... Ela podia fazer o relatório no dia seguinte.

Romãs? Check! D-6. No trabalho as pessoas despediam-se conforme iam saindo para férias, de retiro, de fugidinha do trabalho. Lara cumprimentava todo mundo e perguntava o que iriam fazer no fim do ano para dar sorte. "Comer 12 passas!" Ela tinha-se esquecido. Acrescentou à lista. "Entrar com o pé direito." Claro... "Colocar moedas no bolso". Ela não tinha bolso.... Saiu a correr, pegou no vestido e pediu para a tia lhe colocar um bolso. "não vai ficar bom..." Não importava.

D-5. Lara nem foi ao escritório. Arrumou as malas, comprou velas, passas, separou moedas, colocou uma panela na mala, embalou bem o champagne, as lentilhas e o pão grego, separou o seu papel de metas e o seu papel com o plano.

D-4. Passou o dia no aeroporto, o voo atrasou, viajou de noite.

D-3. Passou a madrugada em outro aeroporto. Apanhou um táxi, um autocarro, um barco, uma carrinha, chegou ao seu hotel paradisíaco. Faltavam dois dias para o réveillon. Olhou a praia, o seu lugar mágico, pensou em tomar sol, em dar um mergulho, em conhecer o lugar. Mas, ainda precisava fazer o relatório. Ligou o computador. A sua mãe chamou-a pelo Skype. Estava fula da vida porque ela tinha ido viajar sem se despedir. Então chamou o seu pai, uns tios que estavam de passagem, a vizinha que era quase da família. Já era noite. No Facebook, os seus amigos apareciam fazendo churrasco em volta da piscina, Marcos estava abraçado à Sónia. Lara pensou que no próximo ano seria ela.

Levantou-se para rever a lista.

Dia 30. Ligou o computador para escrever o relatório. Marcos estava a beijar a Sónia numa foto no Facebook. Escreveu algumas linhas com ódio. Marcos mudou o status do Facebook: em um relacionamento com Sónia. Fechou o computador com raiva. Saiu do quarto. Foi procurar alguém para fazer uma fogueira no dia seguinte e percorreu a praia em busca do local ideal para a sua noite mágica.

O dia D chegou! Dia 31. O último dia do ano. O dia que mudaria a vida de Lara. E ela estava exausta. E ainda havia tanto para fazer.

Foi comprar flores de Iemanjá, arrumou o barquinho, foi com o homem que ela contratou arrumar a fogueira, discutiu com o gerente do hotel: ali não poderia fazer fogueira. Procurou outro lugar mágico, não era tão bom, mas servia, deu uma gorjeta ao gerente para lhe arranjar taças de champagne - taças? para quantos? - para um. Só para ela. Pediu também para aquecer as lentilhas e o pão grego que já estava meio duro. Faltavam duas horas. Estava saindo para a praia com a mala cheia quando se lembrou das viagens: precisava dar a volta no quarteirão com uma mala vazia. Não havia quarteirão. A mala estava cheia.

Esvaziou tudo, deu um volta correndo no hotel enquanto outros hóspedes se reuniam em volta da piscina, encheu de novo e partiu carregando a mala pesada pela areia com o seu vestido novo, cuequinha colorida e uns brincos velhos porque se tinha esquecido dos que tinha comprado. Organizou o seu canto mágico: fogueira, velas, presente de Iemanjá, passas, romãs, panela, champagne, taça, fogo de artifício. Agora era esperar até... Não tinha relógio.

Tinha deixado o telemóvel no quarto para não ver mais a cara de Marcos. Ao sinal do primeiro fogo de artifício, foi pulando com o pé direito até ao mar comendo as passas, pulou sete ondas comendo romãs, voltou correndo, acendeu o fogo de artifício, comeu uma garfada de lentilhas, mordeu o pão duro, estourou a champagne, gritou Feliz Ano Novo, bateu na panela, colocou o papel com as suas metas no barco para Iemanjá, voltou a correr para o mar, colocou o barco, fez uma oração, voltou para…

Tinha areia nas lentilhas e o champagne tinha caído no chão. Ela estava exausta. Foi dormir. Dormiu durante todo o dia primeiro e noite pegou o avião. Estava morrendo de fome, pediu dois Big Macs, viu mais uma vez a foto de Marcos e de Sónia na piscina, chegou a casa, tentou apanhar um táxi para o trabalho, mas o telemóvel informou que não tinha saldo no cartão, encontrou o seu chefe, ela não tinha feito o relatório.

