Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

ZOOM SOCIAL - Cultura, sociedade e política

Apontamentos, comentários e OPINIÕES sobre política, economia, educação, sociedade e cultura. Confronto de afirmações, reflexões e contradições sobre o modelo social que temos.

Igreja católica portuguesa regressa ao passado ou a Fraternidade S. Pio X

Papa Francisco.png

 OU

 Missa antiga.png

Abordar qualquer problemática que envolva religiões e, neste caso a religião católica, num artigo de opinião é uma tarefa melindrosa porque entramos no campo das crenças e da fé mais ou menos profundas da religiosidade de cada um e por isso mesmo tenho adiado escrever sobre o tema.

A decisão que hoje tomei veio no seguimento da notícia de primeira página do jornal Público cujo título, não sendo estranho do que é a posição corrente dos clérigos católicos portugueses, apresenta alguma estranheza, “Igreja aconselha abstinência aos católicos recasados” tendo como fundo uma fotografia do Cardeal-patriarca de Lisboa D. Manuel Clemente.

Os movimentos mais conservadores da Igreja portuguesa estão a organizar-se. É a igreja portuguesa antiPapa Francisco. O conservadorismo mais radical dentro da Igreja católica em Portugal está presente numa organização católica cristã que conhecida por Fraternidade São Pio X que pode ver aqui. Alguns destes radicais costumam reunir-se aos domingos num oratório para ouvir a missa com rituais antigos praticados antes da última reforma em meados do século XX quando a missa em latim foi substituída pelas línguas nacionais por uma das determinações do Concílio Vaticano II, aquela que foi sentida como uma grande mudança.

Nesta igreja que vai tendo cada vez mais adeptos impera o rito antigo, as mulheres cobrem a cabeça com véu, o padre está de costas para os fiéis e onde outras práticas rituais antigas voltam a ser praticadas. Isto é deixar de serem os fiéis os protagonistas da celebração, isto é um retorno ao individualismo da divindade enquanto tal. Os crentes desta fraternidade assunem-se comos sendo ultraconservadores. Há todo um extrato social que está a aderir a estas práticas. Aquela fraternidade está no ponto oposto ao do Papa. Para estes ditos católicos “está fora de causa a questão dos recasados poderem comungar.

Será que é neste contexto que D. Manuel Clemente se refere à abstinência dos recasados?

Hoje aquele clérigo superior da hierarquia da igreja católica portuguesa veio justificar-se dizendo que não era bem assim e recorre aos papas anteriores já disseram de certo modo criticando implicitamente o Papa Francisco.

  1. Manuel Clemente não está só porque párocos de igrejas localizadas em freguesias e predominantemente frequentadas por uma classe social alta e média alta politicamente conservadoras com evidente voto à direita mostrado nas leições concordam com a mesma perspetiva do cardeal-patriarca de Lisboa, nomeadamente o cónego Carlos Paes, pároco de São João de Deus, em Lisboa, a quem não choca que a Igreja (a portuguesa conservadora, é suposto) proponha a abstinência sexual aos casais recompostos, este pároco explica confundindo o acessório e casual com a prática permanente de modo a confundir os fiéis, o que já não admira, dizendo que “A continência faz parte da conjugalidade. E acontece também quando, por uma questão de doença ou deslocação ao estrangeiro por motivos laborais, um dos cônjuges se ausenta ou deixa de estar disponível para a sexualidade”. Pode ler estas declarações aqui.

Recorrem estas mentes sãs luminárias ao cruzamento falacioso das possibilidades abertas pelo Papa Francisco com os posicionamentos mais conservadores de João Paulo II e Bento XVI e claro, para Manuel Queirós da Costa, do secretariado diocesano da pastoral da família de Vila afirma que “Provavelmente essa proposta é um bocadinho irreal, mas efetivamente D. Manuel Clemente não disse mais do que disseram João Paulo II e Bento XVI”.

Todavia não é sobre a posição da igreja católica sobre sexo nem sobre abstinência, quer seja, consoante as circunstâncias, aconselhada, ou não, pela igreja católica portuguesa a que hoje me refiro. Prefiro abordar o tema de forma mais generalista no que se refere aos comportamentos, atitudes e tomadas de posição reveladoras do conservadorismo arreigado da igreja católica portuguesa.

