Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Governo e Políticas. Debates, COMENTÁRIO e OPINIÃO - Sociedade, Comunicação e Política

Comunicações e opiniões pessoais sobre o dia a dia da política e da sociedade. O que outros pensam e comentam sobre a sociedade, política, economia e educação.

A obsessão de José Sócrates pelo abismo e a política da colisão

José sócrates.png

Imagem de Sapo24

Sempre considerei infame o julgamento em praça pública de José Sócrates pelos media antes e depois do decurso das investigações. Mas o processo “Operação Marquês” transtornou José Sócrates a tal ponto que já não distingue a política real em processo de campanha eleitoral do estado emocional em se encontra com acusações que lhe têm sido feitas vindas de todos os lados.

Sócrates, talvez devido aos ataques pessoais de que, com alguma razão, tem sido vítima começa a ver inimigos por todo o lado, até naquele que foi o seu partido, numa tentativa de desviar as atenções considera ofensa política e até pessoal o que se diz em campanha eleitoral, e, mesmo que a ele não se refira, pressupõe que sim.

Quando António Costa disse que não pede maioria absoluta, não porque não a quer, mas porque entende que “os portugueses não gostam de maiorias absolutas” é uma afirmação subjetiva, talvez por estimar que, neste momento, os portugueses não estão muito inclinados para isso por manifestarem algum receio. O que é que esta afirmação tem a ver com o que Sócrates diz e com António Costa ter integrado um governo de maioria absoluta.  Isso dá-lhe toda a legitimidade para saber do que fala.

Face ao que está em jogo neste momento e aos processos decorrentes com que José Sócrates se confronta a sua atitude parece-me algo estranho.

Se Sócrates se sente atingido pela afirmação de António Costa pode ser a prova de que foi apanhado pelo stress que a Operação Marquês lhe tem causado. É como assumir que algo de errado se passou durante o seu governo de maioria absoluta.

O primeiro governo de maioria absoluta foi o XI Governo Constitucional, liderado por Cavaco Silva, quando consegue a primeira maioria absoluta de um só partido (1987-1991). O país foi governado em maioria absoluta de um só partido por três vezes: dois executivos liderados por Cavaco Silva e um liderado por José Sócrates.

Porquê esta reação injustificada de Sócrates que em nada o acredita politicamente? Lançar a confusão e achas na fogueira para voltar a falar-se de Sócrates nos media durante a campanha eleitoral com os objetivos do costume.

O artigo do antigo primeiro-ministro foi publicado do jornal Expresso. Associar o atual governo socialista a Sócrates, estratégia falhada pelo PSD e CDS durante a campanha para as eleições europeias, pode ser uma hipótese.

O diabo da ficção

Diabo foi embora.png

O jornal Público publicou um artigo de opinião que parece querer fazer dos leitores daquele diário ignorantes e patetas no que à política se refere, totós ou outros com idêntica terminação.

Não será por ignorância, mas por ideias preconcebidas que o artigo tenta baralhar e misturar os dois diabos a que se refere no que, decerto, estão também na cabeça da autora. Existe apenas um diabo o de Passos, o outro está a ficcioná-lo.

O “diabo” a que Passos se referia, cuja imagem parece querer adocicar, era outro, e noutro contexto. Não era o da recessão económica que viria com aquela solução, até porque, o executivo a que ele presidia,  na altura, disse várias vezes que a recessão estava a acabar e que  era a vez do crescimento económico.

O diabo a que Passos se referia era o que iria acontecer com medidas que poderiam vir a ser tomadas pelo governo então constituído pelo PS com o apoio parlamentar de partidos à sua esquerda (PCP e BE). Como por exemplo o regresso aodespesismo. Por favor, não queiram transformar Passos num adivinho que previu, na altura, o que está a acontecer agora, ao fim de cinco anos! 

Ao que António Costa refere não é nenhum diabo, é sobre a realidade que os organismos internacionais e a União Europeia preveem e que a Alemanha também já assumiu pelo que está a tomar medidas.