Moral da história:

Daqui a um ano irá desejar ter começado hoje ou,

Não aposte tudo em superstições...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

Intervalando

Esta é uma época de pausa, a política abranda e entra numa espécie de sauna relaxante. O humor també

por Manuel AR, em 24.12.19

PausaNatal.png

Esta é uma época de pausa, a política abranda e entra numa espécie de sauna relaxante. O humor também faz parte da política. Assim, aqui vai um conto de um grande escritor brasileiro do século passado, Machado de Assis. Com ele descobrimos que o tempo passa, o mundo transforma-se..., mas as pessoas continuam essencialmente as mesmas − com os sentimentos, as emoções e as atitudes que são, ontem como hoje, próprias do ser humano. Este conto, do meu ponto de vista pode ter, segundo cada um uma interpretação polissémica.

O prefácio do livro diz que, por maiores que sejam os avanços da informática e os recursos das telecomunicações, o livro jamais perderá sua importância, como uma das maiores e mais extraordinárias invenções do homem. Nele, resume-se toda a trajetória da espécie humana, dos povos da antiguidade ao mundo contemporâneo, das grandes navegações à era espacial. Se os computadores tornam mais fácil a pesquisa e mais rápida a aquisição do conhecimento, nada substitui o prazer de ler um livro, de folhear suas páginas, de “curtir” a beleza da capa, de sentir, até, o cheiro da tinta e a textura do papel.

O conto é um apólogo, género alegórico que consiste numa narrativa que ilustra uma lição de sabedoria, utilizando personagens de índole diversa, reais ou fantásticas, animadas ou inanimadas.


Um apólogo

Conto linha e agulha.png

 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

– Por que é que você está com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma coisa neste mundo?

– Deixe-me, senhora.

– Que a deixe? Que a deixe, porquê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.

– Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha.

Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros.

– Mas você é orgulhosa.

– Decerto que sou.

– Mas porquê?

– É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu?

– Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu, e muito eu?

– Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados...

– Sim, mas do que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por si , que vem atrás, obedecendo ao que eu faço e mando...

– Também os batedores vão adiante do imperador.

– Você imperador?

– Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só a mostrar o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto...

Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa.

Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana – para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:

– Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco?

Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima.

A linha não respondia nada; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte; continuou ainda nesse e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.

Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho. para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava a um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando6, a linha, para mofar da agulha, perguntou-lhe:

– Ora, agora, diga-me quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas?

Vamos, diga lá.

Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha:

– Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém.

Onde me espetam, fico.

Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça: – Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:39

FELIZ NATAL E BOM ANO NOVO

por Manuel AR, em 24.12.19

Feliz Natal.png

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:06

Do socialismo gastador à direita salvadora e regeneradora

Orçamento de Estado e intervenção externa

por Manuel AR, em 18.12.19

Orçamento de Estado 2020.png

Portugal já foi intervencionado três vezes pelo Fundo Monetário Internacional. A primeira foi em 1977, seguiu-se 1983 e por fim 2011. Portugal e os portugueses não querem que isso volte a acontecer. Todavia, parece haver interessados sobretudo da direita que fiquemos novamente com a corda na garganta. Excluo destes os bem-intencionados que, felizmente, ainda os há, embora sejam cada vez menos.

Desde a tomada de posse do Governo na anterior legislatura que comentários nas redes sociais defendiam que o Governo, por ser socialista, iria conduzir o país para nova intervenção. Era a estratégia do medo já conhecida.

Nas últimas semanas começaram a circular na comunicação social certas notícias que avançavam existir uma contenda não bem explícita entre António Costa e Mário Centeno com o apadrinhamento de alguns ministros. O último aproveitamento foi o empolamento das posições sobre pontos de vista diferentes nas estratégias seguida entre Costa e Centeno durante o Conselho Europeu. Até esse demagogo Paulo Portas no programa que lhe deram aos domingos na TVI teceu considerações éticas por causa das posições divergentes entre ambos, insinuando que estavam em causa os interesses do país? Conhecemos bem os comportamentos e atitude democrática de quem se afastou da política ativa, mas que fala de política, (ou será uma estratégia para preparar cargos que se avizinham?).