O conceito de igreja pode ser tomado em sentido lato que é o conjunto do clero e fiéis católicos, ou, em sentido restrito, e é neste que me vou situar e que representa o "conjunto das autoridades religiosas que formam a hierarquia católica". Numa análise de pormenor a Igreja Católica ou Igreja Católica Apostólica Romana, é uma Igreja Cristã, que tem por objetivo pregar o Evangelho de Jesus Cristo.

Muito se tem escrito e dito sobre o Papa Francisco cujas tomadas de posição têm sido acatadas por uns e, por outros, discretamente silenciadas, deturpadas ou até omitidas. É sobre esta particularidade, no que à igreja católica portuguesa se refere, que nos podemos centrar. Mais uma vez clarifico que, no presente contexto, a igreja é tomada no seu sentido restrito, isto é, a sua hierarquia dirigente e não os seus fiéis que apesar de tudo os seguem, até com alguma perplexidade, face às suas tomadas de posição.

Do que percebe de declarações de clérigos de base ou da mais alta hierarquia da igreja portuguesa há um descontentamento velado e murmúrios discretos acerca das posições do Papa e da estratégia seguida para a “envangelização” da própria hierarquia.  Esses murmúrios mostram dissidências contra o Papa.

Os clérigos estão dececionados porque estão a ser postas em causa as suas prerrogativas e a tudo quanto seja o sentimento de poder face aos fiéis. Sentem-se expostos publicamente e interiormente comprometidos pelas críticas que a alguns tem vindo a ser dirigidas por aquele se acredita ser o representante de Cristo na Terra.

Num artigo escrito em agosto de 2017 no sítio Jesuítas Colômbia por Alberto Maggi também citado em setembro de 2017, Frei Bento Domingues num artigo de opinião publicado no jornal Público, afirma que “nunca pensaram que Bergoglio teria a intenção de reformar a Cúria romana, de eliminar os seus privilégios ou de que ele flagelaria as vaidades do clero. A sua simples presença, simples e espontânea, é uma constante acusação contra os pomposos prelados, os faraós anacrônicos cheios de si mesmos ...”. Mais adiante o mesmo autor afirma que os clérigos, os sacerdotes estavam,” acima do povo, e agora este Papa convida-os a descer e colocarem-se ao serviço dele. “.

Parte do clero português sente-se desapontado e deslocado devido a terem sido destinados para o estrito cumprimento da doutrina, indiferentes às pessoas, agora não sabem como comportar-se. A sua humanidade atrofiou-se no estrito cumprimento das normas da Igreja e os fiéis são seres passivos, a maior parte pelo menos, são despojados da consciência de si próprios e do mundo que os rodeia para se centrarem na consciência que os mentores da religião que professam lhes impõem em nome da divindade.   

Dececionados estão clérigos e a sua hierarquia, tradicionalistas e conservadores agarrados ao passado. Para estes o Papa é um traidor que está a trazer a ruína à igreja. Diria antes a ruína ao poder clerical.

Este conservadorismo da igreja portuguesa é atávico, com características do passado em ideias, costumes e métodos enraizados e com dificuldade de se adaptar à mudança. A instituição clerical da igreja ao longo do processo histórico soube sempre dominar e controlar, ou se caso disso, aliar-se a classes sociais, pertença dos mais ricos e poderosos que, piedosamente, em conluio com a clerical igreja, contribuíam com caridadezinha para satisfação do seu sentimento de cristandade e ganho do céu com a subserviência da outra maioria arrastada como rebanho.

A clerical igreja sempre serviu ao lado dos possuidores de riqueza e de poder não hesitando me induzir os fiéis com homilias retóricas através da criação de texto fortemente persuasivos de cariz aparentemente religioso, adulterando na sua pregação o evangelho ou, até, selecionando partes cuja interpretação possa ser ambígua, difundindo dissimuladamente certas ideias ou doutrinas de tendência político ideológica perfilhadas por certos meios e poderes. Acontece, nomeadamente, nos meios rurais onde, população menos atenta ou preparada, e frequentadora da igreja local é mais recetiva à palavra do evangelho, segundo o prior da freguesia. E, quando este não satisfaz, pela sua abertura de mente, as ideias induzidas pelo anterior pároco afloram e há manifestação na aldeia.