Se vai aparecer um diabo é uma recessão que nada tem a ver com os diabos internos e assombrações de Passos por a direita ter perdido o seu lugar na governação.

É um artigo de opinião e, como tal, vale o que vale. Mas isto é uma pequena amostra de potencial manipulação de leitores.

É este o jornalismo que temos e, cuja parte a que me refiro poderia muito bem ser colocada numa rede social com o objetivo de baralhar opiniões.

Um raio que os parta

Raio que parta.png

UM RAIO QUE OS PARTA!

Não, não é para vocês caros leitores!

Após regresso de Londres só hoje publico este texto que estava preparado antes de férias.

Digo um raio que os parta para o empenho das televisões em produzir alarmismos, vários, entre a população. Um raio que os parta vai para os que dizem e falam sobre as filas de espera, o caos nas lojas do cidadão e no SEF para revalidar o Cartão de Cidadão e outros documentos.

Enquanto no Parlamento estava a decorrer o Estado da Nação resolvi fazer o meu passeio pedestre em Lisboa, como sempre faço diariamente, e desta vez percorri vários locais, não vou dizer quais, onde se tiram documentos, para ver com os meus olhos, não, felizmente ainda não necessito de óculos. Os óculos das câmaras das TV´s é que captam apenas ângulos que lhes interessam e cujo verificação no local sabem não pode ser feita pelo telespectador.

Como estava dizendo, hoje percorri três locais, já passava das onze horas da manhã, onde não vi quaisquer caos ou filas de espera exageradas. Resolvi optar por uma das lojas que, para mim, seria a mais conveniente para tirar o meu Cartão de Cidadão que tinha extraviado.

O movimento àquela hora era o que se podia chamar normal com as filas de espera junto dos diversos balcões, nos passaportes, cartão de cidadão no SEF, na NOZ, na EDP, na Segurança Social, e outros balcões. Isto é, havia gente à espera para tratar de assuntos diverso. Aliás como há esperas como em alguns consultórios médicos no privado mesmo após termos marcado uma consulta dias de antecedência, por vezes não tão poucos, paga a preço de ouro.

Cheguei ao local por volta das 14 horas e, à entrada, deparo com uma fila de cidadãos, talvez uns vinte ou vinte cinco ou um pouco mais. A fila estava parada dando a perceção de que estariam à espera de tirar senha.

Quem for a alguns locais depara com filas enormes para tratar de adquirir nacionalidade portuguesa, são casos especiais, pois cada vez há mais imigrantes orientais e africanos que nos batem às portas ou que vivem aqui há alguns anos e pretendem regularizar a sua situação. A altura de férias é, para eles, a mais oportuna por vários motivos. Como vivem “informados(?)” por alarmismos induzidos claro que há uma corrida como se tivesse um aviso de escassez de géneros alimentares.  

Dirigi-me para a fila que estava imóvel sem que aparentemente nada se passasse de anormal. Saí da fila e entrei. Dirigi-me a um segurança e disse o que pretendia. Amavelmente o dito segurança informou-me que tirasse a senha C para ir ao SEF. Como o ticket não saía o segurança disponibilizou-se a resolver o problema, abriu a porta da máquina, fechou-a de seguida e a senha saiu, era a C84. Olhei para os monitores de chamada estava no C76. Esperei, se tanto, 20 a 30 minutos. Fui chamado. Mais 15 minutos a resolver a situação. Problema resolvido.

Veio-me de novo à ideia: um raio que os parta, a eles, às TV´s, animadoras de induções de agitação orientadas não sei por quem, nem o que as move. Procuram o quer que seja para terem audiências, mesmo que faltem ao dever de informar com isenção. Um raio que as parta.

Novos sindicatos ou uma aposta na rebelião sindical

greve motoristas_4.png

Um sindicato de cerca de 700 e poucos trabalhadores formado apressadamente em novembro de 2018 paralisou parcialmente o país não fosse a resposta enérgica do Governo posteriormente criticada por Rui Rio, vá-se lá saber porquê.