Há uma diferença: uma coisa é a imparcialidade que deve ter um cargo de presidente do Eurogrupo, outra é a de um Chefe de Estado que deve defender os interesses do país que governa. A democracia não é uma visão monolítica das questões o debate e os confrontos são evidentes. O problema de quem preside ao Eurogrupo e ao mesmo tempo ocupam pastas no governo dos seus países é de terem de representar dois papéis. É como ser uma espécie de Dr. Jekyll e do Sr. Hyde.

Não conheço o que de facto se passa entre Costa e Centeno a não ser o que se diz na comunicação social, (o que se diz nas redes sociais está fora de causa se não for sustentado por factos considerados como validades e com fontes credíveis e não apenas em opiniões), mas há interesse para a direita em alimentar este tipo de confrontos. Porque como alerta o diretor do Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade, Pedro Braz Teixeira, “a eventual alteração do ministro das Finanças durante a atual legislatura pode traduzir-se em “alterações significativas na condução da política orçamental”. “Uma alteração do ministro das Finanças pode significar alterações significativas na condução da política orçamental, tanto mais que tem havido uma cativação fortíssima das despesas” que o próximo ministro pode não conseguir manter.”.

Mário Centeno é um alvo a abater pelo menos por um motivo, a sua intransigência no que respeita ao acerto e excedente das contas públicas. É aqui que retomo a questão das intervenções externas.

Segundo especialistas, a consolidação orçamental, para a qual este orçamento parece apontar, é um conceito material que identifica o resultado das medidas de política financeira destinadas a reduzir o défice e a dívida e tem o seu antecedente imediato no equilíbrio orçamental e surge nos últimos trinta anos perante a proposta de recusar a criação de mais dívida pública.

Não é novidade que as esquerdas radicais pretendem aumentar cada vez mais a despesa pública sobretudo em aumentos e benefícios salariais para toda a função pública. Como não foram abertos os cordões á bolsa, daí a probabilidade de haver descontentamento à esquerda e à direita esta por motivo diferente e por mera oposição ao Governo, embora não se tenham pronunciado claramente. Para já a direita PSD “adiantou uma primeira opinião negativa sobre o documento”, “ainda que preliminar e à espera de uma avaliação mais cuidada” e "traduz claramente uma diferença absoluta" disse um porta voz do PSD, pelo que parece estar em desconformidade com o seu ponto de vista.

As opiniões da direita, consoante está ou não no poder, tem pontos de vista diferentes principalmente porque, durante anos, censurou o despesismo e a vocação dos governos socialistas por darem sinais de se poder viver acima das possibilidades.  

Quanto à esquerda mais radical tem motivos e legitimidade para contestar o primeiro superavit histórico da democracia. Se, em vez de se abrandar o esforço de consolidação orçamental, fosse transformado em despesa pública o BE e o PCP estariam em grande e aprovariam o orçamento e os sindicatos e corporações que gravitam à sua volta exultavam de alegria.    

Havendo contas certas e excedentes há que, segundo as centrais sindicais, começar a pressionar para se gastar apenas num sentido como têm demonstrado as ameaças públicas de luta que, os trabalhadores da função pública irão decidir, sejam manifestações, greves ou outras formas de luta.

Sindicatos, e também “ordens”, associam-se a lutas reivindicativas, até então geridas apenas pelos primeiros, são manobrados por líderes de esquerda e de direita, abrem e conduzem ao caminho que leva ao despesismo do Estado e consequente posterior aumento dos impostos que todos pagamos. Sendo grande parte reivindicada para salários o que resta para investimento público em setores mais carenciados como as polícias, a saúde e educação entre outros?

Se tudo o que se conseguiu nos últimos quatro anos derrocar teremos uma certa direita”, na retaguarda com timbre de hiena a rir com o significado social do grupo e a estabelecer entre si direitos ao “alimento”.

Permito-me fazer juízos de intenção e dizer é imaginável que a direita, hipocritamente, diga aos quatro ventos baixar impostos ao mesmo tempo que diz poder fazer mais investimento público e aumentos salariais como justeza reivindicativa, dizendo que não deseja instabilidade social, mas que afinal anseiam por ela. Lembremo-nos dos professores e da aliança negativa. Governo que cedesse às reivindicações e provocasse desvios orçamentais significativos seria a forma para fazer soar as vuvuzelas do socialismo gastador e da direita salvadora e regeneradora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19

O cão de Boris Johnson

por Manuel AR, em 15.12.19

O cão de Boris Johnson

PÚBLICO -

Foto: DYLAN MARTINEZ/REUTERS

(Vicente Jorge Silva, in Público, 15/12/2019)

Se política e comédia coexistem muitas vezes estreitamente, quando entram em choque frontal o resultado pode ser simplesmente catastrófico.

