Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

Um pontapé em Passos Coelho no Pontal

O discurso de Passos Coelho no Pontal foi uma lástima. Foi o primeiro discurso em que despiu a farpela de primeiro-ministro no exílio e pretendeu, sem o conseguir, ser uma espécie de líder da oposição.

A não ser a parte mais ou menos objetiva da interpretação dos dados da economia, ainda que falaciosa, como é tão do seu agrado, nada do discurso teve jeito, nem foi oposição. Foi mais do mesmo. Cansativo, repetitivo, contraditório, enganador como normalmente é seu hábito. Foi ele próprio.

Sobre o balanço político da situação, Passos Coelho afirmou que “não faremos na oposição aquilo que nos fizeram quando estivemos no governo. Pois não, utiliza os mesmos argumentos com que era criticado quando estava no Governo para agora fazer oposição. Criatividade, claro está!

Relembrou a importância dos jovens na sociedade portuguesa pois também estes merecem um presente e futuro com qualidade e justiça sintetizava ele. Pois é, já se esqueceu de quando “atiçou”, (o termo é duro mas merece-o), os jovens contra os mais velhos, filhos contra pais empregados e avós, acusando estes de serem os causadores das desgraças que os prejudicava.

O discurso do amado-líder duma parte do PSD não foi um comício de oposição ao Governo, foi uma palestra do sempre mestre-escola, feita do púlpito para os seus amados fãs. A sua propensão é mais para formador ao género da Tecnoforma do que de líder.

Faz previsões de falhanços, dá garantias de impossibilidades e augura desgraças. Fala de Governo desgastado e falhado ao mesmo tempo que diz irá durar uma legislatura. Passos não quer arriscar, não quer criar instabilidade, ir a votos seria perigoso. É melhor assim porque sempre fica agarrado ao poder, até ver.    

Para ser simpático para com a direita de Jajoy elogia o crescimento da Espanha apesar de ainda não haver Governo. Exemplo tolo. Nem mais. Espanha é Espanha e Jajoy é Jajoy, não é o Passos Coelho.

A desfaçatez foi tal que criticou a falta de investimento público deste Governo quando foi ele próprio que, durante o seu mandato o diabolizava e por isso o criticou, combateu, estagnou e destruiu, defendendo o investimento privado como o melhor dos mundos enquanto motor da economia. É claro que o investimento privado é essencial e determinante para o desenvolvimento numa economia moderna, mas não venha Passos lançar poeira para os olhos de todos a tentar defender o investimento público dando-se ares de ser um seu ativo defensor.

Depois da destruição que fez durante mais de quatro anos, com a muleta da desculpa da troika e a conivência de Cavaco Silva, Passos Coelho dá lições e faz promessas de projetos para resolução dos problemas sociais, que ele próprio criou. Ao mesmo tempo diz que só a direita (qual?) pode resolver os problemas mas tece elogios e defende a social-democracia.

São as contradições dum feroz neoliberal que provocou conscientemente fendas profundas entre grupos sociais com os seus discursos socialmente divisionistas e destrutivos e que, numa espécie de volte face, quer continuar a enganar quem o elegeu da primeira vez.

A mentira compulsiva, a tacanhez e a ignorância são tais que já nem sabe onde acaba o liberalismo e começa a social-democracia.