Novos sindicatos de várias classes profissionais surgem quase espontaneamente e assumem o objetivo do endurecimento da luta não apenas sindical, mas também de perturbação social. São formas de ação coletiva inorgânicas e localizadas ditas espontâneas que surgem devido ao dito enfraquecimento da atividade sindical tradicional a que aqueles denominam de obsoleta dos quais alguns oportunismos para liderança podem surgir e impor-se para mobilizar a ação coletiva.

Curiosamente devemos notar que, em Portugal, estes movimentos manifestaram-se durante o período Governo socialista com o apoio parlamentar do PCP e do BE, a dita geringonça. Durante o governo anterior de Passos Coelho e da direita os movimentos profissionais deste tipo não existiram ou foram escassos.

Para alguns investigadores vários fatores podem estar a contribuir para aquele fenómeno inorgânico, nomeadamente o enfraquecimento da atividade sindical tradicional. Olhando para a realidade dos últimos dois anos e pela comunicação social não parece que aqui em Portugal tenha sido verificado, pois os sindicatos e centrais sindicais ditas tradicionais desenvolveram várias atividades.  Também fatores explicativos como as “novas tendências da economia, com um mercado de trabalho cada vez mais fragmentado, a crescente facilidade de deslocalização das unidades de produção, empresas ou serviços, os efeitos do desenvolvimento tecnológico e da automatização do trabalho, entre outros” segundo Elísio Estanque na prática parece não serem representativos para o fenómeno.

Há um défice de sindicalização por parte do setor privado e talvez por isso surjam grupos de individuos por profissão ou até função que se organizem em ditos sindicatos independentes cuja missão não será apenas a reivindicações de melhores condições laborais.

Este fenómeno de sindicatos independes são a melhor forma de enfraquecer a luta dos trabalhadores e fomentam o divisionismo e podem veículos para instrumentalizar os seus associados. Prescindem da luta coletiva e optam por individualismos umbilicais de profissão que levam à fragmentação sindical que sai prejudicada nas grandes lutas laborais quebrando, assim, o espírito de união de que uma luta sindical necessita para ser mais ampla.

Para Estanqueiro “estes sindicatos ditos independentes, mais do que as proclamações bondosas em defesa dos trabalhadores, trabalham sim para parar o país e lançar o caos”, afirmação que pode ler aqui.

Uma das justificações para estes sindicatos que vão surgindo sob lideranças autopropostas posteriormente validades em plenários é uma das características da formação destes sindicatos em que as radicalizações em vez de negociação podem pôr em causa o sindicalismo e a tradição de negociação coletiva e é um futuro que pode estar à vista.

Todos nos recordamos da greve nos blocos cirúrgicos proposta por um movimento informal de enfermeiros, que foi apadrinhada por dois sindicatos e que levou ao adiamento de milhares de cirurgias e nas quais terá estado envolvida a Ordem dos Enfermeiros.

O investigador do CES considera que essa falta de organização ou vazio de representatividade sindical advém de um “défice de consciência cívica, no contexto de uma sociedade muito atomizada e despolitizada”. “Os jovens precários não confiam nos sindicatos, não se revêm na cultura do movimento sindical, não participam, não se organizam, mas isso acontece também porque estão demasiado focados na sua própria sobrevivência. A instabilidade e as dificuldades são de tamanha magnitude que não têm disponibilidade para a atividade sindical”, diz.

Ainda me recordo de alguém afirmar, suponho que foi Maria José Nogueira Pinto na altura em que assumia o cargo de vereadora da Habitação Social da Câmara de Lisboa, terá dito numa reunião que, do que tinha receio não eram das manifestações ou movimentos organizados pelos sindicatos controlados pela Intersindical, mas sim dos movimentos e dos sindicatos inorgânicos, (ditos espontâneos e informais), sem qualquer controle. Isto foi dito em 2007 e é, de facto, o que atualmente está a acontecer.