Eis, assim, uma hipótese de resumir os motivos que levaram os britânicos – com excepção dos escoceses e dos irlandeses – a contrariar uma convicção que se instalara através de múltiplas sondagens ao longo dos últimos três anos: a de que uma maioria dos súbditos de Sua Majestade seria, afinal, contra o “Brexit" e a favor do “Remain”. Ora, mesmo que essas sondagens reflectissem a realidade, a duração infindável de uma crise política centrada exclusiva e obsessivamente no “Brexit" tornou-se literalmente insuportável. Era preciso sair do pesadelo – e só Boris, com a ajuda providencial de Corbyn, o pior candidato trabalhista imaginável, poderia proporcioná-lo através de um dos seus golpes irresistíveis de comediante.

Apesar das possíveis semelhanças e familiaridade com outros políticos populistas – como Trump, Bolsonaro ou Órban –, o registo de Boris é outro: pode não ter vergonha de mentir descaradamente ou dizer enormidades ridículas, mas dificilmente o poderemos associar aos discursos do ódio e outras barbaridades mais ou menos extremistas que caracterizam essas personagens. Não por acaso, apesar das cumplicidades que partilham, Boris temeu durante a campanha eleitoral aparecer em público ao lado de Trump (como este desejaria).

Mas eis que chegou o momento da verdade, em que a arte da comédia se arrisca a contar pouco. Ou seja, como irá Boris descalçar a bota do “Brexit”, cuja história, afinal, está ainda muito longe de ter acabado, ou como conseguirá gerir as pulsões nacionalistas de escoceses e irlandeses? Aí começa outro capítulo deste folhetim que culminou, no capítulo anterior, na tal imagem enternecedora do cão de Boris, Dilyn, a ser beijado pelo dono. Se política e comédia coexistem muitas vezes estreitamente, quando entram em choque frontal o resultado pode ser simplesmente catastrófico.

PS – Outro género cómico está a ser cultivado por António Costa e Mário Centeno a propósito do seu diferendo sobre o orçamento europeu. Costa acha normalíssimo andar de candeias às avessas com o seu silencioso ministro das Finanças, como se não se encontrassem ambos, pelo menos, nos conselhos de ministros, e essa insustentável discordância que os opõe não causasse grande estranheza entre os nossos parceiros europeus. Além disso, acontece que nem Costa nem Centeno têm talento de comediantes…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:13

Greta Thunberg_3.jpg

Estar contra alguma coisa é estar contrário a, expressa fundamentalmente oposição, direção contrária. Quando se fazem greves para aumento dos salários não se está a fazer greve contra o trabalho, mas contra a empresa que paga salários baixos, daí o prejuízo causado pela greve afetar diretamente, e num primeiro momento, as empresas.

Podemos estar contra as alterações climáticas, mas fazer-lhe oposição enquanto tal não podemos, elas são uma consequência, um facto, tendem a continuar a um ritmo tendencialmente catastrófico se nada for feito contra as suas causas e, sobretudo, contra os seus causadores. Não podemos culpabilizar o clima por estar a ser alterado. Fazer greves contra as alterações climáticas, manifestações contra as alterações do clima em abstrato parece-me ser contrário à razão.  Como já afirmei não são elas as culpadas, elas são a consequência e não a causa, como é óbvio, devemos é estar contra as suas causas e os seus causadores. Elas estão a verificar-se, estão cá, não as podemos combater podemos é obrigar os seus causadores a mudar-lhes o rumo, a retroceder o seu percurso. Devemos estar, isso sim, contra todos quantos contribuíram e continuam a contribuir para que elas continuem a verificar-se.

