Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

Mas a vida continua

Mário Soares.png

Apesar da perda de personagens exemplares a vida tem que continuar. Recordo-me como se fosse hoje. Foi à cerca de quatro anos que me encontrei no El Corte Inglês, na secção de artigos para homem, frente a frente com Mário Soares. Acompanhavam-no familiares e amigos, três ao todo.

Parado, próximo ao balcão onde aguardava que a funcionária me atendesse, Mário Soares, com alguma lentidão venceu os escassos metros que me separavam dele, parou à minha frente, olhou para mim como se me conhecesse há muito, fixou-me nos olhos, estendeu-me a mão a que correspondi. Apertou-ma fortemente como se de um gesto simbólico de fraternidade se tratasse, muito comum entre pessoas que pertencem a um mesmo grupo de amigos. «Como está?» - perguntou. «Bem… muito obrigado. E o Dr. Mário Soares?». «Estou bem!». E cada um seguiu a sua vida…

Duas coisas, pelo menos, tínhamos em comum: as opções ideológicas pela liberdade democrática e a oposição combativa às políticas neoliberais de Passos Coelho.

Na altura em que a democracia ainda se encontrava em estado de consolidação, considerava Mário Soares muito encostado à direita. Mas, por outro lado, quando comparado na altura com o PPD, o Partido Socialista era o verdadeiro partido social-democrata, muito próximo da corrente dos partidos franceses e alemão.

Combatente e defensor da liberdade era na altura contestado por todas as esquerdas mais ou menos radicais, que eram várias. Ainda me recordo da célebre frase do “temos de meter o socialismo na gaveta” fortemente contestado por aquelas forças partidárias que exploraram em seu favor aquelas palavras simbólicas. Só muito mais tarde percebi quanto ele tinha razão nas opções políticas que fazia, e porque o fazia. Comecei então a admirá-lo como exemplo de um político hábil e integro que não se distanciava do país e colocava as pessoas em primeiro-lugar.

Levou com ele a satisfação da concretização da vontade que, nos últimos anos, ambicionava: a ver novamente o Partido Socialista no Governo.