No meu entender o que tem originados estes movimentos sindicais sem controle servem também de movimento de oposição ao governo PS para o “chatear” como algumas vezes já foi afirmado sendo os trabalhadores a arcar com a responsabilidade da ação que, para ter aparência democrática, são decididas em plenários sucessivos.

Num estudo publicado em 2018 com o título Rough waters - European trade unions in a time of crises “Águas agitadas - sindicatos europeus em tempos de crise” afirma que: “the union is better able to convince a wider public that better working conditions for employees are in the general interest  wider public that better working conditions for employees are in the general interest “, “Os sindicatos serem capazes de convencer a população que as suas lutas são no interesse geral e não servem apenas interesses particulares”.

A greve dos enfermeiros e a dos motoristas de matérias perigosas, movimentam-se no sentido contrário àquele que foi apontado naquele estudo. Sobre estes assunto pode consultar também aqui.

Se estivermos atentos todos aqueles sindicatos que se organizaram em sindicatos independentes como, por exemplo, o STOP – Sindicatos de todos os Professores e, posteriormente, o SNMMP formado a partir de uma associação de motoristas que se organizou em sindicato para poder ter capacidade de negociação tomara a iniciativa entre 2017 e 2019. Talvez tenha sido uma coincidência que a direita que tanto se insurgia com as greves decretadas pelos sindicatos afetos à CGTP, ter passado, com alguma cautela, a tolerar tácita e brandamente, algumas greves e, algumas vezes até, a dar o seu apoio colocando-se contra o executivo.

Os partidos de direita foram tacitamente discretos, mas Rui Rio salientou o exagero mediático e as medidas tomadas pelo Governo, já os partidos à esquerda do PS destacaram o direito à greve e criticando os "serviços máximos" que a limitaram.     

Foi com estranheza que se viu a direita, nomeadamente o PSD, muito mais ativa do que à esquerda do PS a criticar a eficácia da ação do Governo por limitar e de certo modo bloquear o direito à greve. Foi um ressalto positivo da direita no que se refere ao direito à greve. Talvez seja devido ao facto de esta não ter sido desencadeada pelos sindicatos afetos às clássicas Centrais Sindicais e por estas greves poderem ser pela desconfiança de eventual estratégia eleitoralista do Governo, colocou alguns segmentos de direita com mais destaque mediático na defesa explícita do direito à greve e, contrariamente ao que, como habitualmente, seria de esperar ter-se colocado do lado oposto aos dos empresários no que se refere ao apoio dado à conveniência das reivindicações salariais deste sector para as quais o sindicato SNMMP só agora parece ter despertado.

 

A ser assim todos temos direito, todos somos especiais

greve motoristas_salários.png

Acho que neste país que vive já uma democracia madura, ninguém nega o direito que todos os trabalhadores têm para lutar por melhores condições de vida utilizando os meios que a Constituição da República lhes confere.

Neste nosso país parece que há núcleos privilegiados de trabalhadores supervisionados por sindicatos que acham que os seus representados são especiais e mais sacrificados do que as muitas centenas de milhar que fazem parte de uma maioria silenciosa.

Há meia dúzia de radicais que defendem as greves e a luta a qualquer preço quando elas acontecem e armam-se com argumentos rebuscados na história sindical do início da revolução industrial quando ainda não havia organizações sindicais e as lutas surgiam espontaneamente e desorganizadas comandas por líderes mais ou menos ad hoc. Eram então os movimentos que atualmente se chamam inorgânicos. Atualmente há já quem defenda este tipo de movimentos descontrolados de luta laboral chefiada muitas das vezes por grupo de interesse pessoais ou outros.

Já não estamos numa revolução industrial do mesmo tipo, antes estamos a caminhar em passos acelerados para o pico da revolução digital onde o pensamento sindical de defesa dos trabalhadores tem de passar a ser outro.