Quando se diz estar contra as “alterações climáticas” é em sentido figurado, e todos sabem qual o seu significado, mas não tem impacto direto, é demasiado abstrato e ilusório.  Por mais que eu seja contra as alterações climáticas elas não vão parar nem mudar, continuarão se ninguém obrigar a parar os que para elas ainda contribuem. Greve contra as alterações climáticas é ilusório, porque apesar de serem o cerne da questão ambiental, não sofrem as consequências dessa greve, quem sofre são os próprios mentores que as fazem. Não foi por acaso que Greta afirmou que “jovens faltarem às aulas para protestar ‘não é uma solução sustentável’”. O protesto só tem efeitos se for objetivo, ter alvos concretos

Sejam ele governos, empresas ou ditadores inconsequentes resguardados, “apadrinhados”, eleitos pela utilização do voto democrático que lá os colocaram, é contra esses que as greves e manifestações devem ser feitas nos países de todo o mundo.

Desde que Greta Thunberg surgiu a manifestar-se e a alertar consciências para as alterações climáticas para as quais os cientistas há décadas nos têm alertado apareceram com a imediatez inevitável por um lado os seus apoiantes e, por outro, os seus detratores. Uns com alguma timidez lá vão dizendo: - que diabo, vamos lá ter calma com o seu endeusamento. Outros dizem que começam a estar fartos dela porque isto não vai dar em nada, e ainda aqueles a quem interessa passar a mensagem de que é uma coitada que tem uma doença mental que a leva a ter uma obsessão com problemas climáticos e ecológicos. O que esta gente pretende com isso é por demais previsível. Dito por palavras rudes: calem essa tipa que nos está a complicar a vida e os nosso lucros, queremos lá saber do clima para alguma coisa…

Os adultos que têm o poder na mão e os possuidores de grandes empresas poluidoras nada têm feito.  São os adultos que estão contra Thunberg, veem-se ultrapassados e ameaçados pelos vários movimentos que tem motivado e que vão surgindo, uns com mais impacto, outros com menos, onde participam pessoas de todas as idades e, sobretudo, jovens.

Os que se queixavam que os jovens não têm ideais e outros que, falando em seu nome lançam frases como “dêem-nos alguma coisa em que acreditemos”, como o fez João Miguel Tavares no discurso do 10 de junho encomendado por Marcelo Rebelo de Sousa. Então aí estão eles a fazer-lhes a vontade.

Num artigo de opinião João Miguel Tavares também escreveu dirigindo-se a Greta que “Gostava que fosses um pouco menos alarmista, e que um dia destes admitisses que o mundo – e o combate às alterações climáticas, já agora – é um pouco mais complicado do que a forma como o retratas”. Conselho simplista inoportuno. Acreditar que ainda é possível alterar a situação ambiental, não é o mesmo do que fazer-lhes crer que devem acreditar na direita.

Claro que a resolução é muito complicada, é o único argumento no artigo que escreveu com validade objetiva. Se JMT duvida que ela não sabe, eu, simples cidadão, cuja opinião vale o que vale, não tenho dúvidas que ela sabe. O centro do problema não é que haja uma resolução imediata, mas prevenir rapidamente a potencial catástrofe com que as gerações futuras se irão confrontar se medidas progressivas não se tomarem.

É no mínimo estranho que JMT que apoiava e era consonante com Passos Coelho quando ele se referia à sustentabilidade da segurança social e dizia que tínhamos de proteger as gerações futuras para não ficarem sem reformas por causa das reformas de que os seus pais e avós estavam a usufruir. Parece-nos que, para JMT, os efeitos causados pela alterações climáticas sobre as gerações futuras já não importam.

É quase uma aproximação ao que disseram essas sumidades e estrategas da burrice política Bolsonaro e Trump. O primeiro afirmou aos jornalistas em Brasília: “A Greta já disse que os índios morreram porque estavam a defender a Amazónia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí. Pirralha”. O que fez Greta Thunberg a seguir? Atualizou a sua biografia no Twitter para “Pirralha”, o mesmo termo usado pelo chefe de Estado do Brasil para a descrever. Foi o melhor que podia ter feito.

Trump numa atitude de quase troça e de ironia comentou: “Ela parece ser uma jovem menina muito feliz, que está a caminho de um futuro maravilhoso e brilhante. Muito bom ver isso”.

E ainda hoje: “Primeiro "pirralha", agora "uma jovem a trabalhar nos problemas de gestão da raiva". Greta Thunberg já mudou a descrição biográfica na sua conta oficial de Twitter pelo menos duas vezes nos últimos dias, ora à conta dos comentários de Bolsonaro, ora de Trump.”

