Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

O cavalo de batalha já não é o défice é a dívida

Cavalo de batalha.png

As intervenções do PSD e do CDS na Assembleia da República começam mais parecem atuações de espetáculo burlesco para um público que não anda a par das realidades políticas mais virada para a economia e finanças.

Uma das últimas foi o alarido feito por aqueles dois partidos criticando o atual Governo por ter aumentado a dívida.  O retrovisor deles deve ter fundido a lâmpada para não se ver que a dívida com que agora estão tão preocupados começou a subir escandalosamente no tempo em que foram governo. António Costa apenas assumiu a herança que lhe adveio porque quis. Nesta altura poderia estar tranquilamente na oposição sendo o mais provável estarmos todos ainda pior do que antes e com a dívida ainda maior.

A dívida pública é a dívida de um determinado Estado, são os compromissos financeiros que se vencem em dado. Naturalmente, o excessivo endividamento do Estado como qualquer entidade pode levar a situações de dificuldade financeira. O que está na base são os juros praticados e o pagamento do valor da dívida. Em Portugal o que veio a agravar a situação da dívida foi o resgate financeiro da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional que tem que ser amortizado assim como os juros.

Como a défice está em níveis de 2,3% do PIB que o PSD nunca pensou atingir agora apontam que foi devido a um tal plano B que os jornalistas gostam tanto de pedir emprestado ao PSD, esquecendo os expedientes que fizeram para o conseguir sem sucesso. Á falta de argumentos quanto ao défice, e para baralhar os menos conhecedores, centram-se agora na dívida que é um indicador diferente.

É certo que a dívida está a aumentar. Mas não basta dizê-lo, é preciso em primeiro lugar, saber o porquê e, em segundo lugar, como a reduzir.

Pode-se verificar no gráfico abaixo qual evolução da dívida desde o ano 2000 podendo-se observar que foi nos anos do governo PSD-CDS que ela aumentou sem controle.

Evolução da dívida.png

Foi a partir de 2009 que a dívida pública verificou aumentos exageradamente crescentes continuando a aumentar até 2014 durante o XIX Governo Constitucional (2011 a 2015) verificando-se um ligeiríssimo alívio em 2015.

Quando a crise financeira internacional rebentou em 2007-2008 agravou vários países europeus sendo os mais atingidos os mais frágeis um dos quais Portugal que viu-se obrigado a pedir um resgate financeiro da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional (a troika). Têm razão que uma das causas para esta fragilidade derivaram de problemas estruturais da economia portuguesa, mas também de uma má gestão das finanças públicas dos governos de José Sócrates embora tenha havido justificação para acelerar o investimento público, mas essa é outra matéria