O argumento do trabalhador que desempenha funções especiais que possam causar danos a prazo quer físicos quer psicológicos são vários, não se circunscrevem às matérias perigosas.

Se analisarmos no último ano e meio as greves por reivindicações de vários sindicatos que as organizaram um dos argumentos mais reproduzido é a sobrecarga de trabalho, é o desgaste físico, do stress, do desgaste psicológico e o “burnout”, o perigo para a saúde pelo manuseamento de algo, etc... Basta-nos ver como exemplos o caso dos professores, dos trabalhadores da recolha de resíduos sólidos, dos enfermeiros, dos médicos e muitos outros mais.

Em todas as profissões, sem exceção, podemos encontrar motivos mais do que suficientes que sirvam para se diferenciarem de outros e como tal a obtenção de regalias diferentes de outros, entrando-se num sucessão ininterrupta de reivindicações por motivos  que se repetiriam para centenas de milhar de outros trabalhadores cada um defendendo os seus motivos, numa espécie de circulo vicioso de greves sucessivas por se considerarem mal pagos em função da profissão que desempenham.

As centenas de milhar de trabalhadores deste país, todos, sem exceção, têm direito a receber mais, mesmo os não representados por sindicatos. A questão é: será tal possível neste país como alguns e alguma defendem. Comparar salários com países como a Dinamarca, por exemplo, parece ser um exercício falacioso para alguns mais influenciáveis e impreparados acreditarem.

 Nos aumentos salariais e em qualquer retribuição ou regalia que seja incluída no salário é necessário ter em conta as características específicas dos países e a sua posição no ciclo económico, bem como os seus equilíbrios internos e externos. Concretamente, os salários não só constituem determinantes de outras variáveis económicas, como também reagem a desequilíbrios noutras áreas.  

Razões e musculações ou as hipocrisias dos não hipócritas e a cabeça de Pardal Henriques

greve motoristas_3.png

Pardal Henriques, o advogado infiltrado no sindicalismo através de um sindicato estrategicamente escolhido tenta, com a sua voz calma frente às camaras da televisão, ser convincente nos seus argumentos falaciosos.

Diz apenas meias verdades empregando de modo proveitoso um cantarejar suave e melodioso para alguns ouvidos, qual sereia que, com o seu canto, leva os barcos e os marinheiros para o naufrágio. Pessoas que assim agem são perigosas porque arrastam muitos atrás de si ao engano.  

Quando Pardal Henriques diz frente aos ecrãs de televisão que os camionistas estão a cumprir o seu horário de trabalho de 8 horas diárias e não 12 e 14 horas que os obrigam a fazer, não refere, porque não convém, que essas horas são bem pagas aos trabalhadores de acordo com o número e o tipo de horas extraordinárias a cumprir a que ninguém os obriga. Faz parte do trabalho que escolheram e do contrato de trabalho que aceitaram com a entidade patronal.

À intervenção necessária da requisição civil pelo Governo o sindicato, manipulado por Pardal Henriques, responde com as oito horas de trabalho fazendo um boicote às horas extraordinárias que sempre fizeram. É uma forma de contornar os serviços mínimos e a requisição civil.  Se, em tempo normal, as entidades patronais acabassem com as horas extraordinárias e admitissem mais trabalhadores como reagiriam os camionistas aos cortes das horas extraordinárias. Teria mais custos para a entidade patronal é certo, mas não traria, a prazo, vantagens?

Enquanto a esquerda, e sobretudo a direita, se encontram em férias nos campos do silêncio, os que estão do seu lado, o da direita que escrevem artigos de opinião lá vão contribuindo com os seus escritos ambíguos sobre o tema, embora alguns, mais audaciosos, comecem a inventar algo que lhes seja favorável para desacreditar as iniciativas do Governo para minorar os efeitos desta greve que, no meu entender e por desconfiança minha baseado no que tenho lido, é de interesse político e está fora da onda partidária do vigente status quo do pardidarismo parlamentar.