São formas de indiretamente desqualificar e silenciar pessoas especialmente as mais novas que querem a mudança. E por isso são silenciadas. Eles têm medo da mudança e de as nossas vozes serem ouvidas disse Greta em determinada altura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39

Voltar ao passado, não obrigado

por Manuel AR, em 04.12.19

Voltar ao passado.png

Todos queremos tudo, esquecendo-nos que ainda somos devedores de parte dos empréstimos que a troika nos trouxe em troca de medidas que a todos prejudicaram.

Quem está atento ao desenvolvimento das notícias ao longo dos anos, ou dos meses, sobre a política em Portugal acha, decerto, estranho alguns desenvolvimentos noticiosos que se vão repetindo exaustiva e sucessivamente ao longo de tempos bem definidos que nos podem levar a pensar num possível objetivo estratégico.

Poucas semanas após a tomada de posse do novo Governo os media TV iniciaram uma campanha de procura de “notícias” negativas sobre o SNS emitidas vezes sem fim, o Tejo sem a água que deveria vir de Espanha, os olivais do Alentejo e a degradação dos solos, as plantações em estufas e os abrigos contentores para os trabalhadores, a falta de médicos e enfermeiros nos hospitais, a falta de funcionárias auxiliares nas escolas, um rol sem fim. A estas e outras notícias acrescente-se ainda as greves para aumentos na função pública, reivindicações da PSP e da GNR, à esquerda e à direita do PS exige-se baixar o IVA da eletricidade de 23% para 6%, atrasos nos pagamentos do estado a empresas, enfim, a falta disto e daquilo, pressões para baixar impostos, aumentar a despesa, exige-se investimentos que faltam aqui e ali, e reivindicam-se subsídios para tudo e mais alguma coisa.

Todos queremos tudo e cada vez mais fazendo passar a imagem de que os recursos não são finitos e que há prioridades. O desconhecimento desta realidade parece ser intencional. A direita, em especial os dois candidatos à liderança do PSD, dizem que tudo está por fazer, mas que eles tudo poderem fazer pelo país. Prometem reformas do Estado nada dizendo como, nem quais, nem com que recursos.

É por demais conhecido o que a direita prometeu durante a campanha eleitoral se fosse poder: baixar impostos, fazer mais investimento, melhorar o SNS, o que é de facto, necessário, sem apresentar um projeto concreto, sem dizer como, nem como obter o financiamento para tais aventuras. Rui Rio apresentava na altura uma contas atabalhoadas em nada convincentes.

Porque as contas públicas estão certas e o défice diminuiu e há uma pequena margem orçamental passámos a reivindicar mais do que é possível ameaçando o que todos conseguimos com o nosso esforço ao longo dos últimos quatro anos e meio.  

Um apagador parece ter passado pela nossa memória coletiva, social e histórica, somatório de todas as memórias individuais, pelo menos de algumas, a maioria.  O esquecimento da tragédia do passado que pode representar um alívio pode voltar a repetir-se novamente no futuro. Para que tal não aconteça é necessário que as lembranças sejam reconstruídas e reconhecidas por todos.

Há reivindicações justas, necessárias, obrigatórias até, mas também acho que ninguém pretende voltar a um passado constrangedor causado por pressões sucessivas sobre os governos com reivindicações por vezes irrealistas e oportunistas sem ter em conta que todos, mesmo os que reivindicam, vão pagar com impostos tudo aquilo que obtiverem.

Para quem quiser reavivar a memória abaixo faço uma síntese, ainda que incompleta do passado relativamente recente que nos levou a uma austeridade desenfreada. O despesismo foi o mote para outros que a seguir nos governaram poderem retirar o pouco que já tinha sido conseguido, elegendo como meta o empobrecimento da maioria e o enriquecimento de poucos, é o que as estatísticas e estudos nos dizem. Penso que ninguém quer novamente voltar a um tempo como esse.

****

Para contextualizar é inevitável regressar um pouco ao passado ainda presente nas nossas memórias antes da troika atracar em Portugal para corrigir desmandos da governação de Sócrates com a aceitação implícita do então seu ministro das finanças Teixeira dos Santo que quase nos conduziram á bancarrota. Desmandos despesistas e gastos desnecessários em contrapartida com cortes em salários, despesas necessárias e aumentos de impostos não nos salvaram dum governo de direita em comunhão com a intervenção externa.

Tudo começou com cedências sucessivas às pressões dos vários lóbis de modo semelhante aos pedidos e exigências de modo idêntico ao que agora se passa.