No dia 7 de fevereiro do ano corrente, no Salão Paul VI do Vaticano, na audiência geral, o Papa Francisco pediu aos sacerdotes que “não forçassem os fiéis com homilias longas, desfocadas e incompreensíveis”, advertindo também para o obstáculo do preconceito. Aconselhou, mas ao mesmo tempo criticando, as homilias longas e, sobre a preparação de uma homilia, pediu aos sacerdotes, aos diáconos, aos bispos para “prepararem com a oração, com o estudo da Palavra de Deus e fazendo uma síntese clara e breve: não deve ir além de dez minutos. Por favor!".

A igreja católica portuguesa ao longo dos tempos revelou primor e dedicação ao obscurantismo, opondo-se ao progresso pelo facto o considerar perigoso para a sua estabilidade, pensamento idêntico ao do salazarismo no aspeto social. A igreja não se opõe a uma nova visão da sociedade e do cristianismo proposto por este Papa, resiste-lhe com todas as suas forças. É tudo uma questão de privilégios que as hierarquias da igreja portuguesa veem com preocupação. No antigo regime o poder clerical da igreja portuguesa foi a grande aliada do poder, dito laico, antidemocrático então instituído este também aliado da igreja. Interessava que as classes sociais não dominantes fossem docilizadas, acomodados e conformados pela igreja e esta cumpriu bem a sua missão ao longo das décadas com algumas exceções ocorridas aqui e ali que contrariavam o processo oficial estimulando condutas rígida para disciplinar o comportamento religioso e político dos fiéis. Esta visão ainda está muito presente não apenas na igreja católica portuguesa, mas também na maioria dos seus fiéis.

Salvo raríssimas exceções a igreja católica aceita com olhar de desagrado quaisquer políticas de esquerda mesmo que estas sejam em benefício dos mais desfavorecidos. No passado sempre teve, e quer continuar a ter no presente e no futuro, a primazia de ser a protetora dos desvalidos e dos desamparados para mostrar à sociedade que pratica a caridade em nome de Cristo com laivos de alguma hipocrisia e apoio de extratos sociais altos a ela ligados. Lembremo-nos da Inquisição no século XIV quando a igreja católica conluiada com a nobreza fazia julgamentos sumários e condenava à fogueira inocentes na mesma medida em que que louvava o Senhor e dizia praticar o Bem de acordo com a moral e a ética cristãs.

Com palavreado subtil muitos vão criticando o Papa Francisco porque extrapola muito deixando de falar do Evangelho de Nosso Senhor, para falar sobre as coisas do mundo e só fala em pobreza e em desigualdade.  E as coisas do mundo não interessam nem convêm desde que à igreja não digam respeito.

Para estes conservadores arreigados a igreja e os seus pastores devem servir os costumes tradicionais e exercer o culto através das suas liturgias pregando o Evangelho, mas não o seguindo a não ser com os olhares da conveniência estatutária da igreja.

Sem olhar para dentro de si a Igreja não deve ter o mando de criticar e ou aconselhar outros. A “nova” moral cristã que advém dos pregamentos de Cristo se por um lado não pode intrometer-se em política, por outro não deve estar de acordo com ideologias em que o individualismo exacerbado são práticas corrente servindo-se dos princípios da Igreja cristã para fomentar a manutenção das desigualdades extremadas das sociedades em que é usual aliar a prática da caridade com outros interesses.

Há alguns meses o Papa Francisco alertou para a “dramática desigualdade” de rendimentos entre ricos e pobres, numa audiência aos participantes no congresso que evocou os 50 ano da encíclica ‘Populorum Progressio’, de Paulo VI. Esta mensagem nada tem a ver com ser contra os ricos, mas a Igreja portuguesa tem o dever de não estar do lado do dinheiro porque "O dinheiro deve servir e não governar", e a Igreja católica, juntamente com os mais ricos tem a obrigação de, não apenas de ajudar os mais necessitados, mas, mais ainda, respeitá-los, educa-los e, sobretudo, promovê-los socialmente.

Embora não concorde na íntegra com aquela posição, pois parece passar a mensagem de que os ricos são uma espécie de lepra da sociedade, o ponto de vista é parece ser mais o acesso ao poder pelo dinheiro e para o enriquecimento de alguns e, onde, há dinheiro por vezes a Igreja também lá está não expressamente envolvida. Pode ver aqui extratos da exortação apostólica do Papa Francisco "Evangelii Gaudium" (A Alegria do Evangelho).

Desde quando é que os princípios éticos, morais e sociais da doutrina cristã revelada, não se devem aplicar à vida quotidiana?