No campo da desacreditação das iniciativas do Governo encontra-se o artigo de opinião que João Miguel Tavares escreve no jornal Público tendo em vista ajudar a oposição de direita já ele a acha inerte.  Pega então no termo hipocrisia para desmontar a atitude tomada pelo Governo face à greve dos motoristas, e não à crise energética como alguns órgãos de comunicação pretendem fazer passar.

Não tenho qualquer dúvida que João Miguel Tavares como escritor e jornalista não saiba qual o conceito de hipocrisia, só que, neste caso, deve ter-lhe dado mais jeito para o fim pretendido distorcê-lo. Pega JMT em três hipocrisias.

Assentemos em primeiro lugar que hipocrisia é a simulação de qualidades, pensamentos, convicções ou emoções que não são verdadeiras; dissimulação; fingimento.

Diz JMT que:

  1. “O Governo pôs-se ao lado da Antram, e ouvir o porta-voz do Conselho de Ministros ou o porta-voz da Antram vai dar ao mesmo: os argumentos são iguais.”

A isto coloco uma pergunta: Então, se havia duas partes de que lado se deveria colocar o Governo e a Antram? Do lado dos grevistas? E que outros argumentos para justificar as ações que minorassem os efeitos da greve? A tal equidistância a que JMT se refere seria não fazer nada? Ou, como sugeriu Rui Rio, deveria adiar a greve para depois das eleições.

  1. O facto de o advogado André Matias Almeida, porta-voz da Antram, ser muitíssimo próximo do PS não pode ser desvalorizado, porque ele está a actuar como ponta-de-lança oficioso do Governo nesta guerra.

Devo estar com um ataque de estupidez de opinião. Então, se André Martins não fosse próximo do PS, e fosse, por exemplo, próximo da direita, fosse qual fosse, CDS ou PSD, e tivesse as mesmas posições sobre o conflito já não seria um ponta-de-lança oficioso do Governo? Então, será que André Martins está a ser ponta-de-lança oficioso do Governo ou dos patrões? Ou o Governo está a ser ponta-de-lança oficioso da ANTRAM e dos patrões. Ou, ainda, os patrões, empresas da ANTRAM, são todos ponta-de-lança oficiosos do Governo!! Serão?

  1. A história de que a Antram impõe como única condição para voltar à mesa de negociações o levantamento do pré-aviso de greve “porque não negoceia com uma espada na cabeça” é treta. A Antram quer a espada e quer a cabeça – a cabeça de Pedro Pardal Henriques. O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, chegou a sugerir na segunda-feira que a requisição civil poderia vir a ser feita sindicato a sindicato, porque uns associados estariam a cumprir os serviços mínimos, outros não.

Esta é de tal maneira rebuscada que não merece perder muito tempo. Esperem lá, onde está a hipocrisia. Todos ouviram ao presidente da ANTRAM dizer que volta à negociações, mas sem a presença de Pardal Henriques. E então? Podemos, ou não, concordar, mas isso é a posição de André Martins enquanto representante dos patrões.

Se há vários sindicatos com diferentes representantes que estão em negociações por razões idênticas ou não, e com procedimentos negociais diferentes, onde está o problema da hipocrisia de o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros sugerir na segunda-feira que a requisição civil poderia vir a ser feita sindicato a sindicato, porque uns associados estariam a cumprir os serviços mínimos, outros não.

  1. A cabeça de Pardal Henriques interessa a todos, incluindo ao Partido Comunista, que quer os sindicatos debaixo do chapéu da CGTP e não nas mãos de cavaleiros solitários que o partido não controla.

Esta é tão óbvia que nem chega a ser hipocrisia pode até ser ser evidência, como tal não merece comentário.

Eu, cá por mim, que não sou sindicalista nem pertenço à ANTRAM se houvesse um referendo para pedir ou não a cabeça de Pardal Henriques, em sentido figurado claro, diria que SIM.