Ao apresentar o Orçamento de Estado para 2009 dizia o primeiro-ministro José Sócrates garantir programas para o alargamento da rede de creches e lares de idosos. Sobre o Orçamento de Estado de 2009 dizia o então primeiro-ministro que as instituições particulares de solidariedade social beneficiariam de transferências de meios públicos na ordem dos 1,2 milhões de euros. Além destas áreas sociais, Sócrates referiu que o Orçamento investiria na melhoria dos cuidados de saúde Na sua intervenção, José Sócrates procurou também evidenciar que, no ano seguinte, 2009, os funcionários públicos seriam aumentados acima da inflação (2,9 por cento) e afirmava que “o Governo fará do sector da educação ‘uma prioridade’, a par da ciência”.

Durante o seu segundo mandato, iniciado em outubro de 2009 e que não chegou ao fim, o primeiro-ministro José Sócrates anunciava em setembro de 2010 um novo pacote de medidas de austeridade como o aumento do IVA para 23% e um corte de até 10% na despesa total de salários do sector público, entre outras medidas de austeridade aprovadas em Conselho de Ministros extraordinário como o aumento de impostos, corte de salários e prestações sociais, congelamento de todo o investimento público até ao final do ano e redução do número de contratados na função pública. Entre as dez principais medidas de abate da despesa destacadas pelo primeiro-ministro conta-se a redução média da massa salarial dos funcionários públicos em 5% nos vencimentos entre 1.500 e 2.000 euros, a redução será de 3,5% nos escalões mais elevados, o corte chega aos 10%.

Estimava então que iria reduzir a despesa do estado em 3.400 milhões de euros e aumentar a receita em 1.700 milhões de euros.

O primeiro-ministro, na altura José Sócrates assumiu perante os portugueses que as medidas do pacote eram “difíceis e exigentes”, com a necessidade de honrar compromissos internacionais e enviar «sinais convincentes e claros» aos mercados, que nas últimas semanas tinham colocado Portugal sob fortes restrições à obtenção de crédito e afirmava que «estas medidas só são tomadas quando um político entende em consciência que não há nenhuma outra alternativa. foi essa a conclusão a que cheguei agora e não em maio». Teixeira dos Santos desafiava quem achasse que se deve cortar mais na despesa para evitar aumento de impostos que apresente propostas adicionais.

Face a estas medidas a CGTP, UGT e STE (Sindicatos dos Quadros Técnicos) ficam contra cortes de salários na função pública e dizem que são sempre os mesmos a pagar a crise.

As estruturas sindicais da administração pública, da CGTP e da UGT, em uníssono diziam que o corte em 5% nos salários da função pública anunciados pelo Governo iria suscitar protestos por parte dos trabalhadores porque para a coordenadora da Frente Comum da Administração Pública (CGTP) Ana Avoila, as novas medidas de austeridade eram «provocatórias e inaceitáveis».

«O descontentamento dos trabalhadores vai decerto culminar numa greve». O secretário coordenador da Frente Sindical da Administração Pública (UGT), Nobre dos Santos, também se mostrou preocupado com as «medidas anunciadas pelo Governo, porque levam a uma perda efetiva de rendimento dos trabalhadores». São os mesmos argumentos de sempre «mais uma vez quem paga a crise são os trabalhadores portugueses: os da administração pública e de uma forma, e os do sector privado de outra».

Para o ministro das finanças Teixeira dos Santos as remunerações iriam ser reduzidas e seriam mesmo para continuar e as reformas que até ali não eram tributadas em IRS passariam a sê-lo com a frase na altura “…mas por que é que os reformados não hão de pagar IRS?...”.

Apesar da grave situação económica (e agora também política) que o país enfrentava, as medidas de austeridade apresentadas pelo XVIII Governo não convenceram o Parlamento e a oposição alega que este novo Programa de Estabilidade e Crescimento vai prejudicar ainda mais os já desfavorecidos. A votação contra o PEC 4 do PSD, CDS, PCP e BE fizeram com que o primeiro-ministro viesse demitir-se e a afirmar que a oposição rejeitou não o PEC4, mas "as medidas que o Governo propôs para evitar que Portugal tivesse de recorrer a um programa de assistência financeira externa."

José Sócrates apresenta a demissão em 23 de março de 2011, devido à rejeição do novo Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) 2011-2014. Manteve-se em funções como Governo de gestão até 21 de junho de 2011. Foi ainda este XVIII Governo Constitucional a negociar com a “troika” o pedido de ajuda financeira internacional.