 

A greve absoluta e sem restrições é um direito. Será?

greve motoristas_2.png

Por vezes fico na dúvida se o que escrevem os profissionais dos artigos de opinião e de editoriais de jornais é sobre um mundo por eles criado ou se nos pretendem enganar e baralhar.

Os que estão a favor desta greve que é política e utiliza os trabalhadores do setor como frente de batalha mas fazem de conta que estão contra, estão também contra as medidas tomadas pelo Governo. É óbvio. Veja-se o caso por exemplo do PSD e os comentários de Rui Rio que quase responsabiliza o governo pela greve e porque está a tomar medidas exageradas de prevenção comparando-a com uma espécie de golpe de teatro como diz tger sido a greve dos professores.

Rui Rio esquece-se de algo importante, é que na greve dos professores era o Estado a entidade patronal e as negociações eram com o governo, no caso desta greve dos motoristas é com entidades patronais do privado e até os sindicatos rejeitaram qualquer mediação por parte do Governo. Assim a direita PSD e Rui Rio, desesperados, jogam com a campanha eleitoral a seu favor em detrimento e prejuízo de todos os portugueses. Será que se fosse o PSD no Governo estaríamos entregues ao nosso destino?     

Hoje no jornal Público Ana Sá Lopes no editorial do jornal e João Miguel Tavares num artigo de opinião, cada um defendendo sobre o mesmo tema argumentos cujos vetores convergem para o tempo passado, mas que me parecem estar a querer justificar através de comparações ficcionais entre uma greve no transato tempo com uma greve no presente. Isto é, e se, (condicional) o que se passa agora fosse no tempo do governo Passos Coelho? E respondem que tal não faltaria. Um, recua até ao PREC e imagina o secretario geral da CGTP a vociferar contra os que queriam limitar o direito à greve. A outra, coloca-se numa retrospetiva imaginativa e ficcional sobre o que faria o PS na mesma altura caso se limitasse no tempo de Passos Coelho e Cavaco Silva como se está agora a fazer ao limitar o direito à greve.

Alguns até recordam a greve dos trabalhadores das empresas do grupo TAP quando Passos Coelho fez a requisição civil apenas uma vez, em 2014 e partidos como o BE, o PCP e também o PS reagiram contra a decisão.

Esses senhores omitem o facto de que a situação atual da greve dos camionistas de matérias perigosos não é comparável com a da TAP pois atinge e prejudica apenas um setor que, apesar de importante na economia como esta que paralisa o país e atinge todos os setores e a população em geral. Por outro lado, tanto quanto me lembro, não de verificaram greves como as que, oportunisticamente, alguns desencadearam com objetivos politicamente encobertos por questões laborais e remuneratórias. Gostaria de saber como reagiriam as opiniões e os senhores comentadores se nada fosse feito para manter o normal funcionamento da economia do país num litígio entre empregadores e trabalhadores em que estes se colocam numa posição amplamente destrutiva.

A jornalista Ana Sá Lopes que sempre estimei desde o tempo em que trabalhou no Jornal i, agora a trabalhar no jornal Público do qual assinante, escreve um artigo dando aos leitores, aos mais desatentos, a ideia de que, para o caso da greve dos motoristas de matérias perigosas nada deveria ser feito tal como a decisão musculada do Governo no que se refere aos serviços mínimos que limitam o direito à greve, assim o interpretei. Permito-me colocar em dúvida a justeza da dita greve.

Escreve Ana Sá Lopes:

 

Movimento grevista e rampa de lançamento

greve motoristas.png

Para Pardal Henriques este movimento grevista pode servir de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.

Em Londres no bulício estonteante da Oxford Street, avenida das marcas mais conhecidas, o movimento era tal que entupia os largos espaços dos passeios assim como na  Euston Road que nos conduz até ao Regent´s Park. Depois da Regente Street Picaddilly e Leicester Square abafadas por gentes de todas as nações, regressei a Lisboa no avião da TAP que chegou com uma hora de atraso logo à partida.

Os nossos canais de televisão nas horas noticiosas informavam ou desinformavam do mesmo de quando parti, numa espécie de frenesi sem fim sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas dando visibilidade ao "senhor da greve" com o seu ar sombrio que, não sei porquê, associo aos homens que trabalhavam para a polícia política do passado.

O CDS, pela voz de Pedro Mota Soares, manifestava o seu apoio aos serviços mínimos mesmo que devem se mesmo para cumprir, e mostrava-se disponível para "propor uma alteração à lei dos serviços mínimos". Mota Soares falou aos jornalistas e defendeu a necessidade de fazer cumprir os serviços mínimos em prol da "normalidade" do país. Acrescentou ainda que não é possível vermos um sindicato de 600 ou 700 pessoas a bloquearem o país.

Finalmente o CDS começa a colocar o interesse do país acima dos interesses partidários e eleitoralistas. O PSD fez um comunicado com alguma ambiguidade, no qual, se coloca, por algumas palavras quase ao lado do líder grevista. Vejam-se as ambiguidades:

Se por um lado para o PSD se mostra contra “a perspetiva de uma greve por tempo indeterminado, que afetará a vida dos Portugueses e o funcionamento da economia com consequências graves para todos, merece da nossa parte as maiores reservas…”  e que “Já não são só os interesses das partes envolvidas que poderão ser afetados. São os interesses do País e dos Portugueses que estão seriamente ameaçados.” Secundando “a iniciativa do Governo em mediar o conflito e em garantir o funcionamento dos serviços indispensáveis” por lado “estranha a forma excessiva como se tem exposto perante a opinião pública no anúncio de medidas coercivas e de salvaguarda do funcionamento daqueles serviços.”

O PSD diz que está contra “exercícios desproporcionados de autoridade” na greve dos motoristas antes das eleições. O que faria o PSD se estivesse no Governo? Que medidas tomaria? Cederia a pressões manifestamente de cariz político e talvez até partidário? Deixaria o país entrar no caos para apoiar as chantagens de Pardal Henriques? Daqui surgem as minhas dúvidas.

Quanto a esta greve, radicais de esquerda e radicais do oportunismo populista sem ideologia estão de acordo. Uns como Marinho e Pinto dizem que «Esta greve é de saudar porque é uma greve genuína» outros como Joana Amaral Dias dizem: «Greve que não incomoda, não é greve!» É certo, mas não se trata de incomodar, trata-se de paralisar todo um país a todo o nível!

Está na cara que, como tem sido divulgado por alguns órgãos de comunicação, nomeadamente o Diário de Notícias, “o Partido Democrático Republicano, fundado (em 2014), liderado pelo advogado Marinho e Pinto, conquistou uma estrela mediática para cabeça-de-lista do partido às eleições legislativas pelo círculo de Lisboa: Pedro Pardal Henriques, o (também) advogado vice-presidente e porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). Segundo o DN soube, Marinho e Pinto deverá também ser cabeça-de-lista - mas pelo círculo do Porto, mas confrontado pelo DN, Marinho e Pinto recusou desmentir ou confirmar a notícia: "Não lhe posso dizer quem será ou não candidato. As listas ainda não estão definidas".

Estamos a ver que Pardal Henriques estará a preparar-se para obter vantagens pessoais preparando-se para a intervenção na política nacional utilizando o sindicato e os trabalhadores como forma propagandística de modo a obter visibilidade para futuros projetos e voos pessoais.

Para Marinho Pinto, se vier a concretizar-se a participação de Pardal Henriques nas listas do PDR, parece ser uma boa estratégia de marketing para o seu partido à custa da manipulação de trabalhadores dum setor essencial que merecem uma remuneração adequada à função que desempenham que é de louvar e apreciar e não merecem o que lhes estão a fazer iludindo-os com o acesso ao sol e à lua.

Para Pardal Henriques este movimento grevista serve de rampa de lançamento para os seus projetos pessoais na política.