Rematou com a passagem de culpas para Passos Coelho e para os outros partidos ao dizer que a “crise política, neste momento, tem consequências gravíssimas sobre a confiança que Portugal precisa de ter junto das instituições e dos mercados financeiros. E, por isso, os que a provocaram, sem qualquer fundamento sério e sem alternativas, são responsáveis pelas suas consequências."

O que se passou então com a tomada de posse do XIX Governo Constitucional depois da demissão de José Sócrates e das eleições que elegeram uma maioria absoluta em que dois partidos, PSD e CDS, se coligaram para formar governo?

Várias foram as causas que antecederam este desfecho: no dia 12 de março, Pedro Passos Coelho, presidente do PSD, afirmava que as novas medidas do PEC que previa, entre outros, a revisão em alta da taxa de desemprego de 10.8% para 11.2% e o corte nas pensões acima dos 1500€ através da aplicação da Contribuição Extraordinária de Solidariedade, não contariam com o voto dos sociais-democratas.

José Sócrates, em entrevista à SIC, advertia na altura que a inviabilização do PEC abriria uma crise política com consequências «terríveis» para Portugal e falou do FMI e das suas consequências a 23 de março, o Parlamento aprovou os projetos de resolução que rejeitaram o PEC por parte da oposição a o país.

Sócrates classificou a atual crise como «desnecessária, evitável e inoportuna», a acontecer no pior momento para Portugal. Culpou os cinco partidos da oposição que apelidou de «coligação negativa», lamentando que nenhuma força política tenha estado disponível para a negociação do PEC, acusando os partidos de nunca terem querido comprometer-se com a governação

Em Bruxelas, Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, não vê «nenhuma razão» para alterações ao PEC e afirmou que obteve garantias claras de Pedro Passos Coelho de que as metas do programa de estabilidade acordado entre Portugal e a Zona Euro serão cumpridas caso o PSD venha a liderar o próximo Governo. Isto é, a rejeição do PEC 4 que serviu para a demissão do primeiro-ministro e lançar eleições antecipadas foi o conteúdo do mesmo PEC 4 que Passos Coelho assumiu como metas a cumprir para coma U.E.

Em julho de 2011 Passos Coelho, já primeiro-ministro, admitiu que o Governo foi além das medidas incluídas no acordo com a troika, mas salientava que isso era essencial para o regresso de Portugal mais cedo aos mercados internacionais e admitia que o Governo tinha incluído no seu programa não apenas as orientações que estavam incorporadas no memorando de entendimento mas também "como várias outras que, não estando lá, são essenciais para o sucesso desta transformação" do país.

Passos Coelho referiu-se, na ocasião às medidas a antecipar de 2014 para esse ano com o objetivo de reduzir a despesa pública em "cerca de 600 milhões de euros", tendo informado na sua comunicação ao país que seriam centradas nas áreas da segurança social, saúde, educação e empresas públicas.

Não se ficando por aqui tratou dos cortes de salários e pensões. Cerca de dez dias após ter tomado posse, o novo primeiro-ministro anunciou a criação de uma sobretaxa de IRS, equivalente a 50% do subsídio de Natal que fique acima do salário mínimo (485 euros) que afinal verificou tal medida tinha sido desnecessária porque a meta do défice para esse ano, na altura 4,2% tinha sido cumprida.

Houve ainda mais, anunciou também a eliminação dos subsídios de férias e de Natal para os funcionários públicos e pensionistas que ganhassem mais de 1100 euros (o corte progressivo começa para quem recebe mais de 600 euros) e esta medida teria efeitos em 2012, 2013 e 2014., tendo todavia esclarecidos que o retorno dos subsídios seria provisório e que voltariam a ser pagos na totalidade apenas a partir de 2018. Se nessa altura viesse ser governo o que não se verificou seria a promessa cumprida. Desculpem-me a minha desconfiança, mas duvido.

Haveria muito mais para continuar, acho, todavia, que esta amostra é suficiente para termos todos cautela com o que se pretende impor ao Executivo pressionando no domínio do despesismo acelerado como aqueles com que somos diariamente confrontados nos jornais televisivo. Todos queremos tudo, esquecendo-nos que ainda somos devedores de parte dos empréstimos que a troika nos trouxe em troca de medidas que a todos prejudicaram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Twitter